BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

domingo, 31 de janeiro de 2016

PAZ E FELICIDADE




Para mim não há nenhum choque entre a ideia de Deus e a própria Ciência. Entretanto, a Ciência tem a sua postura acadêmica de preocupar-se unicamente com o que é tangível e concreto. Aí, porém, ela se contradiz, pois poderíamos dar vários exemplos de objetos científicos que não são concretos: até onde a eletricidade é tangível em sua forma pura? E as ondas do som e da luz?...
Praticamente todos os grandes pensadores, mais cedo ou mais tarde, chegaram a Deus. E muitos , quando o fizeram, passaram a ser desconsiderados pela Ciência, como é o caso de Jung, cuja segunda parte de sua obra, a Psicologia Profunda, é menosprezada pela Psicologia oficial (se é que existe uma...).
Ninguém pode, em termos puramente racionais, discutir a existência ou inexistência de Deus, embora a Física Quântica cada vez mais nos aproxima de uma conclusão positiva. São palavras de uma física notória, cujo nome me escapa: “Como poderia haver tantas coincidências, todo o Universo obedecer a leis perfeitas e coerentes, se não houvesse uma Inteligência Suprema a controlar tudo?”.
O que nos importa aqui, porém, não é entrar neste tipo de discussão, nem convencer ninguém do que quer que seja. Não podemos, entretanto, deixar de pontuar nossa posição: pensamos que a felicidade a paz estão na sintonia absoluta com Deus. Isto não significa, no entanto, que a pessoa tem, necessariamente, que ser religiosa. Uma pessoa bondosa, de pensamentos positivos, que ama o ser humano, respeita e ama a Natureza, está em sintonia com Deus, mesmo que não imagine tal coisa.
Pode-se fazer mil terapias e até ser uma pessoa religiosa, mas isto, não é passaporte para a felicidade. As boas coisas que a vida nos traz são percebidas como boas porque as comparamos com as que consideramos más.
É uma atitude sábia aceitar como parte de nossa aprendizagem as dores que precisamos suportar. Nenhum caminho é desprovido de pedras; nem sempre o céu está sem nuvens. A felicidade dependerá da habilidade de cada um em saber aproveitar cada uma das pedras encontradas para com elas construir o alicerce que será a base de sua capacidade de crescer em força e autoestima.
 Aceitar o que a vida nos traz é sabedoria. No entanto, a sensação de plenitude, de realização absoluta, de paz permanente, para mim,  só poderá ser encontrada em Deus.
Se é impossível definir Deus, podemos, entretanto, sentir-Lhe a Presença. É necessário, porém, que estejamos abertos para isso. Quem só vive mergulhado nos problemas materiais, no torvelinho do dia-a-dia, sem parar para contemplar o Universo, em sua beleza e mistérios, não consegue acreditar em Deus ou O imagina como uma realidade distante e dificilmente deixa que Deus de fato o toque.
Ele está presente em nós. Quando fazemos esse mergulho na quietude,  nós O encontramos. Nós e o Universo somos unos. E todos são unos com o Criador.
A fé inabalável, a confiança firme no amor divino, em Sua presença e misericórdia criam em nós uma harmonia interior, que fato exterior algum pode abalar.
Segundo Elisabeth Leseur, “a alma que se eleva, eleva o mundo”. Portanto, quando amamos, crescemos, nos transformamos para melhor, estamos a melhorar o mundo e a conquistar a paz.
Uma coisa é certa: quem não encontra sua realização em algo é sempre amargo e pessimista, antipático, prepotente, presunçoso ou, então, ao inverso, possui sentimentos de inferioridade e uma aura de derrotismo. Mas, pode essa pessoa ter paz ou alcançar a felicidade?
As pessoas autenticamente religiosas, que enchem seus corações de amor, fé e esperança, conseguem harmonia e paz e enfrentam com mais equilíbrio as situações difíceis da vida.
Se tua alma está nostálgica, integra-te na harmonia do universo e a alegria povoará teu mundo interior. Ao teu lado a Natureza canta hinos de louvor à criação. Aqui e ali, a vida é uma perene canção de amor. Tudo fala de renovação, evolução, alegria e paz. A dor só poderá destruir-te se lhe deres guarida. Se estiveres protegido pela fé, pela esperança e pelo amor, ela não será senão um pequeno espinho que incomoda, mas não chega a penetrar na carne.
Se tiveres olhos para contemplar a beleza, poderás esquecer-te do que é feio. Se tiveres ouvidos prontos a ouvir os hinos de amor que cantam teus irmãos, num testemunho veemente da misericórdia Divina, decerto passarão despercebidas as palavras de rancor, ciúme, inveja ou ofensa.
Se puderes assistir, de coração aberto, a continuação do milagre da vida, às estações que vão e voltam, ao sol que se esconde e, depois, ainda brilha, às plantas que secam e, amanhã, ainda dão frutos; se puderes observar a criança, o jovem, o velho, o casal enamorado; sentir o eterno fluxo e refluxo da vida, poderás encontrar a Deus e ver que há motivos para se viver e ser feliz.

   

Maria Luiza Silveira Teles

(presidente da Academia Montes-clarense de Letras)

ORAÇÃO PARA QUEM ESTÁ ENVELHECENDO

Senhor, Tu sabes que estou envelhecendo.

Ajuda-me a pensar que não sou uma peça imprestável, no movimento da vida.
Reconheço que não tenho mais as mesmas capacidades físicas, que me animaram a juventude, nem os mesmos reflexos e disposição. Contudo, auxilia-me a não desanimar e, muito menos, pedir aposentadoria indevida das lides do mundo.
Não me deixes emurchecer, como flor queimada pelo sol.
Fecha a minha boca quando eu estiver propenso a falar de minhas dores e de meus sofrimentos. Eles estão aumentando com o passar dos anos e meu desejo de falar deles aumenta a cada dia.
Ensina-me a dialogar, sem me fazer excessivamente falador, a fim de não causar indisposição nos demais.
Não me permitas conceber limitações desnecessárias. Coloca as minhas mãos no trabalho a fim de que eu elabore ainda criações no campo da música, da pintura, da jardinagem, da cerâmica.
Ensina-me a melhor ocupação para o tempo de que disponho. Um tempo que, desde os dias da juventude, reclamava não ter.
Permita que eu me levante a cada dia disposto a aprender alguma coisa mais. Pode ser uma forma diferente de usar o pincel, uma breve poesia, uma receita surpreendente.
Desejo ser jovial sem parecer tolo e imprudente.
Ensina-me a gloriosa lição de que, às vezes, posso estar errado. Aprendi muito, guardo experiências preciosas, mas não tenho o direito de desprezar os avanços da modernidade e da ciência.
Depois de ter adquirido uma enorme bagagem de sabedoria e experiência, parece uma pena eu não poder usá-la totalmente, sem criar embaraços aos demais.
Se a dependência física se tornar necessária, ajuda-me, Deus, a ter paciência comigo mesmo, suportando o corpo que tanto me serviu até aqui.
Com ele eu dancei, cantei, viajei, vivi doçuras, momentos bons e maus. Auxilia-me a continuar a amá-lo.
Tu sabes que precisarei não ser inconveniente, a fim de não incomodar tanto aos demais. Por isso, te peço que me ensines a pensar duas vezes, antes de reclamar, insistir e exigir o que quer que seja, a quem tenha que cuidar de mim.
Se eu tiver que experimentar a viuvez, dá-me tua mão, quando a da minha esposa já não estiver por perto. Afinal, Senhor, foram tantos anos em que despertei ao toque suave do carinho dela.
Não me permitas secar a fonte das lágrimas. Precisarei delas, com certeza, nas horas de tristeza, para desafogar o coração cansado.
Entretanto, não me deixes tornar um ser melancólico e chorão. Permite-me gozar do calor do sol e da bênção da chuva, com o mesmo entusiasmo de sempre.
E, Senhor, o meu desejo final é ter sempre alguns amigos, esses seres abençoados que, no mar imenso da vida, qual jangada preciosa, remaram firmemente ao meu lado.
Muitos deles poderão partir antes de mim, mas permite que alguns permaneçam a fim de que nunca desapareça de vista a expectativa das suas presenças.
Enfim, Senhor, torna-me um ancião nobre, que demonstre a sabedoria do envelhecimento digno.

Assim seja.

Médium: Raul Teixeira – Espírito: Thereza de Brito

PENSAMENTO DE HOJE

Ser humilde é aceitar-se como argila e, também, como luz. "Tu és pó e ao pó voltarás"; mas tu és luz e voltarás à Luz! De fato, ser humilde é aceitar suas próprias qualidades e defeitos; ser humilde é aceitar aquilo que se é.

Jean-Yves Leloup

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

MENSAGEM DO DIA


Seu dever é SER, e não ser isso ou ser aquilo. ""Eu sou o que eu sou"" resume toda a verdade. O método é ""fique em silêncio"". O que significa o silêncio? Significa destrua seu ""eu"", pois qualquer forma é causa de problemas.

Ramana Maharshi

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

BATALHAS DENTRO DE NÓS



 
Todas as batalhas importantes são travadas dentro de nós.
Muitas pessoas estão envolvidas em superar emoções que as debilitam, como medo, raiva, ansiedade, depressão e apatia, passam intermináveis horas, tentando descobrir a causa, com a esperança de se libertarem do desconforto e poderem seguir em frente.
O que aprendi e transformei em ferramentas é criar as condições internas da libertação, sem precisar entrar na batalha e machucar-se pelo desgaste excessivo na busca por compreensão.
Você não precisa compreender, você precisa se desprender.
Você tem um talento nato para desenvolver;

Você tem oportunidades à sua frente para desvendar;
Você tem um futuro para desenhar com seus desejos;
Você é mais capaz do que pensa que é!!!!!!
Não se envolva nas emoções debilitantes, dissolva com os seus recursos.
Quando temos uma batalha, ao invés de usar a força física, temos que usar nossa força mental. Criar uma estratégia de vitória, onde o foco está na saída e não na luta.
Não lute com sua condição atual, projete a porta da saída e mantenha a fé no seu potencial, as armas e o seu exército irão se apresentar de forma inusitada e vencerão seu inimigo interno quando ele menos espera.
Você estará livre por sair da posição de escravo de suas emoções para estrategista de seu potencial.
Por: Rosalia Schwark 

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

A PARTIDA


 A vida é feita de chegadas e partidas. Não há como evitar isto. Geralmente, a chegada é saudada com alegria e a partida com lágrimas.
Entretanto, há uma partida definitiva: aquela em que somos levados à outra dimensão, abandonando o corpo material, os afetos e tudo aquilo que achávamos que nos pertencia.
Nunca consegui entender porque as pessoas conversam tanto nos velórios. Na verdade, somente a família do morto chora em silêncio, mergulhada na dor da perda e da ausência.
As pessoas tagarelam e contam piadas. Botam a conversa em dia. É um encontro de confraternização.
Será esse comportamento uma maneira de exorcizar a morte? De não pensar que, um dia, lá estarão os amigos a nos velar e levar à tumba fria?
Sei lá! Ou será a vida moderna, na sua ferocidade, na sua velocidade para tudo, inclusive para os compromissos, que, de repente, faz da morte um intervalo para o encontro daqueles a quem queremos tão bem e com quem não podemos conviver na medida do nosso querer?
Seja como for, aqui e em outros cantos do planeta, o velório é quase uma festa, com "comes e bebes". Seria uma festa comemorando a Vida e não a morte? Por que o quê é a morte senão o fim de um ciclo? Talvez todos, em seu íntimo, e talvez inconscientemente, brindem à vida daquele que se foi. Do dever cumprido, da lembrança do que foi e do que deixou.
Porque ninguém passa pela vida em brancas nuvens, impunemente. A vida tem um preço e todos nós pagamos por ela. Ou com alegria e belas obras, ou com tristeza, mas trabalho e dor.
Não estou absolvendo a todos os seres humanos. Mas, a mim não cabe julgar ninguém. Cada um tem sua própria consciência, que é o inferno, o céu ou o purgatório, no encontro com a Morte. Esse é um momento de extrema solidão ao qual ninguém pode fugir. Nós e nossa consciência. Um encontro difícil e doloroso. Sei disso porque, embora cá ainda esteja pela Graça Divina, já passei por este momento, quando todos esperavam que eu morresse.
Finalizando tais elucubrações, acredito que é isso: nos velórios comemoramos a Vida, o Amor, a esperança do reencontro, as belezas e as dores da Viagem. Só pode ser!
Falando neste assunto do nosso dia-a-dia, quero homenagear, hoje, o nosso amigo e colega Raphael Reys, escritor e historiador, espiritualista convicto, que fez a sua Grande Viagem e foi enterrado ainda há pouco.
Raphael era um grande amante de Montes Claros e registrou em sua escritura momentos importantes e inesquecíveis de nossa história. Tanto conversamos sobre o fenômeno da morte que, para ambos, não era senão uma passagem para outra dimensão. Tanto filosofamos em inúmeros velórios!
Hoje foi a sua vez. Não pude ir ao seu velório. Melhor assim! Prefiro lembrar de meu amigo como ele sempre foi: um amante da Vida. E é a sua vida que celebramos agora,
Que Deus o tenha e que dê à sua família o conforto necessário neste momento difícil da separação.

Maria Luiza Silveira Teles (presidente da Academia Montes-clarense de Letras)


A REFLEXÃO DO DIA


O charlatanismo não tem cabimento onde não há especulação. - O Livro dos Médiuns, cap. 3, item 38.
Certos "médiuns" exploradores julgam salvar as aparências apenas se fazendo pagar pelos ricos, ou aceitando uma contribuição voluntária.
Quando Jesus e os seus apóstolos ensinavam e curavam, não marcavam preço às suas palavras (ver a mensagem Cultura de Graça, em o livro Ideal Espírita, de Chico Xavier), nem aos seus cuidados, posto não tivessem renda para viver.
Por outro lado, esta maneira de operar não é garantia de sinceridade e não põe ao abrigo da suspeita de charlatanismo.
Aliás quem diz que o "médium", mesmo admitindo de sua parte a mais completa sinceridade, terá a mesma solicitude para o que não paga... (aquele "famoso" que se negou a cumprimentar uma senhora que não trazia um livro seu para ser autografado)...
Quanto a nós, não ignoramos que nossa persistência em combater o abuso de que falamos não fizeram nossos amigos os que viram no Espiritismo uma matéria explorável, nem os que os sustentam...
Nossos esforços tenderão sempre a preservar o Espiritismo da invasão da venalidade.
O momento presente é o mais difícil, (eventos, em nome de Doutrina Espirita, que cobram taxas de inscrição? ), à medida que a doutrina for melhor compreendida, essa invasão será menos de temer.
A opinião das massas (espíritas conscientes) opor-lhe-á uma barreira intransponível. ..

Revista Espírita, dezembro de 1864.

domingo, 24 de janeiro de 2016

PENSAMENTO DE HOJE

 

Tudo que acontece fora é parte de um processo que também está acontecendo dentro.
A separação é somente uma ilusão.
O externo é reflexo do interno. Tudo é uma coisa só.
Um desafio a ser conquistado; uma turbulência a ser atravessada...
Mas, ao permanecer na zona de conforto, você não se permite experimentar nada disso. Se não tivesse que apagar o incêndio, não teria visto o fogo de perto. Tudo é material de escola.”

Sri Prem Baba Bali

sábado, 23 de janeiro de 2016

COLABORAÇÃO

 

A colaboração o estímulo e empenho diferenciado de cada um nos faz tornar cada dia melhor em nossas atividades, seja qual for ela. E percebemos por este fato a expressão de gratidão e apreço pelas pessoas envolvidas, que contribuem em um trabalho tornando-o um sucesso. Sempre há falhas, mas que elas possam nos trazer um crescimento profissional, pessoal e também espiritual, pois não somos perfeitos, portanto não devemos carregar este peso na consciência e sim procurar sermos melhores com os nossos próprios erros. A simpatia contorna os problemas e mantêm a ordem necessária para que não haja transtornos nos trazendo conforto e liberdade facilitando todo o processo. Sempre haverá um amanhã e a vida nos dará sempre mais uma oportunidade para fazermos o melhor, e temos que aproveitar cada oportunidade. E, com perseverança, confiança, alcançaremos o sucesso tão almejado e que possamos fazer histórias maravilhosas e intensas e que possamos realizar todos os nossos sonhos...

Gaspar Senior

domingo, 17 de janeiro de 2016

MENSAGEM DO DIA


 
 
“No reino humano, a consciência evolui em ciclos e desdobra-se em forma de espiral da individualização para a personalidade plenamente desenvolvida e consciente de si mesma. Daí ela se movimenta, através do caminho da iniciação, para a total consciência da Alma e, finalmente, para a identificação com o UM, ou Deus.”

Helen Burmester

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

SEU FARDO



 

Ninguém poderá carregar os fardos de suas dores. Eduque-se com o sofrimento.

Ninguém entenderá os problemas complexos de sua existência. Exercite o silêncio.

Ninguém seguirá com você, indefinidamente. Acostume-se com a solidão.

Ninguém acreditará que suas aflições sejam maiores do que as do vizinho.

Liberte-se delas, com o trabalho da auto-iluminação.


Divaldo Franco

PENSAMENTO DE HOJE

A meditação profunda acentua a natureza real do objeto a respeito do qual meditamos, e faz com que ela penetre na alma daquele que medita.

Ramakrishna

domingo, 10 de janeiro de 2016

MORRER É VOLTAR PARA CASA



 Quando a morte chega, com sua bagagem de mistérios, traz junto divergências e indagações.
Afinal, quando os olhos se fecham para a luz, o coração silencia e a respiração cessa, terá morrido junto a essência humana?
Materialistas negam a continuação da vida. Mas os espiritualistas dizem que sim, a vida prossegue além da sepultura.
E eles têm razão. Há vida depois da morte. Vida plena, pujante, encantadora.
Prova disso? As evidências estão ao alcance de todos os que querem vê-las.
Basta olhar o rosto de um ser querido que faleceu e veremos claramente que falta algo: a alma já não mais está ali.
O Espírito deixou o corpo feito de nervos, sangue, ossos e músculos. Elevou-se para regiões diferentes, misteriosas, onde as leis que prevalecem são as criadas por Deus.
Como acreditar que somos um amontoado de células, se dentro de nós agita-se um universo de pensamentos e sensações?
Não. Nós não morreremos junto com o corpo. O organismo voltará à natureza - restituiremos à Terra os elementos que recebemos - mas o Espírito jamais terá fim.
Viveremos para sempre, em dimensões diferentes desta. Somos imortais. O sopro que nos anima não se apaga ao toque da morte.
Prova disso está nas mensagens de renovação que vemos em toda parte.
Ou você nunca notou as flores delicadas que nascem sobre as sepulturas? É a mensagem silenciosa da natureza, anunciando a continuidade da vida.
Para aquele que buscou viver com ética e amor, a morte é apenas o fim de um ciclo. A volta para casa.
Com a consciência pacificada, o coração em festa, o homem de bem fecha os olhos do corpo físico e abre as janelas da alma.
Do outro lado da vida, a multidão de seres amados o aguarda. Pais, irmãos, filhos ou avós - não importa.
Os parentes e amigos que morreram antes estarão lá, para abraços calorosos, beijos de saudade, sorrisos de reencontro.
Nesse dia, as lágrimas podem regar o solo dos túmulos e até respingar nas flores, mas haverá felicidade para o que se foi em paz.
Ele vai descobrir um mundo novo, há muito esquecido. Descobrirá que é amado e experimentará um amor poderoso e contagiante: o amor de Deus.
Depois daquele momento em que os olhos se fecharam no corpo material, uma voz ecoará na alma que acaba de deixar a Terra.
E dirá, suave: Vem, sê bem-vindo de volta à tua casa.
A morte tem merecido considerações de toda ordem, ao longo da estada do homem sobre a Terra.
É fenômeno orgânico inevitável porque a Lei Divina prescreve que tudo quanto nasce, morre.
A morte não é pois o fim, mas o momento do recomeço.
Pensemos nisso


Gaspar Senior

MENSAGEM DO DIA

Se queres que algo se contraia, primeiro deixa distender-se. Se queres que algo se enfraqueça, primeiro deixa fortalecer-se.
Para poder receber, deves ter dado, antes.
Isto se chama sabedoria.
O brando e o frágil vencem o duro e o forte.
Os peixes devem ser deixados no fundo das águas.
As armas cortantes devem ser guardadas onde não podem ser vistas.

Lao Tse

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

PENSAMENTO DE HOJE

A vida se compraz num constante vai e vem entre prazer e dor, agradável e desagradável. Essa é a forma como ela se apresenta a todos. Cabe a cada um encontrar o caminho do meio que o impedirá de mergulhar num lado ou no outro. 

Paulo e Lauro Raful

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

A VIDA COMO ELA É


 A gente vai vivendo momentos de alegria e momentos de profunda tristeza. Tudo é ensinamento e com todas as experiências vamos crescendo.
Ás vezes, a dor é tão terrível que pensamos não suportar. Mas, dentro de nós, existe uma força que normalmente desconhecemos e  nos acode nestes instantes…
Só Deus sabe a dor de perder pai, mãe, filho, amigos… No momento, muitas vezes,  ficamos como que anestesiados. Isto é a Misericórdia de Deus agindo. Talvez, se ficássemos inteiramente lúcidos, provavelmente enlouqueceríamos como alguns..
Mas, os dias vão passando e a vida nos empurra porque ela é um impulso muito forte. A dor vai, pouco a pouco, diminuindo… Costumo dizer que é o unguento que o Pai Maior vai colocando na ferida. E, de repente, percebemos que a saudade é muita, mas ela já não dói.
E começamos a dizer que as obrigações do dia-a-dia nos levam para diante. O tempo passa e, subitamente, percebemos que a alegria voltou. Este é o processo natural. Deus nos deu provações para que aprendamos, provavelmente, a ser humildes, complacentes, compassivos; a nos tornarmos o próprio Amor.
Entretanto, Ele nos quer felizes, vivendo a vida em plenitude. Continuar cultivando a tristeza e parar no Tempo é doença. Precisamos estar atentos a isso.
Depois de qualquer perda, seja de que tipo for, costumamos ter um período de “luto”. Mas, quando o luto dura muito já é questão patológica.
Se perdemos por um lado, sempre ganhamos por outro. Tornamo-nos mais amantes da vida e crescemos espiritualmente.
As perdas, na verdade, não são perdas, mas ganhos em espiritualidade e vida. Se a gente, ao invés de mergulhar na dor, procurar ver os sinais que Deus nos manda, logo tudo passará. Porque a característica principal de tudo que vive é a impermanência. Tudo passa e tudo tem fim.
Olhemos o sol, a noite estrelada, o carinho da família e dos amigos, o canto dos pássaros, a música das cascatas, a beleza das flores, o renascimento de tudo que morre, como no caso de muitas plantas, e veremos que Deus sempre está conosco e nos cobre com seu manto de Amor.
Alguém pode negar a beleza da vida? Acho que ninguém. Mesmo aqueles que sofrem duras privações e, muitas vezes, se entregam ao desespero, podem parar um instante e contemplar o esplendor de um crepúsculo; podem colher flores e amar e receber amor do seu próximo.
Talvez alguns digam: “Como contemplar a beleza de algo se a vida se mostra tão feia com a doença, a miséria, a injustiça, a fome?” É verdade. Não é fácil. Não quero dizer que é simples ver a beleza de estômago vazio. Mas, ter fé e esperança ainda é o melhor caminho em qualquer situação. Isto não é comodismo! Claro que devemos lutar para a melhoria da condição de todos. Quem pode negar, também, que a vida é tecida de sonhos mortos, de dores, saudades, perdas e tristezas profundas? Revoltar-se e desesperar-se, entretanto, só provoca doenças no corpo e na mente.
O mais bonito na natureza humana e que talvez seja a maior prova de que somos feitos à imagem e semelhança do Criador é o poder de superação que existe em todos nós. Tanto a dor como a alegria podem se transformar em poesia, artes plásticas, música, doação e entrega ao próximo, o que vai enfeitar a vida dos demais e mostrar a face da Beleza, que é a face do próprio Deus.
Se soubermos confiar na Misericórdia Divina cada golpe nos fará crescer e nos tornará mais fortes.
Perder um filho é perder um pouco de si mesmo. Perder os pais também é perder pedaços de si. Eles, porém, serão eternos, não apenas na nossa saudade, mas naquilo deles que ficou em nós.
Quanto mais envelheço, mais me acho parecida com meus pais. E me surpreendo, a todo instante, dizendo: "Papai dizia isso ou mamãe dizia aquilo"... Só a esta altura da vida, vamos compreender a sabedoria de nossos pais, que, tantas vezes, contestamos, na soberba de nossa juventude...
Frederick Perls, grande psicólogo gestaltista, dizia que toda vela deve se consumir até o fim. Ele se referia às emoções, que não devem ser reprimidas, mas vividas até se consumirem. Só assim poderemos prosseguir na belíssima jornada da vida, com equilíbrio, mais amor por nós mesmos e pelo nosso próximo. A dor que não é vivida plenamente, mas reprimida, pode se transformar em dores no corpo físico.
É, pois, uma tolice de nossa parte pedir a alguém que chora para parar de chorar; a alguém que sofre que se distraia e esqueça a sua dor. Vamos deixar a vela se consumir para que sejamos mais sadios, úteis e amorosos.
Hoje estou profundamente triste. E não venham me animar! Vou deixar a vela se consumir. Eu sempre renasço das cinzas: mais iluminada e mais cheia de amor.
A vida é uma benção: não nos esqueçamos jamais disso! E tudo passa: esTa é a única certeza que temos.

Maria Luiza Silveira Teles
(presidente eleita da Academia Montesclarense de Letras e membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros)


terça-feira, 5 de janeiro de 2016

VIVA A SUA TRISTEZA


Viva sua tristeza com total autenticidade. E você ficará surpreso ao ver que uma porta miraculosa se abre em seu ser. Se você puder viver sua tristeza sem nenhuma imagem de ser feliz, você fica feliz imediatamente, porque a divisão desaparece. Não há mais nenhuma divisão.

“Sou a tristeza”. E não há nenhuma questão de algum ideal de ser algo mais. Assim não há nenhum esforço, nenhum conflito. “Sou simplesmente assim” e há um relaxamento. E esse relaxamento é graça, e esse relaxamento é alegria.

Todo sofrimento psicológico só existe porque você está dividido. Dor significa divisão e alegria significa nenhuma divisão. Isso pode parecer paradoxal a você: se a pessoa estiver triste, como é que ela pode ficar alegre aceitando sua tristeza? Irá parecer paradoxal, mas é assim. Experimente!

Não estou dizendo para tentar ser feliz; não estou dizendo isso, “Aceite sua tristeza para que você possa ser feliz”. – Não estou dizendo isso. Se essa for sua motivação então nada irá acontecer; você ainda estará lutando. Você estará olhando pelo canto de seu olho: “Tanto tempo já passou e eu aceitei até mesmo a tristeza, e estou dizendo ‘Sou a tristeza”, e ainda assim a alegria não está vindo”. Ela não virá desse jeito.

Alegria não é uma meta, é um subproduto. Ela é uma consequência natural da integridade, da unidade. Apenas seja um com essa tristeza, por nenhum motivo, por nenhum propósito particular. Não há nenhuma questão de qualquer propósito. É assim que você é nesse momento, essa é sua verdade nesse momento. E no próximo momento você pode ficar zangado: aceite isso também. E no próximo momento você pode ser algo mais: aceite isso também.

Viva de momento a momento, com tremenda aceitação, sem criar nenhuma divisão, e você está a caminho do autoconhecimento.

Osho

sábado, 2 de janeiro de 2016

TEMA PARA MEDITAÇÃO


Encontramos "em "Anjo da Luz", livro do Padre Júlio Maria, os seguintes ensinamentos: 
"A predestinação é mais que a providência comum, mais que a providência sobrenatural em geral; é uma providência especial; que assegura aos eleitos graças eficazes para lhes fazer alcançar, infalivelmente, a glória eterna." (páginas 140 e 157) 
"Deus preparou desde toda a eternidade, para os seus eleitos, a beatitude e a glória; e esta preparação é uma eleição, uma predestinação especial, visto não ter sido concedida a todos os homens, nem sequer a todos os cristãos." (página 158) 
Desculpe-nos o reverendo, mas essa doutrina não é do Cristo, não. O que o Divino Mestre ensinou claramente, é que "Deus não faz acepção de pessoas" e "há de retribuir a cada um segundo as suas obras". E isso foi muito bem entendido pelos seus apóstolos, tanto que o Evangelho lhes consigna, entre várias outras afirmações nesse sentido, as seguintes: 
"Importa que todos nós compareçamos diante do tribunal de Cristo, para que cada um receba o galardão, segundo o que tem feito, ou bom ou mau estando no próprio corpo." (II Cor. 5:10) 
"O Senhor espera com paciência por amor de vós, não querendo que nenhum pereça, mas que todos se convertam à penitência.” (II Pedro, 3:9) 
Como se vê, não há aqui nada que se pareça com "providências especiais", nem qualquer coisa que faça supor existam, perante Deus, "eleitos" e enjeitados... 
"A perda de uns e a salvação de outros - argumenta o autor - não inclui nenhuma injustiça da parte de Deus, pois Deus nada nos deve; a salvação é dom gratuito de Deus, e Ele pode dar este dom a quem o quiser. O dono de um objeto não pode dispor dele à vontade?" (página 169) 
Que lógica, hem! Nem mesmo um materialista raciocinaria assim! 
Francamente, se Deus agisse dessa forma, seria mais imperfeito que muitas de suas criaturas. Qual o pai ou a mãe, por exemplo, que, podendo dar algo a todos os seus filhos, haveria de deixar alguns de mãos abanando? 
Ora, se os pais terrenos, com todas as suas limitações, são incapazes de tal iniquidade, atribuí-la ao Pai celestial constitui heresia inominável. 
Mas não é só. Na obra citada, ensina ainda o piedoso sacerdote: 
"Deus faz concorrer o mal à manifestação dos seus atributos e à harmonia de sua obra.(!) 
É fácil compreender isto. O bem é uma luz... O mal é uma verdadeira sombra. A sombra serve, num quadro, para fazer sobressair a luz; uma dissonância serve numa sinfonia para preparar os acordes harmoniosos; o mal, tal uma sombra, uma dissonância, faz sobressair os dons concedidos aos bons." (pág. 167) 
“A obra divina deve a sua harmonia (pasmem!) não somente às irradiações celestes, mas também às sombras do pecado e da reprovação”. 
“Esta sombra divina deve ser iluminada, não somente pela glória dos eleitos, mas também pelo horror terrível e sublime do inferno.” (pág.168) 
É como digno remate a esses raciocínios: “A existência do inferno é uma necessidade; é uma obra de justiça e de amor de Deus," (pág. 170)
Parece incrível, pois não? Mas é o que lá se encontra, apenas, sem os grifos, que são nossos. Como é diferente a linguagem do Cristo! 
"Que vos parece - diz o meigo Rabi da Galiléia - se um homem tiver cem ovelhas, e uma delas se extraviar, não deixa as noventa e nove e vai aos montes procurar a que se extraviou, ATÉ QUE A ACHE? E depois de a achar, não a põe sobre seus ombros, cheio de gosto, e, vindo a casa, diz aos amigos e vizinhos: congratulai-vos comigo, porque achei a minha ovelha que se havia perdido? Assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que fizer penitência, que por noventa e nove justos que não hão mister de penitência." (Lucas, 15: 4 a 7. )
*
Confrontemos, agora, esses doutrinamentos: 
Segundo o autor do livro "Anjo da Luz", Deus predestina alguns eleitos às delícias do céu, cercando-os de graças eficazes para que alcancem, infalivelmente, essa bem-aventurança, enquanto permite que o Mal tome conta do mundo, para perdição do resto da Humanidade! Depois, julga-se no direito de castigá-la, condenando-a ao fogo eterno, e ainda se deleita com esse espetáculo porque... "a obra divina deve ser iluminada, não somente pela glória dos eleitos, mas também pelo horror terrível e sublime do inferno"! 
Com tais ensinos, é de se admirar haja por aí tanto ateísmo e indiferença religiosa? 
Como atrair os homens para a Religião, como despertar neles o amor a Deus, se aqueles mesmos que se inculcam Seus ministros O apresentam desta forma, com esse caráter medonho, mais se parecendo a Satanás?
Segundo o Espiritismo, entretanto, Deus é Pai, imparcial e amoroso. Se exerce a Sua Justiça, dando a cada um segundo o seu merecimento, não se esquece, todavia, dos extraviados, e vai lhes ao encontro, dá-lhes oportunidade de se redimirem (pelas reencarnações expiatórias) e se alegra com isso porque... "não é de Sua vontade que pereça um só destes pequeninos"! 
Qual, leitor amigo, a concepção que mais e melhor exalta os atributos da Divindade?

Rodolfo Calligaris
Reformador (FEB) Jan 1961

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO