BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

domingo, 23 de setembro de 2012

O JARDIM DO CORAÇÃO


Não se preocupe em fertilizar pois a terra do Coração
é boa e naturalmente dadivosa. O mais importante é
escolher as sementes certas.
No Jardim de seu Coração não pode faltar a semente da
. As flores da Fé deixarão seu Coração resistente e
fortalecido o bastante para que você possa suportar
todas as intempéries da vida.
 Plante a semente do AMOR UNIVERSAL.
Esta planta precisa de cuidados especiais, porém suas
flores são tão sublimes que exalarão as doces fragrâncias do perdão, da gratidão, da união com todos os seres e da vontade de servir desinteressadamente.
Plante as sementes da ALEGRIA e do ENTUSIASMO.
Estas plantas darão flores vivazes e comunicativas que
cantarão para as outras flores, se vestirão das mais
variadas cores e serão beijadas pelos colibris.
 Plante a semente da HUMILDADE.
Além de belíssima, esta planta tem o raro condão de
impedir o crescimento das ervas daninhas do orgulho,
do egoísmo e do ressentimento. As flores da Humildade
exalarão o aroma da simplicidade, da leveza e da paz.
 Plante as sementes da PERSEVERANÇA nos quatro
cantos do seu jardim. Estas plantas crescerão lentamente, ficarão viçosas e encorpadas com o tempo.
Demorarão para dar suas flores esplêndidas para que
você entenda que, às vezes, é preciso esperar para se
conseguir algo realmente valioso e definitivo.
 E não se surpreenda se um dia notar que,
bem no centro de seu jardim, nasceu uma planta
raríssima que você não plantou. Ela veio por lei de
afinidade ao ver a beleza das outras plantas e das outras flores.
Chamar-se-á a planta da SABEDORIA.
Suas flores nobres e fulgurantes exalarão o perfume
do discernimento e permitirão que você possa contemplar toda a Criação pelos próprios olhos do Pai.


Sandra Vivarini do blog "Portal dos Anjos"

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A OBSESSÃO PELO MELHOR




Estamos obcecados com "o melhor".
Não sei quando foi que começou essa mania, mas hoje só queremos saber do "melhor".
Tem que ser o melhor computador, o melhor carro, o melhor emprego, a melhor dieta, a melhor operadora de celular, o melhor tênis, o melhor vinho.
Bom não basta.
O ideal é ter o top de linha, aquele que deixa os outros pra trás e que nos distingue, nos faz sentir importantes, porque, afinal, estamos com "o melhor".
Isso até que outro "melhor" apareça e é uma questão de dias ou de horas até isso acontecer.
Novas marcas surgem a todo instante.
Novas possibilidades também. E o que era melhor, de repente, nos parece superado, modesto, aquém do que podemos ter.
O que acontece, quando só queremos o melhor, é que passamos a viver inquietos, numa espécie de insatisfação permanente, num eterno desassossego.
Não desfrutamos do que temos ou conquistamos, porque estamos de olho no que falta conquistar ou ter.
Cada comercial na TV nos convence de que merecemos ter mais do que temos.
Cada artigo que lemos nos faz imaginar que os outros (ah, os outros...) estão vivendo melhor, comprando melhor, amando melhor, ganhando melhores salários.
Aí a gente não relaxa, porque tem que correr atrás, de preferência com o melhor tênis.
Não que a gente deva se acomodar ou se contentar sempre com menos. Mas o menos, às vezes, é mais do que suficiente.
Se não dirijo a 140, preciso realmente de um carro com tanta potência?
Se gosto do que faço no meu trabalho, tenho que subir na empresa e assumir o cargo de chefia que vai me matar de estresse porque é o melhor cargo da empresa?
E aquela TV de não sei quantas polegadas que acabou com o espaço do meu quarto?O restaurante onde sinto saudades da comida de casa e vou porque tem o "melhor chef"?
Aquele xampu que usei durante anos tem que ser aposentado porque agora existe um melhor e dez vezes mais caro?
O cabeleireiro do meu bairro tem mesmo que ser trocado pelo "melhor cabeleireiro"?
Tenho pensado no quanto essa busca permanente do melhor tem nos deixados ansiosos e nos impedido de desfrutar o "bom" que já temos.
A casa que é pequena, mas nos acolhe.
O emprego que não paga tão bem, mas nos enche de alegria.
A TV que está velha, mas nunca deu defeito.
O homem que tem defeitos (como nós), mas nos faz mais felizes do que os homens "perfeitos".
As férias que não vão ser na Europa, porque o dinheiro não deu, mas vai me dar à chance de estar perto de quem amo...
O rosto que já não é jovem, mas carrega as marcas das histórias que me constituem.
O corpo que já não é mais jovem, mas está vivo e sente prazer.
Será que a gente precisa mesmo de mais do que isso?
Ou será que isso já é o melhor e na busca do "melhor" a gente nem percebeu?
Sofremos demais pelo pouco que nos falta e alegramo-nos pouco pelo muito que temos



Leila Ferreira
Leila Ferreira é uma jornalista mineira com 
mestrado em Letras e doutora em 
comunicação em Londres, 
que optou por viver uma vida 
mais simples, em Belo Horizonte 

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

MENSAGEM DE HOJE


Acautela-te dos amigos frios, de coração enregelado.
Há homens que mataram as emoções e deixam-se vegetar em relação ao
bem, exalando miasmas que contaminam, portadores do pessimismo
malfazejo que termina por infelicitar quem deles se acerca.
Dilata o círculo das tuas afeições, no entanto, cuida-te quanto às influências
de tal natureza, que terminam por perturbar, levando ao desencanto.
Esses indivíduos amargos perambulam sem norte, e,
tudo quanto vêem, sombreiam com a sua óptica escura.
Deixe que o sol brilhe em ti.


Joanna de Ângelis
Extraído de "Vida feliz".

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

ORAÇÃO DO AMANHECER





Senhor:
No silêncio desse dia que amanhece venho pedir-te a paz, a sabedoria e a força. 
Quero, hoje, Pai, olhar o mundo com os olhos cheios de amor.
Quero ser paciente, compreensivo, manso e prudente.
Quero ver, além das aparências, teus filhos, assim com Tu vês, e, desse modo, não ver senão o Bem em cada um deles.
Cerra os meus ouvidos à toda calúnia.
Guarda a minha língua de toda maldade.
Que só de bençãos se encha minh'alma.
Que eu seja tão bom e alegre que todos aqueles que se aproximem de mim sintam a Tua presença.
Reveste-me de Tua beleza, Senhor, e que, no decurso desse dia, eu Te revele a Todos.


Desconheço autoria.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

AUTOESTIMA É A CAUSA DE NOSSA VERGONHA



Todos nós nos colocamos em vários níveis, e estamos constantemente caindo dessas alturas. É da queda que temos vergonha. A auto-estima é a causa de nossa vergonha, de nossa queda. É esta auto-estima que deve ser compreendida, e não a queda. Se não houver o pedestal em que você se coloca, como poderá haver qualquer queda?
Por que você se colocou num pedestal chamado auto-estima, dignidade humana, o ideal e assim por diante?
 Se você pode compreender isto, então não haverá vergonha do passado; ele terá passado completamente. Você será o que você é sem o pedestal. Se o pedestal não está lá, a altura que faz você olhar para baixo ou para cima, então você é o que sempre evitou. É este evitar o que é, o que você é, que gera confusão e antagonismo, vergonha e ressentimento.
 Você não tem que me dizer, ou ao outro, o que você é, mas estar cônscio do que você é, o que quer que seja, agradável ou desagradável: viva com isto sem justificar ou resistir.
Viva com isto sem dar nome; pois o próprio termo é uma condenação ou uma identificação. Viva com isto sem medo, porque o medo impede a comunhão, e sem comunhão você não pode viver com isto.
Estar em comunhão é amar. Sem amor, você não pode varrer o passado; com amor, não há passado.
Ame, e o tempo não existirá.

- Commentaries on Living Series I, Self-Esteem

domingo, 9 de setembro de 2012

O TEMPO DO TEMPO



 
Não acuse ninguém,
desse ou daquele mal.

Não esfregue
"verdades"
na cara de ninguém.

Não se julgue
"inocente o suficiente"
para dar um veredito.

E por outro lado,
não aceite o julgamento
de ninguém.

Feliz é a pessoa
que segue seu caminho
buscando o bem.
Independente de qualquer
religião,
dogma ou credo.
Feliz é aquele que
segue sem julgar,
e que não se abala com o
julgamento dos outros.

Não tem
tempo para se comparar,
segue fazendo.
Hoje,
mais do que nunca,
o tempo pede um "tempo".
Uma reflexão amorosa
sobre a sua vida.

Não siga pelos mesmos
caminhos que
já te fizeram sofrer.

Abra a sua
mente para novas
possibilidades.

Se já não há mais
portas para bater,
abra janelas no seu
interior
e deixe a luz do céu
entrar.
Você tem visto Deus
na sua vida?

Não nas palavras,
nem nos gestos.
Estou falando de paz interior,
de família unida e feliz.

De bençãos sem medidas
e inesperadas;
de amor e caridade,
luz e fraternidade.

Deus é mais do que uma
ladainha ou oração.
Deus é justiça perpétua,
não uma emoção.
Abra-se para a plenitude.

Acredite em você,
na centelha divina que
habita em seu ser.

Não se deixe levar pela
correnteza de situações
adversas,
nem pelos pensamentos
que nada constroem.

Fortaleça-se na certeza
de que o melhor
está reservado para você;
e tudo já está preparado!

Só falta você.
 

sábado, 1 de setembro de 2012

APRENDA A LINGUAGEM DO SILÊNCIO


Você sempre permaneceu unido apenas informalmente, e quando está unido
 formalmente a alguém pode continuar enganando a respeito de mil e uma 
coisas disparatadas, porque nada importa — é só um passatempo.
Mas quando você começa a se sentir mais próximo de alguém surge uma intimidade,
então até mesmo uma simples palavra que pronuncie é importante.
Então você não pode brincar com as palavras com tanta facilidade, porque agora tudo 
tem significado.
Portanto, haverá lacunas de silêncio. A princípio você se sentirá estranho,
porque não está acostumado ao silêncio. Você acha que deve dizer algo; 
do contrário, o que o outro irá pensar?
Sempre que você se aproxima de alguém, sempre que há algum tipo de amor,
 o silêncio vem e não há nada a dizer. Na verdade, não há nada a dizer —
 não há nada. Com um estranho, há muito a dizer; com os amigos, nada a dizer.
 E o silêncio se torna pesado porque você não está acostumado com ele.
Você não sabe o que é a música do silêncio. Você só conhece uma maneira de
se comunicar, e essa é verbal, por intermédio da mente. Você não sabe como se 
comunicar por intermédio do coração, coração a coração, em silêncio.
Você não sabe como se comunicar apenas estando ali presente, por intermédio da
sua presença. Você está evoluindo, e os padrões antigos de comunicação
 estão ficando insuficientes. Você terá de desenvolver novos padrões de comunicação 
não-verbal.
 Quanto mais alguém amadurece, mais necessária é a comunicação não-verbal.
A linguagem é necessária porque não sabemos como nos comunicar. Quando sabemos
como fazê-lo, pouco a pouco, a linguagem não é necessária. A linguagem é apenas um 
meio muito primário. O meio verdadeiro é o silêncio.
Portanto, não tome uma atitude errada; do contrário, irá parar de crescer.
Nada faz falta quando a linguagem começa a desaparecer; essa é uma ideia errada. 
Algo novo tem de aparecer, e os antigos padrões não são suficientes para contê-lo.
Você está crescendo e suas roupas estão ficando apertadas. Não é que esteja
faltando algo; algo está sendo acrescentado a você a cada dia.
Quanto mais você medita, mais você ama e mais se relaciona. E, por fim,
chega o momento em que apenas o silêncio convém. Assim, da próxima vez em que 
estiver com alguém e não estiver se comunicando com palavras, e sentir-se pouco 
à vontade, fique feliz. Mantenha o silêncio e deixe que o silêncio estabeleça a 
comunicação.
linguagem é necessária para aproximar pessoas com quem você não tem um
relacionamento amoroso. A não-linguagem é necessária para pessoas com quem
você tem um relacionamento amoroso.
É preciso tornar-se inocente outra vez como uma criança, e calado. Os gestos
sairão — às vezes vocês sorriem e dão-se as mãos, ou às vezes vocês apenas ficam 
em silêncio, olhando um nos olhos do outro, sem fazer nada, só estando ali, presentes.
As presenças se encontram e se fundem, e algo acontece que só vocês sabem.
Só vocês, com quem está acontecendo — ninguém mais vai saber, tal a profundidade
 em que acontece.
Aproveite esse silêncio; sinta-o, prove-o e saboreie-o. Logo você vai ver que ele
tem a sua própria comunicação; que ela é maior, mais elevada, mais secreta 
e mais profunda.
E que a comunicação é sagrada; há uma pureza em torno dela.

Osho, em "Intimidade: Como Confiar em Si Mesmo e nos Outros"


Leia mais: http://www.palavrasdeosho.com/2010/01/aprenda-linguagem-do-silencio.html#ixzz25EtZED8g

A PRECE É PRÁTICA RELIGIOSA RECOMENDADA POR TODOS OS BONS ESPÍRITOS


Estudos diversos comprovaram a conseqüência favorável que a prece produz. O médico e pensador Alexis Carrel (1) dizia frequentemente que o importante não é acrescentar anos à sua vida, mas vida aos seus anos. Em 1942, Carrel escreveu o artigo intitulado A Prece é Força, afirmando “que a oração é uma força tão real como a gravidade terrestre”.  (2) E acrescentou: “no meu caráter de médico, tenho visto enfermos que, depois de tentarem, sem resultado, os outros meios terapêuticos, conseguiram libertar-se da melancolia e da doença, pelo sereno esforço da prece” (3). Naquela tumultuada década dos anos 40 do século XX(4), sobretudo para os médicos, era uma grande ousadia admitir as implicações da “prece” sobre a saúde. Todavia, o médico filósofo, contrariando seus colegas, proclamou a força da oração.
Sabe-se hoje que a prece realmente atua sobre os doentes, influenciando o sistema imunológico, segundo estudo realizado no ano de 1988, no Hospital Geral de São Francisco, na Califórnia. “Nesse hospital foi possível comprovar que os pacientes que foram alvos de preces apresentaram significativas melhoras, necessitando inclusive de menor quantidade de medicamentos.” (5)
A prece é recomendada por todos os Espíritos. Renunciar a ela é ignorar a bondade de Deus; é rejeitar para si mesmo a sua assistência; e para os outros, o bem que se poderia fazer. (6) O Espírito André Luiz, que foi médico em sua última reencarnação terrena, disse: “Ah! se os médicos orassem”. A exclamação consta no capítulo intitulado “Em aprendizado”, que revela o apoio que os benfeitores espirituais dão aos médicos que se disponham a abrir os seus canais de sensibilidade. “Todos os médicos, ainda mesmo quando materialistas de mente impermeável à fé religiosa, contam com amigos espirituais que os auxiliam” (7).
Alexis Carrel, sob a luz da inspiração, certificou que “quando oramos, ligamo-nos, nós mesmos, à inexaurível força motriz que aciona o universo. Pedimos que uma parcela desta força se aplique na devida proporção das nossas necessidades. Com o próprio ato de pedir, nossas deficiências humanas são supridas, e erguemo-nos fortalecidos e restaurados”   (8)
Os médicos americanos William Reed (9) e Roger Youmanas, quebrando os paradigmas e axiomas acadêmicos, defendem a necessidade da oração na hora da cirurgia. Para Reed o poder da oração pode garantir o sucesso de uma cirurgia, na atmosfera tensa de uma sala de operação. Quando uma enfermeira lhe  passa um instrumento, o médico diz que faz sempre uma prece. Pede a Deus que o guie, de acordo com os seus desígnios. Para o cirurgião, a oração cria o clima de calma, necessário para o trabalho.
William Reed e Youmanas citam o caso de hemorragias subitamente controladas ou paradas cardíacas prontamente resolvidas. E o próprio Reed teve prova disso com seu filho de dois anos. A criança estava com pneumonia e de repente parecia que ia morrer. Salvou-o com respiração artificial, depois que pediu a Deus para que não tirasse a vida de seu filhinho.  Roger Youmanas, cirurgião da Califórnia, confirma que sempre reza durante 30 segundos quando se vê diante de um caso difícil. Acredita que a prece em favor de um doente pode ajudar. E acredita que um cirurgião possa fazer uma operação melhor se tiver inspiração divina. ”(10)
O Cristo disse: “por isso vos digo: todas as coisas que vós pedirdes orando, crede que as haveis de ter, e que assim vos sucederão.” (11) Para nós, espíritas, a prece se reveste de características especiais, pois a par da medicação ordinária, elaborada pela Ciência, o magnetismo nos dá a conhecer o poder da ação fluídica e o Espiritismo nos revela outra força poderosa na mediunidade curadora e a influência da oração Allan Kardec, ao emitir seus comentários na questão 662 de O Livro dos Espíritos, afirma que “o pensamento e a vontade representam em nós um poder de ação que alcança muito além dos limites da nossa esfera corporal. A rigor a eletricidade é energia dinâmica; o magnetismo é energia estática; o pensamento é força eletromagnética.”(12)     
Há pessoas que negam a Eficácia da Prece baseados em que, Deus conheça as nossas necessidades, desnecessário se torna expô-las. Acrescentam, tais descrentes, que as nossas súplicas, não podem modificar os designo da Providência, porque todo o Universo está regido por leis eternas. “Contudo, o Espiritismo nos faz compreender que na oração, sendo um canal de ligação com o Criador, podemos solicitar , enaltecer e agradecer. As preces dirigidas a Deus são ouvidas pelos Espíritos encarregados da execução dos seus desígnios; as que são dirigidas aos Bons Espíritos vão também para Deus.” (13)
Quando o pensamento se dirige para algum ser, na terra ou no espaço, de encarnado para desencarnado, ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece de um a outro, transmitindo o pensamento, como o ar transmite o som. A energia da corrente está na razão direta da energia do pensamento e da vontade. “É assim que a prece é ouvida pelos Espíritos, onde quer que eles se encontrem. “Pela prece, o homem atrai o concurso dos Bons Espíritos, que o vêm sustentar nas suas boas resoluções e inspirar-lhe bons pensamentos.”   (14)
O mestre de Lyon explana que “a prece do homem de bem tem mais merecimento aos olhos de Deus, e sempre maior eficácia. Porque o homem vicioso e mau não pode orar com o fervor e a confiança que só o sentimento da verdadeira piedade pode dar. Do coração do egoísta, daquele que só ora com os lábios, não poderiam sair mais do que palavras, e nunca os impulsos da caridade, que dão à prece toda a sua força.” (15) Porém, quem não se julga suficientemente bom para exercer uma influência salutar, não deve deixar de orar por outro, por pensar que não é digno de ser ouvido. “A consciência de sua inferioridade é uma prova de humildade, sempre agradável a Deus, que leva em conta a sua intenção caridosa. A prece que é repelida é a do orgulhoso, que só tem fé no seu poder e nos seus méritos, e julga poder substituir-se à vontade do Eterno.” (16)
Outra questão importante para o tema é a prece coletiva; será que tem ação mais poderosa? Sim!  Quando todos os que a fazem se associam de coração num mesmo pensamento e têm a mesma finalidade, porque então é como se muitos clamassem juntos e em uníssono. “Mas que importaria estarem reunidos em grande número, se cada qual agisse isoladamente e por sua própria conta? Cem pessoas reunidas podem orar como egoístas, enquanto duas ou três, ligadas por uma aspiração comum, orarão como verdadeiros irmãos em Deus, e sua prece terá mais força do que a daquelas cem.” (17)
"E quando orais, não faleis muito, como os gentios; pois cuidam que pelo seu muito falar serão ouvidos. Quando orais, não haveis de ser como os hipócritas, que gostam de orar em pé nas sinagogas, para serem vistos pelos homens".(18)  Por isso que as formas e as fórmulas utilizadas para a oração se fazem secundárias, sendo indispensável a intenção do suplicante, cujo propósito estimula o dínamo cerebral a liberar a onda psíquica vigorosa que lhe conduzirá a vontade. O pensamento , portanto, ligado a Deus, ao bem, ao amor, ao desejo sincero de ajudar, eis a oração que todos podem e devem utilizar, a fim de que a paz se instale por definitivo nos corações. 
J

Jorge Luiz Hessen (Brasília/DF)
Servidor Publico Federal, residente em Brasília, palestrante,
escritor, articulista em diversos jornais e sites, com textos publicados na Revista Reformador da FEB, O Espírita de Brasília, O Imortal, Revista Internacional do Espiritismo, entre outros e além de conselheiro da revista eletrônica O Consolador. e-mail: jorge.loluhesse@gmail.com

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO