BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

PENSAMENTO DE HOJE




"O tempo tenta sequestrar meu sorriso, mas,

 resisto  como uma criança com    medo da

mãe ao ralar o joelho: engulo o choro, para

não doer mais."



Clarice Lispector

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

TRABALHA E ESPERA


Nunca te suponhas, a sós, em servindo à seara do bem.
Os Mensageiros do Senhor estão sempre abençoando, secundando, apoiando e complementando-te o trabalho.
E não precisam trombetas para se anunciarem e nem requisitam dispositivos de alarme para te entregarem o amparo de que se fazem portadores.
Em silêncio, sabem escolher oportunidades, processos, maneiras e pessoas para isso.
Observa.
Abeirava-te da exaustão. No capítulo das disponibilidades materiais para o sustento das boas obras, entretanto, no ápice da necessidade, alguém
apareceu, estendendo-te o concurso preciso.
Impedimentos domésticos passaram a obstar-te a cooperação no auxílio aos semelhantes, todavia, quando tudo se te afigurava entrave indissolúvel,
algo sucedeu quebrando-te as amarras e desanuviando-te o caminho.
Doenças ameaçavam-te com a paralisação das possibilidades de servir e até mesmo com a desencarnação, contudo, no instante mais grave, do
mecanismo das circunstâncias repontaram o remédio providencial e a medida justa de que carecias para continuares em ação.
Provações do círculo íntimo te impuseram grande sobrecarga de tarefas, induzindo-te à inquietação e ao sacrifício, no entanto, quando a situação te parecia insustentável, providências surgiram, de inesperado,
em teu auxílio.
Problemas diversos te afligiam a alma, acenando-te com a ruptura de tuas nobres realizações em andamento, mas quando as tuas melhores esperanças se apresentavam como sendo claramente frustradas, acontecimentos imprevistos liquidaram com eles e a estrada se te clareou novamente.
Confia nos Mensageiros do Senhor, cujo amparo nunca falha.
No entanto, seja qual seja o obstáculo não te dês à rebeldia ou lamentação e sim continua trabalhando e oferecendo à vida o melhor que possas fazer.
Os Mensageiros do Senhor estão junto de nós e por nós e jamais nos abandonam. Ainda assim, mesmo quando o auxílio de que careças se te afigure tardar, continua fiel ao dever de servir, porque o barulho da queixa ou a gritaria da revolta podem talvez dificultar o socorro que vem vindo.


Emmanuel

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

PRECE DOS AFLITOS

Senhor Deus, Pai dos que choram,
Dos tristes, dos oprimidos.
Fortaleza dos vencidos,
Consolo de toda a dor,
Embora a miséria amarga,
Dos prantos de nosso erro,
Deste mundo de desterro,
Clamamos por vosso amor!
Nas aflições do caminho,
Na noite mais tormentosa,
Vossa fonte generosa
É o bem que não secará...
Sois, em tudo, a luz eterna
Da alegria e da bonança
Nossa porta de esperança
Que nunca se fechará.
Quando tudo nos despreza
No mundo da iniquidade,
Quando vem a tempestade
Sobre as flores da ilusão!
Oh! Pai, sois a luz divina,
O cântico da certeza,
Vencendo toda aspereza,
Vencendo toda aflição.
No dia de nossa morte,
No abandono ou no tormento,
Trazei-nos o esquecimento
Da sombra, da dor, do mal!...
Que nos últimos instantes,
Sintamos a luz da vida
Renovada e redimida
Na paz ditosa e imortal.


Livro: Paulo e Estevão – Médium: Chico Xavier – Espírito: Emmanuel.

A INVEJA


Morena de camisola | por : carlito
Não somos  donos de nada aqui, ou seja, somos apenas administradores dos bens de Deus, que assim nos confiou, os quais devemos nos dar por satisfeitos. Assim sendo, nada nos pertence, nem mesmo nosso corpo físico que apenas nos serve de residência enquanto permanecermos aqui.
Portanto, não devemos temer os invejosos que nos arrodeiam. Se não temos nada de nosso, logos eles não podem tirar nada de nós, certo?
Eles vivem desejando apenas a nossa cruz, que por vezes já está bem pesada, pois aquilo que está em nossa cabeça, ou seja, todo conhecimento que possuímos isso eles não podem tirar de nós. É o único bem que possuímos e que levaremos com nós deste mundo, certo?
São esses os legítimos bens que o ladrão não pode roubar. Neste caso, estas criaturas são dignas da nossa compaixão, pelo seu retardamento mental, ou seja, pela sua ignorância e falta de conhecimento das coisas de Deus.
Pela sua falta de coragem, para conseguir aquilo que deseja pelo seu esforço próprio. Tudo que lhe tirarem dos outros não tem mérito algum para eles. Mesmo porque, não terão condições de administrar bem, porque a oportunidade foi dada para nós outros, e não para eles, certo?
SOMOS TODOS DOENTES AQUI NA TERRA, PORÉM OS INVEJOSOS POSSUEM UMA COTA DE ENFERMIDADE MAIOR. E neste caso são necessitados da nossa compaixão, uma vez que estão mais atrasados na sua evolução espiritual.
Pensemos nisto e não aumentemos nossa aflição nos igualando a eles, mantendo ódio e desejo de vingança contra eles. Procuremos entender que todos somos filhos do mesmo Deus e eles ainda não alcançaram os mesmos postos de elevação espiritual que nós.
Oremos por eles, para que o Pai reconheça em nós seus verdadeiros administradores e herdeiros pela boa administração e a boa direção que estamos dando aos seus bens aqui na terra.
Não tenhamos medo destas criaturas que, por vezes, já estão mais fracas que nós. Lamentemos apensas suas condições inferiores, e oremos por elas, mais necessitados que nós .
Se Jesus nos disse, a quem tem mais lhe será dado e quem não tem até o que pensa ter lhe será tirado, nesse caso nossos irmãos poderão perder até o pouco que pensam ter para sua sobrevivência aqui e o nosso quinhão poderá ser aumentado ainda mais em nosso favor, certo?
Graças a Deus.
Que Jesus nos abençoe hoje e sempre.

Um Amigo Espiritual

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

PENSAMENTO DE HOJE

Se você encontrou a paz, procure semeá-la nos corações de todos ao seu redor. Nem sempre o terreno parece propício, mas o tempo provoca transformações extraordinárias.

Maria Luiza

domingo, 19 de outubro de 2014

REFLEXÃO


Conforme você vai cultivando o silêncio, mesmo que seja de um em um minuto, você começa a se tornar senhor da sua mente a ponto de poder abandoná-la e utilizá-la somente quando necessário. Você pode usar a mente para fazer contas, para programar o seu dia, mas deve poder deixa-la quando ela não for necessária. Essa é a chave para liberdade.”
Sri Prem Baba

sábado, 18 de outubro de 2014

ORAÇÃO DO MÉDICO


Vós sois o Grande Médico, Senhor! 
Humildemente,
antes de iniciar o meu trabalho,
ajoelho-me diante de Vós
e Vos peço para que a Vossa inspiração
se faça presente em mim!
Dai habilidade às minhas mãos,
lucidez ao meu espírito e
compreensão ao meu coração!
Dai-me discernimento para corrigir meus erros
 e força para poder aliviar, ao menos em parte,
a carga de sofrimentos dos meus semelhantes.
Concedei-me hoje e sempre, 
as graças de poder continuar sendo Vosso instrumento
e levar a bom termo a sagrada missão que me confiastes,
e de ser sempre digno dela, em honra do Vosso Santo Nome! 
Que nos momentos da minha limitação humana, 
eu possa contar sempre com a Vossa misericórdia
e com o consolo da certeza do dever cumprido. 
Que a luz das Vossas Mãos  
esteja sempre sobre as minhas!

Abençoai-me Senhor,
e a todos os que estão comigo nessa jornada.
Permiti, Pai de bondade,
que ao fim de mais este dia de trabalho,
eu possa novamente ajoelhar-me diante de Vós e dizer:
Obrigado, Senhor!

(desconheço autoria)
18 de Outubro - Dia do Médico e de São Lucas, seu protetor.

PENSAMENTO DE HOJE - DIA DO MÉDICO


“ A curiosidade das moléstias pode fazer o sábio, mas é o amor aos doentes que faz o médico  “ 

( Le Gendre ) 

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

A ENFERMIDADE E AS EMOÇÕES




 


Entrevista com o Dr. Jorge Carvajal, médico cirurgião da Universidade de Andaluzia, Espanha, pioneiro da Medicina Bioenergética.

 
Qual adoece primeiro: o corpo ou a alma?
A alma não pode adoecer, porque é o que há de perfeito em ti, a alma evolui, aprende. Na realidade, boa parte das enfermidades são exatamente o contrário: são a resistência do corpo emocional e mental à alma. Quando nossa personalidade resiste aos desígnios da alma, adoecemos.
A Saúde e as Emoções.

Há emoções prejudiciais à saúde? Quais são as que mais nos prejudicam?
70 por cento das enfermidades do ser humano vêm do campo da consciência emocional. As doenças muitas vezes procedem de emoções não processadas, não expressadas, reprimidas. O medo, que é a ausência de amor, é a grande enfermidade, o denominador comum de boa parte das enfermidades que temos hoje. Quando o temor se congela, afeta os rins, as glândulas suprarrenais, os ossos, a energia vital, e pode converter-se em pânico.

Então
nos fazemos de fortes e descuidamos de nossa saúde?

De heróis os cemitérios estão cheios. Tens que cuidar de ti. Tens teus limites, não vás além. Tens que reconhecer quais são os teus limites e superá-los, pois, se não os reconheceres, vais destruir teu corpo.

Como é que a raiva nos afeta?
A raiva é santa, é sagrada, é uma emoção positiva, porque te leva à auto-afirmação, à busca do teu território, a defender o que é teu, o que é justo. Porém, quando a raiva se torna irritabilidade, agressividade, ressentimento, ódio, ela se volta contra ti e afeta o fígado, a digestão, o sistema imunológico.

Então a alegria, ao contrário, nos ajuda a permanecer saudáveis?
A alegria é a mais bela das emoções, porque é a emoção da inocência, do coração e é a mais curativa de todas, porque não é contrária a nenhuma outra. Um pouquinho de tristeza com alegria escreve poemas. A alegria com medo leva-nos a contextualizar o medo e a não lhe darmos tanta importância.

A alegria acalma os ânimos?
Sim, a alegria suaviza todas as outras emoções, porque nos permite processá-las a partir da inocência. A alegria põe as outras emoções em contato com o coração e dá-lhes um sentido ascendente. Canaliza-as para que cheguem ao mundo da mente.

E a tristeza?
A tristeza é um sentimento que pode te levar à depressão quando te deixas envolver por ela e não a expressas, porém ela também pode te ajudar. A tristeza te leva a contatares contigo mesmo e a restaurares o controle interno. Todas as emoções negativas têm seu próprio aspecto positivo.Tornamo-las negativas quando as reprimimos.

Convém aceitarmos essas emoções que consideramos negativas como parte de nós mesmos?
Como parte para transformá-las, ou seja, quando se aceitam, fluem, e já não se estancam e podem se transmutar. Temos de as canalizar para que cheguem à cabeça a partir do coração. Que difícil! Sim, é muito difícil. Realmente as emoções básica são o amor e o medo (que é ausência de amor), de modo que tudo que existe é amor, por excesso ou deficiência. Construtivo ou destrutivo. Porque também existe o amor que se aferra, o amor que superprotege, o amor tóxico, destrutivo.

Como prevenir a enfermidade?
Somos criadores, portanto creio que a melhor forma é criarmos saúde. E, se criarmos saúde, não teremos que prevenir nem combater a enfermidade, porque seremos saúde.

E se aparecer a doença?
Teremos, pois, de aceitá-la, porque somos humanos. Krishnamurti também adoeceu de um câncer de pâncreas e ele não era alguém que levasse uma vida desregrada. Muita gente espiritualmente muito valiosa já adoeceu. Devemos explicar isso para aqueles que creem que adoecer é fracassar.
O fracasso e o êxito são dois mestres e nada mais. E, quando tu és o aprendiz, tens que aceitar e incorporar a lição da enfermidade em tua vida... Cada vez mais as pessoas sofrem de ansiedade. A ansiedade é um sentimento de vazio, que às vezes se torna um oco no estômago, uma sensação de falta de ar. É um vazio existencial que surge quando buscamos fora em vez de buscarmos dentro. Surge quando buscamos nos acontecimentos externos, quando buscamos muleta, apoios externos, quando não temos a solidez da busca interior. Se não aceitarmos a solidão e não nos tornarmos nossa própria companhia, sentiremos esse vazio e tentaremos preenchê-lo com coisas e posses. Porém, como não pode ser preenchido de coisas, cada vez mais o vazio aumenta.

Então, o que podemos fazer para nos libertarmos dessa angústia?
Não podemos fazer passar a angústia comendo chocolate ou com mais calorias, ou buscando um príncipe fora. Só passa a angústia quando entras em teu interior, te aceitas como és e te reconcilias contigo mesmo. A angústia vem de que não somos o que queremos ser, muito menos o que somos, de modo que ficamos no "deveria ser", e não somos nem uma coisa nem outra. O stress é outro dos males de nossa época. O stress vem da competitividade, de que quero ser perfeito, quero ser melhor, quero ter uma aparência que não é minha, quero imitar. E realmente só podes competir quando decides ser um competidor de ti mesmo, ou seja, quando queres ser único, original, autêntico e não uma fotocópia de ninguém. O stress destrutivo prejudica o sistema imunológico. Porém, um bom stress é uma maravilha, porque te permite estar alerta e desperto nas crises e poder aproveitá-las como oportunidades para emergir a um novo nível de consciê ncia.

O que nos recomendaria para nos sentirmos melhor com nós mesmos?
A solidão. Estar consigo mesmo todos os dias é maravilhoso. Passar 20 minutos consigo mesmo é o começo da meditação, é estender uma ponte para a verdadeira saúde, é aceder o altar interior, o ser interior. Minha recomendação é que a gente ponha o relógio para despertar 20 minutos antes, para não tomar o tempo de nossas ocupações. Se dedicares, não o tempo que te sobra, mas esses primeiros minutos da manhã, quando estás rejuvenescido e descansado, para meditar, essa pausa vai te recarregar, porque na pausa habita o potencial da alma.

O que é para você a felicidade?
É a essência da vida. É o próprio sentido da vida. Estamos aqui para sermos felizes, não para outra coisa. Porém, felicidade não é prazer, é integridade. Quando todos os sentidos se consagram ao ser, podemos ser felizes. Somos felizes quando cremos em nós mesmos, quando confiamos em nós, quando nos empenhamos transpessoalmente a um nível que transcende o pequeno eu ou o pequeno ego. Somos felizes quando temos um sentido que vai mais além da vida cotidiana, quando não adiamos a vida, quando não nos alienamos de nós mesmos, quando estamos em paz e a salvo com a vida e com nossa consciência. Viver o Presente.

É importante viver no presente? Como conseguir?
Deixamos ir-se o passado e não hipotecamos a vida às expectativas do futuro quando nos ancoramos no ser e não no ter, ou a algo ou alguém fora. Eu digo que a felicidade tem a ver com a realização, e esta com a capacidade de habitarmos a realidade. E viver em realidade é sairmos do mundo da confusão.

Na sua opinião, estamos tão confusos assim?
Temos três ilusões enormes que nos confundem:
Primeiro: cremos que somos um corpo e não uma alma, quando o corpo é o instrumento da vida e se acaba com a morte.
Segundo: cremos que o sentido da vida é o prazer, porém com mais prazer não há mais felicidade, senão mais dependência... Prazer e felicidade não são o mesmo. Há que se consagrar o prazer à vida e não a vida ao prazer.
Terceiro: ilusão é o poder; desejamos o poder infinito de viver no mundo. E do que realmente necessitamos para viver? Será de amor, por acaso?
O amor, tão trazido e tão levado, e tão caluniado, é uma força renovadora. O amor é magnífico porque cria coesão. No amor tudo está vivo, como um rio que se renova a si mesmo. No amor a gente sempre pode renovar-se, porque ordena tudo. No amor não há usurpação, não há transferência, não há medo, não há ressentimento, porque quando tu te ordenas, porque vives o amor, cada coisa ocupa o seu lugar, e então se restaura a harmonia. Agora, pela perspectiva humana, nós o assimilamos com a fraqueza, porém o amor não é fraco.
Enfraquece-nos quando entendemos que alguém a quem amamos não nos ama. Há uma grande confusão na nossa cultura. Cremos que sofremos por amor, porém não é por amor, é por paixão, que é uma variação do apego. O que habitualmente chamamos de amor é uma droga. Tal qual se depende da cocaína, da maconha ou da morfina, também se depende da paixão. É uma muleta para apoiar-se, em vez de levar alguém no meu coração para libertá-lo e libertar-me. O verdadeiro amor tem uma essência fundamental que é a liberdade, e sempre conduz à liberdade. Mas às vezes nos sentimos atados a um amor. Se o amor conduz à dependência é Eros. Eros é um fósforo, e quando o acendes ele se consome rapidamente em dois minutos e já te queima o dedo. Há amores que são assim, pura chispa. Embora essa chispa possa servir para acender a lenha do verdadeiro amor. Quando a lenha está acesa, produz fogo. Esse é o amor impessoal, que produz luz e calor .

Pode nos dar algum conselho para alcançarmos o amor verdadeiro?
Somente a verdade. Confia na verdade; não tens que ser como a princesa dos sonhos do outro, não tens que ser nem mais nem menos do que és. Tens um direito sagrado, que é o direito de errar; tens outro, que é o direito de perdoar, porque o erro é teu mestre. Ama-te, sê sincero contigo mesmo e leva-te em consideração. Se tu não te queres, não vais encontrar ninguém que possa te querer. Amor produz amor. Se te amas, vais encontrar amor. Se não, vazio. Porém nunca busques migalhas, isso é indigno de ti. A chave então é amar-se a si mesmo. E ao próximo como a ti mesmo. Se não te amas a ti, não amas a Deus, nem a teu filho, porque estás apenas te apegando, estás condicionando o outro. Aceita-te como és; não podemos transformar o que não aceitamos, e a vida é uma corrente permanente de transformações.


PENSAMENTO DE HOJE





"Que a eterna luz do sol te ilumine, que todo o amor te envolva, e a luz verdadeira, no teu interior, guie o teu caminho para casa."


Bênção Sufi

TROPEÇOS E DESGOSTOS

Beneficência raramente observada: poupar aos outros a participação nos tropeços ou desgostos que nos afetem a vida.
Pensa na inquietação que experimentas quando familiares e amigos te comunicam um problema pessoal, que não consegues resolver, e, tanto quanto possas, procura dissipar, por ti mesmo, as nuvens de aflição que, porventura, te ensombrem o campo íntimo. Para isso, entrega-te às tarefas novas, cuja execução se te faça compatível com as próprias forças e nas quais te reconheças útil aos demais.
Se não puder efetuar, de imediato, semelhante esforço, desloca-te, pouco a pouco, do mundo mental menos ajustado ao encontro de atividades diferentes das obrigações rotineiras, suscetíveis de propiciar-te
refazimento ou renovação.
A leitura de um livro edificante . . .
Uma visita construtiva . . .
O passo na direção daqueles que atravessam dificuldades maiores, no objetivo de auxiliá-los
O aprendizado de técnicas que enriqueçam a personalidade . . .
Tudo o que deves esquecer, tanto aquilo que te compete lembrar, é de suma importância, não somente em socorro da restauração própria, como também no apoio à essa beneficência genuína, em que o teu silêncio é
valioso fator de imunização da paz, naqueles que te rodeiam, principalmente naqueles a quem mais amas.
Se a criatura a quem confias no capítulo da perturbação ou da enfermidade não dispõe de recursos suficientes para melhorar-te a situação, a queixa em que extravasas é tão-somente um processo de amargurar os entes amados ou um meio de expulsá-los de teu convívio.
Guarda o teu sofrimento e mostra-o unicamente àqueles amigos que te possam medicar com segurança, para não destruíres o apoio e a colaboração daqueles sobre os quais te sustentas.
Basta que o desejes e a vida te revelará múltiplos caminhos de reajuste e libertação.
Sai de ti mesmo, carregando a tua dor, ao encontro de dores maiores que nos cercam, em todas as direções, a fim de minorá-las e regressarás, cada dia, a ti mesmo, trazendo uma partícula nova a mais de compreensão,
- da bendita compreensão de que todos somos irmãos, sob a paternidade de Deus, - com dever claro e simples de auxiliar-nos uns aos outros, a fórmula mais alta de assegurar-nos o equilíbrio constante ou o
reequilíbrio integral.


Emmanuel

terça-feira, 14 de outubro de 2014

PENSAMENTO DE HOJE


 
'O mundo clama por pessoas autênticas,que ajam de forma coerente com a mensagem que julgam defender e pregar.'

 Teresa de Calcutá

sábado, 11 de outubro de 2014

CONTROLE DAS EMOÇÕES



Os problemas da alma são metafísicos. É necessário possuir apurados sentidos para entendê-los, e avançada capacidade de raciocínio para discerni-los. E mais: educar as emoções inferiores que, porventura. aflorarem, às vezes, na conduta de cada dia.
É muito fácil falar em educar as emoções. É de habilidade comum escrever sobre a disciplina dos impulsos inferiores, desde que seja dos outros. Parece atitude lógica assomar a uma tribuna para comentar sobre leves erros alheios, usando todos os recursos da retórica, na expansão filosófica que é peculiar ao intelectual.
É agradável ao espírito mais ligado à Terra comentar, nos encontros com seus semelhantes. sobre deslizes de companheiros, às vezes, em grandes testes doutrinários, em provações difíceis, por lhes faltarem forças para uma reforma moral acentuada.
Porém, quando chega a nossa vez de ler o que escrevemos para os outros, a nossa consciência torna-se autocrítica. Começa a mostrar-nos se há, ou não, coerência no que dizemos para os semelhantes. Descobrimos que também somos portadores de erros, mas sentimo-nos feridos. Por quê? Não podemos suportar o peso que julgávamos frágil, para os outros? Deveríamos aceitar o "Com a mesma medida que medirdes, sereis medidos".
É nesse ponto alto de comparações que devemos saber usar a complacência, educando as emoções perante os iguais, na marcha evolutiva de que também fazemos parte. Sois um ser emocional? Até que ponto? Para que lado as vossas emoções preponderam? Analisai, estudai, meditai nas vossas próprias reações, e vereis, com a ajuda de Deus e o vosso esforço de reforma moral e espiritual nas normas do Evangelho, salientar o vosso equilíbrio e aflorar, no vosso mundo íntimo, a vossa paz interior.
O nervosismo ocupa lugar de destaque em vossa mente? A agitação é clima comum em vossa vida? Lembrai-vos de que o mundo biológico também evolui e carece de esticar as qualidades que possui em letargia, para que, no amanhã, pela herança, os espíritos mais evoluídos possam encontrar na carne, recursos maiores, compatíveis com a evolução conquistada.
Contudo, não deve a alma cruzar os braços. Imprescindível se faz que lutemos mais, amenizando o abalo evolutivo que, em muitos casos, é acompanhado pela dor, pelo desespero, por problemas e sacrifícios, dado o progresso querer colocar o espírito em outra dimensão de vida, com mais rapidez. A alma tem de mostrar seu interesse, tem de participar dessa corrida, pois, a sua parte, somente ela poderá fazer.
As emoções deverão ser controladas à altura das vossas forças, os pensamentos vigiados no empenho de lhes dar direção acertada e, nesse embalo, frequentemente, não tereis tempo de criticar ninguém, por passardes pelos mesmos problemas que os corações dos outros sofrem.
Emoções desregradas podem nos levar ao caos. Com frequência anotamos esses acontecimentos, tanto física quanto espiritualmente. Haja vista as notícias catastróficas que matam muita gente que as ouve, sem que o preparo lhes garanta o equilíbrio. Não suportam. Por que não suportam? Por não terem começado o trabalho de serenidade, para compreender o motivo de todas as coisas, de que somos eternos viajores no universo, de que Deus está no princípio e no fim de todos os acontecimentos. É preciso exercitar, todos os dias, em todas as oportunidades, a serenidade, o amor, a compreensão, o perdão, a tolerância e a fraternidade, para que o espírito absorva, gradativamente, como respira o ar todos os dias.
O controle das emoções não pode ser feito na violência, nem na displicência. O bom senso converge as forças para o centro dos esforços, que deverão ser continuados, na limitação que a ordem e o progresso acharem melhor. Fomos feitos para agir e trabalhar. Vamos.. . Que o Cristo já foi!

MIRAMEZ



terça-feira, 7 de outubro de 2014

PASSAGEIROS DA VIDA...

Viajando céleres pelo trem da Vida,
Somos passageiros sem estação.
Uns desembarcam nas primeiras descidas,
Outros afortunados mais longe vão .
 
Crescendo, já moços,criamos família:
Passamos  de filhos a pais e avós ,
Enquanto vemos os nossos em partida
Até que um dia nos levam à urna, frios e sós!
 
E então me pergunto: de que vale o  viver
Se tudo é mera ilusão, percurso em desatino,
Passageiros  de uma aventura sem destino?
 
Responde-me o coração, de paixão enternecido:
- Vale-se viver para de amor se morrer  sorrindo...
 Mas , reflito:  - viver é a desventura de nada ser!

Nelson Antônio Corrêa

  1. Comentário de nossa parte: o poeta relata algo importante sobre a transitoriedade da vida e toca em algo fundamental, que é o amor, razão de aprendizagem da nossa vinda ao planeta, mas peca ao dizer que "viver é a desventura de nada ser". Na verdade, isso é apenas um linguajar próprio de poeta, pois ele bem sabe que somos centelhas Divinas e, pois, como Filhos do Criador, somos muito importantes, pois participamos da Criação e temos uma missão especial no planeta Terra.
  2. Maria Luiza
 

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

COMO VIVER COM OS OUTROS


A ciência mais difícil que até hoje encontramos foi a de viver em conjunto, e o mais interessante é que precisamos desse intercâmbio para viver. A lei nos condicionou a essas necessidades biológicas e espirituais.
A própria vida perde o sentido se nos isolarmos das criaturas. Elas têm algo que não possuímos e nós doamos a elas certos estímulos que a natureza lhes negou. Vemos nisto a presença de Deus, levando-nos ao amor de uns para com os outros. E assim aprendemos a amar por Amor.
A sociedade cada vez mais se aprimora, desde quando seus membros passam a se respeitar mutuamente, entrosando as qualidades e desfrutando da fraternidade na convivência. A sociedade é, pois, a flor do aprimoramento humano. No entanto, essa sociedade não pode existir sem o lar. Ela se desarmoniza se deixar de existir a família, que é o sustentáculo da harmonia que pode ser desfrutada pelos homens, em todos os rumos dos seus objetivos.
Se queres paz em teu lar, começa a respeitar os direitos dos que convivem contigo. Se romperes a linha divisória dos direitos alheios, afrontarás a tua própria paz.
Quem somente impõe suas idéias, passa a ser joguete dos pensamentos dos outros, às vezes, sem perceber. Estuda a natureza humana, pelos livros e pela observação, que a experiência te dirá os caminhos a tomar e a conduta a ser seguida. Vê como falas a quem te ouve e como ouves a quem te fala e, neste auto-aprendizado, as lições serão guardadas em lugares de que a vida sabe cuidar.
Não gastes teu tempo em palavras que desagradam, nem em horas de silêncio que desapontam. Procura usar as oportunidades no bom senso que equilibra a alma.
Procura conversar com os outros na altura que eles já atingiram. Isso não é disfarce, é respeito às sensibilidades, é sentir-te irmão de todos em todas as faixas da vida. Ao encontrares uma criança, não passas a ser outra para que ela te entenda? Assim deves fazer nas dimensões da vida humana em que te encontras.
A felicidade depende da compreensão, que gera Caridade, que gera Amor.
Conviver com os outros é, realmente, uma grande ciência, é a ciência da vida. Fomos feitos para viver em sociedade. Se recusarmos, atrofiamo-nos e disso temos provas observando as plantas que frutificam mais em conjunto; as pedras, que dão mais segurança quando amontoadas, e os animais, que sempre andam em convivência. Tudo se une para a maior grandeza da criação.
Essas lições não são somente para os encarnados. Os espíritos, na erraticidade, igualmente obedecem a essa grande regra de viver bem. Nós nos unimos em todas as faixas a que pertencemos, no entusiasmo do bem, que nos dá a vida. Aprendamos, pois, a conviver, a entender e respeitar os nossos irmãos que trabalham e vivem conosco, que tudo passará a ser, para nós, motivo de felicidade, onde enxergaremos somente o Amor.
Contrariar as leis que nos congregam é desagregar a nossa própria paz. E para aprender a viver bem com os outros, necessário se faz que nos eduquemos em todos os sentidos, que nos aprimoremos em todas as virtudes. Sem esse trabalho interior, será difícil alcançar a paz imperturbável no reino do coração.

Espírito: Lancellin
Livro: Cirurgia Moral

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO