BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

quinta-feira, 22 de julho de 2010

VOCÊ É LIVRE?


A pergunta pode parecer estranha, não? Entretanto, a maioria das pessoas não é livre e não sabe. A maior escravidão são os medos: medo da vida, da morte, medo de amar, de se arrojar, de adoecer, de mudar de emprego, de perder a estabilidade, de não se submeter a todas as regras sociais, e por aí vai...
Mas, para mim, a maior escravidão é a intelectual. A pessoa, neste caso, tem medo de fugir à opinião da maioria ou daqueles que considera importantes. Ah, a submissão absoluta ao pensamento de uma determinada ideologia, de dogmas, de superstições, etc. É muito triste a pessoa não poder pensar pela própria cabeça! Mormente, quando é alguém que detém conhecimentos e é respeitado na comunidade.
Eu seria a pessoa mais infeliz se não tivesse a liberdade de pensar! Tenho amigos padres que dizem que sou uma católica heterodoxa. Outros que sou uma espírita não praticante e ainda alguns tantos que me consideram esotérica. Por que uma pessoa não pode amar a Deus, seguir a Cristo, ser profundamente espiritualizada e ter, obrigatoriamente, que ter um rótulo?! Meu pai se dizia um livre pensador e acho que é nesta categoria que me enquadro muito bem.
Sou cristã, mas não desprezo a sabedoria milenar do Oriente e nem a de várias e mais diversas religiões. E daí? Sou uma pessoa na terceira idade e desejo namorar. Por que não? Estou viva, não estou?
Eu amo o ser humano e acredito nele apesar dos seus descaminhos. Por que não acreditar? Se tenho fé e esperança, se acredito que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus, se nele mora a fagulha do Infinito, por que não ?
A maldade grassa no mundo? O homem está muito violento? Tornou-se perigoso viver? Voltamos à barbárie? Eu lhes pergunto: o que sabem me dizer sobre o que chamo de “O Movimento do Bem”? Pois ele existe. Existem pessoas maravilhosas que se entregam a obras extraordinárias. Mas, o que é bom não dá manchete.
Há um silencioso movimento que, pouco a pouco, se alastra pelo mundo. São pessoas que creem no bem, no amor, na justiça. Estão preocupadas com o seu crescimento pessoal e o da humanidade. Gente que compreende a dor porque já passaram por este processo e, assim, buscam minimizá-lo no próximo. Pessoas amantes da Verdade, mas que nunca se arvoram em donos dela porque sabem, inclusive, que a Verdade é o próprio Deus e estamos todos caminhando para Ele. São criaturas cheias de amor, cujas lágrimas são sempre de deslumbramento e gratidão diante da Misericórdia de Deus. Nelas a Vida pulsa sempre vibrante e suas vozes de esperança e fé se elevam e se ajuntam a tantas outras que acreditam no Bem e no eterno recomeçar. Querem exemplos? Ainda vivos, Jean-Yves Leloup, Roberto Crema, Mandela, Frei Neylor Tonnin, Frei Vitório Mazzuco, Leonardo Boff e milhões de anônimos. Já mortos: Chico Xavier, Irmã Dulce, Madre Teresa de Calcutá, Dom Helder e tantos outros...
Outro dia resolvi fazer um teste sobre minha posição política. Sempre me considerei de “esquerda”. E que digam todos os meus alunos de Sociologia... Isto muito entristecia a meu pai, que era militar. Entretanto, quando vi o resultado do teste, me espantei: “liberal de direita”... E daí? Deixei de ser a mesma pessoa com as mesmas convicções? Sou contra revoluções sociais violentas? Sim, sou a favor da paz, do diálogo, do amor.
Sou contra o coronelismo, a compra de votos, a corrupção, a lavagem cerebral, o fanatismo. Vivo de olhos e mente abertos e não sou nem um pouco alienada. Se isto é ser de direita, que bom seria que papai soubesse!
Quem é analista político é meu irmão, Jorge Silveira. Eu não tenho nenhum compromisso com esta questão, mas sou antenada e observo muito bem o comportamento dos políticos, o seu passado e dou um voto plenamente consciente.
Já me afastei de alguns “amigos” que consideram “burros, ignorantes e imbecis” quem não pensa como eles. Não tenho mais idade para suportar tamanhas tolices. Aliás, acho que uma das vantagens de estar na terceira idade é poder falar o que penso e sinto. Ou melhor, sempre fui assim, mas, quando jovem, era considerada “moderna”, “pra frente”, no sentido pejorativo.
Hoje não estou nem aí para o que os outros pensam. Respeito todas as convicções. Aliás, alguém já disse (estou naquela fase da vida em que os nomes às vezes nos escapam...) que toda unanimidade é burra. Sou livre: penso e falo o que quiser, sem magoar ninguém, é lógico, e vivo da maneira que considero ética. Se não concordam comigo, que se explodam! Amo a vida e quero vivê-la a meu modo. Podem jogar pedras! Elas hoje ricocheteiam... Não me incomodam nem um pouco!



Maria Luiza
Montes Claros

SONHOS


ANTÔNIO fERREIRA DE OLIVEIRA


Eu tive outrora sonhos bem suaves!

Cantavam-me nas noites de luar

as baladas de amor, gorgeios d'aves

a voar pelo futuro... a voar.... a voar!


Foram-se os sonhos! Fui depois com as chaves

do destino, pesadas de levar!

Na minha estrada só achei entraves:

dificilmente pude aqui chegar!


Vejo hoje o meu futuro tão restrito,

meu passado tão longe, tão distante,

livre de mágoas, livre de delíto...


Quero seguir, mas fico vacilante.

Medito... De minh'alma parte um grito...

vão-se os sonhos na curva cambiante!...


(Minha homenagem à minha querida tia Yvonne Oliveira da Silveira, um poema de seu pai que não pode ser esquecido na memória de Montes Claros)

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO