BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

quarta-feira, 30 de março de 2011

A FESTA DO AMOR


Vou por aí
de peito aberto
Com o vento a acariciar-me
E o cheiro da maresia
A penetrar-me o ser.
Vou sozinha
A pensar num louco amor
E sonhar com sua presença
A confortar-me.
Desejo os seus beijos
E o calor do seu corpo
A loucura da paixão
A arder em nós dois.
Desejo a poesia
De noites estreladas
E lua cheia
Desejo aninhar-me
Em seus braços ternos
E descobrir um novo tempo
Talvez até outro universo
Onde o amor não morreu.
Desejo tempos de serenata
E dançar colada
Em seu corpo
Sentindo a rigidez de seu desejo
Desejo resgatar
A alegria de poder
Festejar a vida
Bailando em seus braços...

Maria Luiza

GUARDAM AS TARDES


Guardam as tardes, o silêncio,
tranqüilo e tolhido de movimento.
Habitam os homens
que precedem as partidas,
também tranqüilos.

Que se vestem com acenos
na calma do momento.
Recordam os corpos calados
que se encurtam ferventes.
Que abertos nas costas
têm o peso da água.

Salpicam as horas graves.
Multiplicam-se no frio inerte da memória.
Julgam-se libertos, os homens,
com as palavras na expressão implacável
do entardecer dos passos últimos.

(Nuno Travanca)

(do blog de Regina Moon - http://versosprosapoemas.blogspot.com

EXEMPLO DE VIDA


De ontem para cá já disseram tudo sobre o ex-vice-presidente, José de Alencar. O Brasil inteiro acompanhou a sua dolorosa via-crucis. Realmente o que podemos dizer é tudo que já foi dito: um grande homem. Mais do que sua figura como político, empresário, prefiro destacar a sua imagem como ser humano. Um ser humano de extraordinária grandeza moral e espiritual. São palavras dele: "Não temo a morte, mas a desonra". Isso diz tudo! Quem dera essa fosse a posição de todos os homens! Teríamos um mundo melhor. Pois, quem teme a desonra é uma pessoa extremamente ética. E é o que mais falta no mundo de hoje.
Numa sociedade onde muitos passam por cima de todos os valores que vinham norteando a nossa cultura, ele cresceu através do esforço próprio, sem deixar manchas em sua trajetória.
A sua fé em Deus era forte e inabalável. Entrava e saía do hospital sempre com um sorriso no rosto. Otimista, lutador, com uma visão moderna de desenvolvimento. Era rico, mas penso que a maior riqueza que terá deixado para sua família foi essa postura de homem generoso e ético.
Uma coisa que muito me chamou a atenção em todo o período de sua luta contra a doença é que ele se expôs publicamente. Muitos, devido ao orgulho e vaidade, escondem qualquer doença, às vezes, até dos próprios amigos. Isto porque consideram a doença como uma fraqueza, um demérito. A sua atitude deu ao Brasil não apenas uma lição de amor à vida, de espírito de luta, de fé e coragem, mas, sobretudo, de humildade.
Tenho, durante minha vida, acompanhado muitos doentes terminais. Eles me chamam para que lhes explique a visão que tenho de morte, coisa que não é uma simples filosofia ou fé religiosa, mas uma visão de quem, muitas vezes, já experimentou o estado de "quase morte". Ao dar-lhes essa minha maneira de olhar a morte, eles puderam morrer com conforte e tranquilidade. Gostavam, também, que orasse por eles, pois diziam que minhas orações lhes aliviava a dor.
Um dia, porém, fui chamada para atender uma amiga e a primeira coisa que me disseram foi:"Ela está com câncer em fase terminal. Porém não sabe de nada. Nós lhe pedimos para não tocar em doença com ela e muito menos falar sobre morte. Aliás, gostaríamos que você guardasse como segredo o estado dela".
Ao sentar-me, porém, sozinha com ela, foi logo me dizendo: "Maria Luiza, eu sei que estou com cÂncer e vou morrer. Quero que você me fale sobre a morte e ore em minha presença, com as mãos em minha cabeça". Conversei com ela e, mesmo já no coma, eu continuava a falar-lhe sobre a morte e orar como me pediu. Morreu em paz. Entretanto, pude perceber o orgulho de sua família, que considerava a doença e a morte como uma fraqueza.
E aí é que vejo a maior grandeza do ser humano, José de Alencar. Ele era humilde e nunca teve vergonha de se expor. Bem pelo contrário, aproveitou para dar à nação uma lição de fé, coragem, otimismo e espírito de luta.
Que Deus o tenha e o guarde!

Maria Luiza

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO