BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

domingo, 26 de abril de 2015

PENSAMENTO DO DIA














Há uma antiga expressão japonesa que diz: “Devemos engolir a pureza e a impureza”. Isso significa que devemos aceitar ou receber favoravelmente todas as coisas que nos acontecem. Podemos inferir daí que devemos saber reconhecer o mérito de cada pessoa, por mais vil que ela seja; que devemos ser capazes de ver o ensinamento que está por trás de todos os acontecimentos e de acolher todas as adversidades da vida com tranquilidade, sabendo tirar proveito delas.

Paulo e Lauro Raful




INFINITUDE

  Guarda de cada Amor que  tiveste
Como se guarda uma flor num livro
Amanhã,  mesmo ressequida e inerte,
Há de lembrar - nos de momentos vivos !
 
Poemas, canções , cartas sem sentido...
Trapos de lembranças amorosas
Cobrem nossa alma qual um vestido
Agasalhando-a em emoções ardorosas  .
 
Se nada reténs  do muito que se amou
Encha teu coração de lembranças vívidas
Pense em alguém que se foi  sem ir embora .
 
Pois o verdadeiro Amor  dá-nos   uma eterna glória 
Se transmuta  em nós numa saudade tão bonita
Do que,  se não pôde ser ,  ser-nos-á infinitude agora !

( Museu...da Alma ) 
Nelson Antonio Corrêa
( às pessoas que amei em mim )
 Beagá em 06/12/2014

 



 

sexta-feira, 24 de abril de 2015

ESTAR SÓ...


Estar só é estar dentro de mim,
Visitando meus ocultos cantos
Onde viceja o mais puro jardim
De flores, de saudades e de prantos...
 
Flores que se prendem nos laços
de um  buquê  de  saudades 
Do meu amor  me atando em seus  braços,
Fazendo de cada segundo uma Eternidade!...
 
Estando só , meu coração quase não bate
Fica resmungando dentro do peito
Não aceitando ser traído  nesta saudade
De um amor que era tão perfeito...
 
Não posso fugir de dentro de mim
Estando só como estou agora.
Então lavo-me nesta lágrima que rola
E procuro-me pelo mundo sem fim!...
 
Mentindo de mim...mentindo pra  mim!
Exatamente como ela , traindo-me,  fazia -me assim !

Nelson Antônio Corrêa
 
 

quarta-feira, 22 de abril de 2015

BENÇÃO DE SOL



  "... Nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, nos perturbe e, por
  meio dela, muitos sejam contaminados". - Paulo. (Hebreus, 12:15).
 
 
  É razoável estejamos sempre cautelosos a fim de não estendermos o mal ao
  caminho alheio. Os outros colhem os frutos de nossas ações a
  oferecem-nos, de volta, as reações consequentes.
  Daí, o cuidado instintivo em não ferirmos a própria consciência, seja
  policiando atitudes ou selecionando palavras, para que vivamos em paz à
  frente dos semelhantes, assegurando tranqüilidade a nós mesmos.
  Em muitas circunstâncias, contudo, não nos imunizamos contra os agentes
  tóxicos da queixa. Superestimamos nossos problemas, supomos nossas dores
  maiores e mais complexas que as dos vizinhos e, amimalhando o próprio
  egoísmo, cultivamos indesejável raiz de amargura no solo do coração. Daí
  brotam espinheiros mentais, suscetíveis de golpear quantos renteiam
  conosco, na atividade cotidiana, envenenando-lhes a vida.
  Quantas sugestões infelizes teremos coagulado no cérebro dos entes
  amados predispondo-os à enfermidade ou à delinquência com as nossas
  frases irrefletidas! Quantos gestos lamentáveis terão vindo à luz,
  arrancados da sombra por nossas observações vinagrosas.
  Precatemo-nos contra semelhantes calamidades que se nos instalam nas
  tarefas do dia-a-dia, quase sempre sem que venhamos a perceber.
  Esqueçamos ofensas, discórdias, angústias e trevas, para que a raiz da
  amargura não encontre clima propício no campo em que atuamos.
  Todos necessitamos de felicidade e paz; entretanto, felicidade e paz
  solicitam amor e renovação, tanto quanto o progresso e a vida pedem
  trabalho harmonioso e bênção de Sol.
 


terça-feira, 21 de abril de 2015

PENSAMENTO DO DIA


A agulha magnética aponta sempre para o norte, qualquer que seja a direção do navio; assim, o navio não se desvia de sua rota. Se a mente do homem estiver sempre voltada para Deus, ele será sempre imune a qualquer perigo.

Ramakrishna

segunda-feira, 20 de abril de 2015

PENSAMENTO DE HOJE


Assim como as pedras preciosas são tiradas da terra, a virtude surge dos bons atos e a sabedoria nasce da mente pura e tranquila. Para se andar com segurança nos labirintos da vida humana, é necessário que se tenham como guias a luz da sabedoria e da virtude.

Buda

domingo, 19 de abril de 2015

PENSAMENTO DO DIA



"No ocaso da vida, teremos a paz que somente uma vida bem vivida traz. Obrigada, Senhor pela Vida que me destes!"

Maria Luiza


sexta-feira, 17 de abril de 2015

PENSAMENTO DO DIA



O amor pode ser considerado por alguns loucura; no entanto, é melhor entregar-se a ele que a uma vida de vergonha.
Milhares de criaturas estão astuciosamente ocupadas em perseguir o cadáver do mundo. Mesmo supondo que podes fazer isto ingenuamente, não tomes parte nisso.
Como farás de teu coração um oceano de amor se te entregas a esse comércio, sobre tudo com astúcia?

Attar

quinta-feira, 16 de abril de 2015

BENDICÕES EM TEMPOS DE DESAMOR



Estamos vivendo momentos difíceis não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. Tempos de dificuldades e conflitos de toda ordem. Tempos de inversão de valores, individualismo, materialismo e ausência dos princípios eternos que o Criador cravou em nossa consciência. Tempos de violência, desrespeito à vida humana e à mãe-natureza. Busca desenfreada do dinheiro, do poder, do sucesso, não importando os meios se ilícitos ou não pelos quais sejam alcançados.
Para nós, cristãos, estamos ainda vivendo o tempo Pascal, tempo de renovação, de reconciliação, de renascimento, de reforma interior, de novas esperanças e liberdade. Entretanto, ainda ontem, centenas de cristãos, crianças, homens e mulheres, foram degolados numa cidade do Iraque por um grupo terrorista de muçulmanos radicais.
Às vezes nos parece que algo está terminando. Aliás, é preciso sempre que o velho morra para que o novo possa nascer. Os mais simples estão a dizer: “O mundo está acabando”. Bem sabemos que tudo e todos nascem e morrem. Morrem as civilizações, morrem as estrelas, morremos nós. Prefiro crer que um velho mundo está morrendo para que um novo possa nascer. Mas, um novo mundo de um Novo Homem; um homem mais justo, mais amoroso, mais solidário, mais fraterno.
A vida e o tempo me ensinaram, todavia, que minhas esperanças podem ser frustradas. Talvez venha o Caos absoluto. Não sei...
Sei apenas que, depois dos setenta anos, estamos sempre a enterrar os nossos entes queridos e muitos dos nossos sonhos. Parece que, agora, nós, os mais velhos, vivemos em velórios a nos despedir dos amigos, familiares e pessoas importantes para toda a nossa geração, não apenas a nível  local, mas a nível de país e de mundo.
Não temos como nos isolar ou ter uma vida exclusivamente pessoal estando imersos nesta aldeia global em que nos colocaram os velozes meios de comunicação. Assim, os acontecimentos nos atingem a todos e não apenas a alguns. Os sentimentos, também, são de todos os que ainda têm a capacidade de se sensibilizar.
E, antes que chegue a minha vez de sair do “palco” desta vida, preciso, num mundo de tantas maldições, fazer a minha lista de bendições.
Bendizer a todos e a tudo que me ajudou, na jornada terrestre, a ser o que sou. Só que precisaria, talvez, de escrever um livro, a fim de não cometer injustiças.
Começaria, é claro, por bendizer a Deus Nosso Senhor e meus pais que me concederam a vida. Aos irmãos, escola de sociabilidade e amor. Aos amigos, anjos encarnados e lição permanente de vida. Aos mestres, escritores, poetas, médicos, artistas, músicos, jornalistas, servidores de toda ordem, crianças, mestras da verdade e da pureza, minha filha, lição permanente de convivência, minha neta, anjo de minha vida, aos alunos, aprendizagem e carinho constantes.
Então, bendito seja Deus, Senhor dos Universos!
Benditos sejam meus pais, porto de minha vida!
Benditos os que têm me curado!
Benditos os que saciam minha sede e fome de saber e beleza!
Benditos os amigos, que me acolhem e ensinam!
Benditos sejam o oxigênio, a água, as flores, as árvores, os lagos, o mar, as estrelas, as noites, os dias, o sol, a chuva, os animais, a dor e alegria!
Bendito seja este universo que carrego, dentro de mim, de amor, experiências, idéias, sonhos, sentimentos!
Benditos sejam os que se doam!
Benditos os que bendizem!
Benditos os que semeiam boas sementes!
Benditos os que espalham alegria!
Benditos os que têm compaixão!
Benditos os que só sabem amar!
Bendita seja a Vida, Escola Maior!
Bendito seja o perdão, mel dos corações!
Bendita seja a cidade de Montes Claros, que me acolheu!
Bendita seja Francisco Sá, a cidade que me fez sua filha!
Bendita seja Belo Horizonte, cidade em que nasci!
Bendito seja, hoje e por toda a eternidade, o Amor que a tudo cria e que sempre será a Vitória!
Amém!

Maria Luiza







quarta-feira, 15 de abril de 2015

ORAÇÃO KAHUNA DO PERDÃO



Buscando eliminar todos os bloqueios que atrapalham minha evolução, dedicarei AGORA alguns momentos para “PERDOAR”.
A partir deste momento, eu perdoo todas as pessoas que, de alguma forma, me ofenderam, me machucaram ou me causaram alguma dificuldade desnecessária.
Perdoo sinceramente quem me rejeitou, me entristeceu, me abandonou, me humilhou, me amedrontou ou me iludiu.
Perdoo, especialmente, quem me provocou, até que eu perdesse a paciência e acabasse reagindo agressivamente, para depois me fazer sentir vergonha, culpa, ou simplesmente, sentir inadequada.
Reconheço que também fui responsável por estas situações, pois muitas vezes confiei em indivíduos negativos, escolhi usar mal minha inteligência e permiti que descarregassem sobre mim suas amarguras, suas histórias, seus traumas e seu mau humor.
Por tempo demais suportei tratamento indigno, humilhações, medo, grosserias e desamor, perdendo muito tempo e energia, na tentativa de conseguir um bom relacionamento com essas criaturas.
Agora, me sinto livre da necessidade compulsiva de sofrer e livre da obrigação de conviver com pessoas e ambientes que me diminuem e, principalmente, destas pessoas que se sentem incomodadas com a minha presença e a minha luz.
Iniciei, agora, uma nova etapa na minha vida em companhia de gente mais positiva, cheia de boas intenções, gente amiga, que se preocupa em ser saudável, alegre, próspera e iluminada. Gente preocupada em melhorar a qualidade de vida - não só a nossa, mas de todo o planeta.
Queremos compartilhar sentimentos nobres, aprendendo uns com os outros e nos ajudando mutuamente, enquanto trabalhamos pelo nosso progresso material e nossa evolução espiritual sempre procurando difundir nossas idéias de unidade, de paz e de amor.
Procurarei valorizar sempre todas as conquistas que fiz e o amor que tenho em mim, evitando todas queixas desnecessárias, que me seguram nesta freqüência, de onde já consegui sair.
Se, por um acaso, eu tornar a pensar nestas pessoas com quem ainda tenho dificuldade de convivência, lembrarei que elas todas já estão perdoadas.
Embora eu não me sinta na obrigação de trazê-las novamente para minha intimidade, eu o
farei, se elas demonstrarem interesse em entrar em sintonia.
Agradeço pelas dificuldades que elas me causaram, pois isso me desafiou e me ajudou a evoluir, do nível humano comum, a um nível de maior amor e compaixão, maior consciência, em que procuro viver hoje.
Quando eu tornar a lembrar destas pessoas que me fizeram sofrer, procurarei valorizar suas qualidades e também liberá-las, pedindo ao Criador que também as perdoe, evitando que elas sofram pela lei de causa e efeito, nesta vida ou em outras.
Ta
.mbém compreendo as pessoas que rejeitaram meu amor e minhas boas intenções, pois reconheço que é um direito de cada um, não poder ou não querer corresponder ao meu amor

terça-feira, 14 de abril de 2015

PENSAMENTO DE HOJE


Tudo é criado, controlado e regido pela mente. Assim como o carro segue o boi que o puxa, o sofrimento segue a mente que se cerca de maus pensamentos e de paixões mundanas.

Buda

SOLIDÃO




Sofremos de solidão toda vez que desprezamos as inerentes vocações e naturais tendências de nossa alma. Assim que nos distanciamos do que realmente somos, criamos um autodesprezo, passando, a partir daí, a desenvolver um sentimento de soledade, mesmo rodeados das pessoas mais importantes e queridas de nossa vida. 
Na auto-rejeição, esquecemos de perceber a presença de Deus vibrando em nossa alma; logo, anulamos nossa força interior. É como se esquecêssemos a consciência de nós mesmos. 
Para que nossa essência emerja, é preciso abandonarmos nossa compulsão de fazer-nos seres idealizados, nossa expectativa fantasiosa de perfeição e nosso modelo social de felicidade. Somente assim, exterminamos o clima de pressão, de abandono, de tensão e de solidão que sentimos interiormente, para transportamo-nos para uma existência de satisfação íntima e para uma indescritível sensação de vitalidade. 
A renúncia de nosso eu idealizado nos dará uma sensação de renascimento e uma atmosfera de liberdade como nunca antes havíamos sentido. 
O ser idealizado é uma fantasia mental. É uma imitação inflexível, construída artificialmente sobre uma combinação de dois básicos comportamentos neuróticos, a saber: adotar padrões existenciais super-rígidos, impossíveis de serem atingidos, e alimentar o orgulho de acreditar-se onipotente, superior e invulnerável. 
A coexistência desses dois modos de pensar ocasiona freqüentes estados de solidão, tristeza habitual e sentimentos mútuos de vazio e aborrecimento na vida afetiva de um casal. 
O amor e o respeito a nós mesmos criam uma atmosfera propícia para identificarmos nossa verdadeira natureza, isto é, nossa identidade da alma, facilitando nosso crescimento espiritual e, por conseguinte, proporcionando-nos alegria de viver. 
Quase todos nós crescemos ansiosamente querendo ser adequados e certos para o mundo, porque acreditamos que não somos suficientemente bons para ser amados pelo que somos. Por isso, procuramos, desesperadamente, igualar-nos a uma imagem que criamos de como deveríamos ser. O esforço metódico para sustentar essa versão idealizada é responsável por grande parte dos nossos problemas de relacionamento conosco e com os outros. 
Entre todos os problemas de convivência, o de casais, talvez, seja um dos mais comuns entre as pessoas. Todavia, todos nós queremos companhia e afeto, mas para desfrutarmos uma união amorosa, madura e equilibrada é preciso, acima de qualquer coisa, respeitar o direito que cada criatura tem de ser ela mesma, sem mudar suas predileções, idéias e ideais. 
Os traços de personalidade não são futilidades, teimosia ou manias. Cada parceiro tem seus “direitos individuais” de manter sua parcela de privacidade e preferências. 
Para tanto, o diálogo compreensivo, a renúncia aos próprios caprichos, o compromisso de lealdade são fatores imprescindíveis na vida a dois, que não pode permitir a confusão de “direitos individuais” com direitos individualistas, com vulgaridade, com cobrança e com leviandade. 
Eis a razão de viver bem consigo mesmo: tudo passa, pois todos somos viajores do Universo, porém só nós viveremos eternamente com nós mesmos. 
A complexidade maior das dificuldades nos matrimônios talvez seja a não-valorização dos verdadeiros sentimentos, que força um dos parceiros, ou mesmo ambos, a contrariar sua natureza para satisfazer as opressões, intolerâncias e imposições do outro. Ninguém pode ser feliz assim, subordinando-se ao que o cônjuge quer ou decide. 
“...a indissolubilidade absoluta do casamento” (...) “É uma lei humana muito contrária à da Natureza. Mas os homens podem modificar suas leis; só as da Natureza são imutáveis.” 
Declarar de modo geral que o divórcio é sempre errado é tão incorreto quanto incorreto quanto assegurar que está sempre certo. Em algumas circunstâncias, a separação é um subterfúgio para uma saída fácil ou um pretexto com que alguém procura esquivar-se das responsabilidades, unicamente. 
Há uniões em que o divórcio é compreensível e razoável, porque a decisão de casar tomada sem maturidade, porque são diversos os equívocos e desencontros humanos. 
Em outros casos, há anos de atitudes de desrespeito e maus tratos, há os que impedem o desenvolvimento do outro. São variadas as necessidades da alma humana e, muitas vezes, é melhor que os parceiros se decidam pela separação a permanecerem juntos, fazendo d união conjugal uma hipocrisia. Em todas as atitudes e acontecimentos da vida, somente a própria consciência dos indivíduos pode fazer o autojulgamento e decidir sobre suas carências e dificuldades da vida a dois. 
Todos os livros sacros da humanidade têm como máxima ou mandamento o amor. A base de todo compromisso é o amor. O amor enriquece mutuamente as pessoas e é responsável pela riqueza do seu mundo interior. 
A estrutura do verdadeiro ensino religioso nos deve unir amorosamente uns aos outros e não nos manter unidos pela intimidação, pelo medo do futuro ou pelas convenções sociais. 
O ensino espírita, propagado pelo “O Livro dos Espíritos”, nos faz redescobrir o sentimento de religiosidade inato em cada criatura de Deus. Religiosidade é o que possuía Allan Kardec em abundância, pois enxergava os fatos da vida com os olhos da alma, quer dizer, ia além dos recursos físicos, usando os sentidos da transcendência a fim de encontrar a verdade escondida atrás dos aspectos exteriores. 
O emitente professor Rivail entendia que o verdadeiro sentido da religião deve consistir na busca da liberdade, no culto da verdade e na clara distinção entre o temporal/passageiro e o real/permanente. 
Estar com alguém por temor religioso é diferente de estar com alguém por amor. Somente o amor tem significado perante a Divina Providência. 
Lembremo-nos de que a solidão aparece, quando negamos nossos sentimentos e ignoramos nossas experiências interiores. Essa forma comportamental tende a fazer-nos ver as coisas do jeito como queremos ver, ou seja, como nos é conveniente, em vez de vê-las como realmente são. Assim é que distorcemos nossa realidade. 
Não rejeitemos o que de fato sentimos. Isso não quer dizer viver com liberdade indiscriminada e sem controle, mas sim reconhecer o devido lugar que corresponda aos nossos sentimentos, sem ignorá-los, nem tampouco deixá-los ser donos de nossa vida. 
Se devemos permanecer ou não ao lado de alguém, é decisão que se deve tomar com espontaneidade, harmonia e liberdade, sem mesclas de medo ou imposições. 

Espírito: HAMMED 
Médium: Francisco do Espírito Santo Neto – As dores da alma.


segunda-feira, 13 de abril de 2015

PENSAMENTO DO DIA


Na meditação, se nossos sentidos e paixões ficarem constantemente sob controle, o ego morrerá um pouco a cada dia.
Sempre que nos esquecemos do ego, mesmo por um instante, o “eu” ilusório e separado desaparece. São os momentos de imortalidade, aqui mesmo na Terra. 

Eknath Easwaran

domingo, 12 de abril de 2015

O CARMA



Tuas ações, atos e atitudes geram ações, atos e atitudes.
Teu carma é o efeito daquilo que causaste.
Modifica teu carma, mudando tuas ações.
Ao transformares teu modo de ser, transformarás as reações na tua existência.
Quem joga rosas é a primeira pessoa a se perfumar.
Quem atira lama, é o que mais se enlameia.
Podes modificar o teu carma, aceitando o teu hoje e reprogramando tuas atitudes desagradáveis.
Ninguém te machuca, tu é que te machucas, mas não percebes; por isso acusa os outros.
Ninguém te faz infeliz, tu é que esperas que os outros te façam feliz.
A Lei do Retorno faz com que tudo sempre volte ao ponto de partida;
Logo é importante lembrares que: ...se mudares tuas ações, estarás mudando o teu carma; ...erros acontecem para ensinar...... edificação íntima requer esforço pessoal…daquilo que destes receberás multiplicado;
Teu carma é o resultado de tuas ações. A cada um de acordo com o seu comportamento”.
Analisa atentamente a ligação entre situações, ideias e acontecimentos.
Observa a veracidade de tudo o que acontece em tua existência e verás que não são por si só os fatos de vidas passadas que te complicam a existência na atualidade, e sim a perpetuação dos velhos modos de pensar e de agir, das crenças incoerentes e dos pontos de vista contraditórios.
Um abraço

quinta-feira, 9 de abril de 2015

QUANDO FALAR É AGREDIR



"Há opiniões discrepantes em relação às pessoas que são muito cuidadosas e delicadas quando expressam seu ponto de vista, especialmente sobre temas polêmicos. Alguns as julgam falsas e hipócritas, pois escolhem as palavras com o intuito de agradar o interlocutor. Resultado: desconfia-se de sua sinceridade.

Outros, porém, pensam de forma diferente. Acham que são espíritos mais atentos, preocupados em não ser invasivos e grosseiros. Tomam cuidado, sim, porque não gostariam, em hipótese alguma, de magoar a pessoa com a qual estão conversando.

Pode parecer também que o tipo mais espontâneo e sincero é mais veemente na defesa de suas ideias, enquanto o mais delicado tem menos interesse em fazer prevalecer seu ponto de vista, ficando sempre “em cima do muro”.

Embora muitas vezes tais considerações sejam verdadeiras, penso que não é tão simples fazer a avaliação da conduta mais adequada. Esse assunto não só envolve questões morais, mas diz respeito à eficácia da comunicação entre as pessoas.

Sob o aspecto moral, a preocupação com o outro se impõe sempre. Sermos honestos e sinceros não nos dá o direito de dizer tudo que pensamos. A franqueza pode ser prejudicial.
Por exemplo, se uma pessoa, ao encontrar um amigo de rosto abatido, falar: “Puxa, como você está pálido! Até parece doente”, estará sendo sincera, mas tremendamente insensível.

A verdade não subtrai o caráter agressivo da afirmação; pelo contrário o acentua.

Na prática, acredito que uma boa forma de avaliar uma ação é pelo resultado. Se o efeito for destrutivo, a ação será nociva, independentemente da “boa intenção” daquele que a praticou.

A tese de que devemos falar tudo o que pensamos é ainda mais indefensável quando o objetivo é facilitar o entendimento e a comunicação.

Indiscutivelmente o ser humano é vaidoso e, se sentir-se ofendido por alguma palavra ou atitude do outro, acabará desenvolvendo uma postura negativa em relação a essa pessoa.

Se alguém iniciar uma frase com expressões do tipo “Você não percebe nada”, “Qualquer idiota é capaz de compreender que…”, elas provocarão uma espécie de surdez imediata. Não ouviremos o resto do argumento ou então o ouviremos com o intuito de encontrar bons raciocínios para derrubá-lo.

Quando nos expressamos, é preciso ter extremo cuidado com as palavras, pois elas atingem positiva ou negativamente o interlocutor.
No processo de comunicação, a recepção é tão importante quanto a emissão dos sinais. Temos que nos lembrar disso se quisermos agir de modo construtivo para nós e para os demais.

O descaso pelo “receptor” indica desrespeito moral e agressividade (voluntária ou não). Há pessoas que só têm interesse em mostrar como são perspicazes e brilhantes. Querem ficar por cima. Querem ensinar e não aprender. Despertam raiva, não admiração, pois a arte de seduzir caminha exatamente na direção oposta.

Um homem (ou uma mulher) atraente faz o outro se sentir bonito, legal e inteligente. Prefere dar atenção a repetir o tempo todo “Como sou bárbaro e maravilhoso”.

Qual a pessoa que gosta de se aproximar de alguém cujo objetivo principal é a autopromoção constante?
Quem atura discursos intermináveis baseados num narcisismo oco? Praticamente ninguém.

O descaso pelo interlocutor é, a meu ver, fruto de um individualismo acirrado e oculta o desejo inconsciente de se dar mal na vida."

quarta-feira, 8 de abril de 2015

PENSAMENTO DO DIA



 
O sofrimento que ensina: Não é a primavera que descobre o diamante oculto na serra, mas sim o instrumento duro e cortante do lapidário.

Espiritismo facebook

terça-feira, 7 de abril de 2015

FOLHAS OUTONAIS

As folhas  das árvores descem ,
Como  madurados frutos indo ao chão...
E em volta do tronco seus tapetes tecem
Para receber o outono, passado o  verão...
 
Lembram um pouco as nossas vidas,
Passadas as ilusões no tempo perdidas
Quando não temos mais a inquietude
E o  ingênuo frescor da  juventude  .
 
Deixamos paixões  pelo caminho esquecidas.
Páginas da vida amarelecidas,
Folhas de outono jogadas pelo chão...
 
Mas dentro de nós   uma viva chama brilha,
Iluminando  ainda os percalços de  nossa trilha,
Degelando o inverno em  nosso sofrido coração... 
 
Autor: Nelson Antonio Corrêa
 

sábado, 4 de abril de 2015

BRILHE A VOSSA LUZ

Corre, incessantemente, o caudaloso rio da vida...

Iniciam-se viagens longas, embarca-se
e desembarca-se, entre esperanças renovadas
e prantos de despedida.
Viajores partem, viajores tornam.
Como é difícil atingir o porto de renovação!
Quase sempre, a imprevidência e a inquietude precipitam-se nas profundezas sombrias!...
Para vencer a jornada laboriosa, é preciso
aprender com Alguém que foi o Caminho,
a Verdade e a Vida.
Ele não era conquistador e fundou o maior
de todos os domínios, não era geógrafo e descortinou os sublimes continentes da imortalidade, não era legislador e iluminou
os códigos do mundo, não era filósofo e resolveu
os enigmas da alma, não era juiz e ensinou
a justiça com misericórdia, não era teólogo
e revelou a fé viva, não era sacerdote e fez
o sermão inesquecível, não era diplomata
e trouxe a fórmula da paz, não era médico
e limpou leprosos, restaurou a visão dos cegos
e levantou paralíticos do corpo e do espírito ,
não era cirurgião e extirpou a chaga da animalidade primitiva, não era sociólogo e estabeleceu a solidariedade humana, não era cientista e foi o sábio dos sábios, não era escritor
e deixou ao planeta o maior dos livros, não era advogado e defendeu a causa da Humanidade inteira, não era engenheiro e traçou caminhos imperecíveis , não era economista e ensinou a distribuição dos bens da vida a cada um por
suas obras, não era guerreiro e continua conquistando as almas há vinte séculos,
não era químico e transformou a lama das
paixões em ouro da espiritualidade superior ,
não era físico e edificou o equilíbrio da Terra,
não era astrônomo e desvendou os mundos
novos da imensidade, enriquecendo de luz
o porvir humano, não era escultor e modelou corações, convertendo-os em poemas vivos
de bondade e esperança..
Ele foi o Mestre, o Salvador, o Companheiro, o Amigo Certo, humilde na manjedoura, devotado
no amor aos infelizes, sublime em todas as lições, forte, otimista e fiel ao Supremo Senhor até a cruz.
Bem aventurados os seus discípulos sinceros,
que se transformam em servidores do mundo
por amor ao seu amor!
Valiosa é a experiência do homem, bela é a ciência da Terra, nobre é a filosofia religiosa que ilumina os conhecimentos terrestres, admirável é a indústria das nações, vigorosa é a inteligência das criaturas, maravilhosos são os sistemas políticos dos povos mais cultos, entretanto, sem Cristo, a grandeza humana pode não passar de relâmpago,
dentro da noite espessa.
"Brilhe a vossa luz", disse o Mestre Inesquecível.
Acenda cada aprendiz do Evangelho a lâmpada do coração.
Não importa seja essa lâmpada pequenina.
A humilde chama de vela distante é irmã da claridade radiosa da estrela.
É indispensável, porém, que toda a luz do
Senhor permaneça brilhando em nossa jornada
sobre abismos, até a vitória final no porto
da grande libertação.
_André Luiz_

PENSAMENTO DE HOJE

O amor é o significado final de tudo o que nos rodeia. Não é um simples sentimento, é a verdade, é a alegria que está na origem de toda a criação.

Rabindranath Tagore

PRECE DO CAMINHO DA BELEZA - ORAÇÃO DO POVO NAVAJO


''Hoje saio à caminhar 
Todo o mal me abandona,
serei tal como fui antes 
Terei o corpo leve e uma brisa fresca
a percorrer-me o corpo Hei de ser feliz para sempre
Nada há de me impedir
Eu caminho com a Beleza à minha frente Eu caminho com a Beleza atrás de mim
Eu caminho com a Beleza acima de mim
Eu caminho com a Beleza ao meu lado direito
Eu caminho com a Beleza ao meu lado esquerdo Eu caminho com a Beleza ao meu redor
Belas serão as minhas palavras.''
 
E desta forma, caminhar na Beleza é equilíbrio. Ainda tem algo muito bonito nesse 'caminho da beleza', que é trilhar honrando seus ancestrais e todos os seres de todos os reinos em conexão, como a luz, o sol, as estrelas, a terra e o todo Universo."

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO