BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

MENSAGEM DO DIA


Quando se vai para dentro da consciência interior, ela é sentida como uma pura e calma existência sem movimento algum, antes eternamente tranquila, não-movida e separada da natureza exterior. Isso vem como um resultado do desapegar-se dos movimentos (da natureza exterior), do distanciar-se deles, e é um acontecimento bem importante. 

Sri Aurobindo

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

“OS EFEITOS DA NECRÓPSIA (AUTÓPSIA) NOS ESPÍRITOS”


O Mentor permaneceu na Enfermaria, pelo período em que tinha curso a necropsia para a identificação da causa mortis e outros comportamentos legais. Observamos que os Espíritos, mesmos distanciados dos corpos que se faziam examinados, retratavam as ocorrências que os afetavam, provocando sensações cruciantes. O motorista, por ser incurso em maior responsabilidade, manteve-se em sono agitado por todo o tempo. Devido às fortes vinculações com a matéria, experimentava as dores que lhe advinham da autópsia de que o corpo era objeto. Embora contido por enfermeiros diligentes sofreu cortes e serração, profundos golpes nos tecidos e costuras…
‘Recordemos que se encontrava sob amparo, não ficando, todavia, isento à responsabilidade pelos erros que a juventude extravagante lhe facultara.
‘Em autópsia, muitos Espíritos que se deixaram dominar pelos apetites grosseiros e se ficam apenas no corpo, quando não fazem jus a assistência especializada, enlouquecem de dor, demorando-se sob os efeitos lentos do processo a que foram submetidos os seus despojos.
‘Desse modo, cada um dos jovens, apesar de todos haverem desencarnado juntos, no mesmo momento, experimentava sensações de acordo com os títulos que conduziam, de beneficência e amor, de extravagância e truculência.
‘Correspondendo à hora do reconhecimento e translado dos corpos pelos familiares para as providências da inumação cadavérica, acompanhamos o despertar de quase todos, sob os duros apelos dos pais e irmãos, partindo, semi-hebetados, para os atender…
 ‘As nossas providências de socorro não geram clima de privilégio, nem protecionismo injustificável. Cada um respira a psicosfera que gera no campo mental. Todos somos as aspirações que cultivamos, os labores que produzimos.
A cruz, porém, é intransferível, de cada qual. Podemos ajudar a diminuir-lhe o peso, não a transferi-la de ombros.
‘A agitação era geral. Podíamos observar que rápidas flechadas de forte teor vibratório os alcançavam, fazendo-os estremecer, estorcegar.
‘O motorista subitamente apresentou uma facies de loucura, ergue-se, trêmulo, respondendo algo com palavras desconexas e como que envolto pelo fio de densa energia que o alcançava, pareceu sugado, desaparecendo…
‘- Foi atender – elucidou Dr. Bezerra – aos que o chamam sob chuvas de blasfêmias e acusações impróprias.
‘A família soube, pela Polícia, que ele havia ingerido alta dose de drogas, o que parecia responder pelo acidente, provocando, a informação, mágoa e revolta nos pais.
‘Em continuação, mais dois se evadiram do local de amparo obedecendo ao impositivo evangélico: “Onde estiver o tesouro, aí estará o coração”. 
‘Fábio e outro amigo, porque não se encontrassem muito comprometidos com os vícios e viessem de uma estrutura familiar mais digna, foram poupados à presença do cadáver e às cenas fortes que se desenrolaram antes e durante a inumação dos corpos.
‘Não se furtariam, é certo, ao mecanismo de recuperação, apesar da ajuda da antiga mãezinha, que o reembalava nos braços, na condição de avó.
‘Desperta-se, cada dia, com os recursos morais com que se repousa, à noite.
‘Além do corpo, cada Espírito acorda conforme o amanhecer que preparou para si mesmo.

Fonte: Missionários da Luz. André Luiz-Chico Xavier. 

GRATIDÃO


"A Gratidão afeta positivamente a sua frequência vibracional, esse é um hábito que você deveria incorporar agora mesmo na sua vida.
Comece a agradecer por tudo, pelas coisas boas e ruins, por todas as experiências que você já vivenciou.
A gratidão abre as portas para que as coisas boas fluam positivamente na sua vida.
Você já agradeceu hoje?


do site Gotas de Paz

PENSAMENTO DE HOJE


Se você quer ser feliz, pense nos outros. Se quiser ser infeliz pense em você mesmo. 

Sakyong Mipham Rinpoche

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

ESPIRITISMO E METAPSÍQUICA


A mediunidade é tão antiga quanto a existência do homem. Desde os primórdios anotamos a presença de feiticeiros, oráculos, xamãs e outros que se comunicam com o plano que nós chamamos de forma genérica de Espiritual.
A comunicação de mortos com vivos é um fato incontestável, a ponto de no velho testamento, incontáveis vezes, lermos a presença dessas comunicações. A ponto de Moisés proibir os hebreus da consulta, por evocação, aos mortos (Deuteronômio cap. XVIII).
Se Moisés proibiu é porque o fenômeno acontecia realmente e estava sendo mal utilizado. Ele não proibiria o que não existe.
Assim a fenomenologia da hoje chamada “transcomunicação” ainda é motivo de estudo tanto no Espiritismo como na Parapsicologia.
O professor Hippolite Leon Denizard Rivail, desde 1822, se interessou pelo estudo destes fenômenos que ele chamou de “efeitos físicos e inteligentes”. O professor Hippolite, (que posteriormente adotou o nome de Allan Kardec) observava no mundo, todos os sensitivos que porventura “provocaram” alguma fenomenologia excepcional.
Estudando as irmãs Fox, duas meninas americanas, semi-analfabetas, na cidade de Hidesville, nos Estados Unidos, pode ele lançar as bases do Espiritismo Científico. Assim entre os anos de 1857 e 1868 nasceram os 5 livros básicos da doutrina.
Concomitantemente o russo Alexandre Aksakof lançava a chamada Metapsíquica, ciência-mãe da Parapsicologia atual. Amigos Aksakof e Kardec se correspondiam nos seus estudos até que, 100 anos depois que Kardec inicia seus estudos, (ainda como professor Hippolite Leon Rivail), outro cientista chamado Charles Richet estudando a famosa médium Européia Paladino, classifica os fenômenos Metapsíquicos.
São criados dois grandes grupos: Os fenômenos objetivos que analisa e os fenômenos exteriores, perceptíveis aos nossos sentidos, que parecem terem um caráter inteligente, e os fenômenos subjetivos que estudam os fenômenos exclusivamente intelectuais.
Assim surgem uma lista de 12 (doze) fenômenos bem estudados (não vamos analisar cada um agora).
Em 1930, Joseph Banks Rhine, inicia o que chamou de Parapsicologia, introduzindo o método quantitativo aos estudos qualitativos da Metapsíquica,. O objetivo era reproduzir os fenômenos metapsíquicos em experimentos de laboratório. Aí surgem PSI que Banks Rhine classifica com Psi-Gama = fenômenos subjetivos; Psi-Kapa = fenômenos objetivos ou de efeito físico e Psi-Theta = fenômenos oriundos dos seres espirituais que Kardec chamou de mediunidade.
Mas como dizia Kardec: “De nada adianta conhecermos o outro mundo, que nos cerca, se não
tomarmos consciência de que somos sujeitos à evolução permanente. A vida não acaba com a morte e o Espiritismo nos dá este conhecimento que é o da verdade”.
Como vemos, a Parapsicologia não explica o Espiritismo como querem alguns, ao contrário, é o Espiritismo que completa a Parapsicologia, como deduziu o grande Joseph Banks Rhine.

Iran Rego
*Médico cardiologista – espírita.
Membro da Academia Maçônica de letras

OBSTÁCULOS


Ao raiar do dia somos todos convidados ao aprendizado e ao conhecimento da vida.
Cabe a cada um abraçar as oportunidades positivas para seguir adiante buscando o aprimoramento das virtudes e a correção dos erros.
Em nossa caminhada haverá muitos obstáculos, mas bem sabemos que somos capazes de superá-los através da nossa coragem, perseverança e principalmente da fé. Não podemos nos abater, mas sim nos encorajarmos na busca do que queremos de melhor para nós.
Sejamos firmes nos propósitos que queremos melhorar em nós e com certeza seremos todos vitoriosos em nossa trajetória, basta buscarmos sempre a prece como nossa melhor conselheira dos momentos difíceis, desta forma o fortalecimento chega e assim temos condições de continuar firmes e fortes .


do site Gotas de Paz

MENSAGEM DO DIA


Quando evitamos o sofrimento legítimo que resulta do enfrentamento dos problemas, nós também evitamos o crescimento interior que todo sofrimento traz à alma. 

Scoth Peck

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

PENSAMENTO DE HOJE


A primeira necessidade é a descoberta interior para saber o que se é verdadeiramente atrás das aparências sociais, morais, culturais, raciais, hereditárias. No centro há um ser livre, vasto, conhecedor, que se oferece à nossa descoberta e que deve tornar-se o centro agente de nosso ser, de nossa vida. 

Mirra Alfassa

terça-feira, 17 de outubro de 2017

"QUEM É JESUS PARA OS ESPÍRITAS."


Pouca gente sabe o que realmente é Jesus para os espíritas, sem contar os que fantasiam em torno de conjecturas vazias, por total desconhecimento. Personalidade mais comentada de todos os tempos, Jesus, por sua importância, ensejou a fragmentação da História em duas partes — antes da sua vinda e depois de sua passagem pela Terra.
Os espíritas não costumam cultuar imagens, muito menos a imagem de Jesus na cruz, abatido, vitimado pela incompreensão dos homens. Para eles, o Jesus real é “um ser iluminado, belo, forte, irradiando amor de uma forma ampla e total, como um verdadeiro sol cujos raios se direcionam para todos os lados e atingem a todas as pessoas do Universo. Médico, psicólogo, pedagogo, consolador, redentor, Jesus nunca usou de uma classificação dicotômica da humanidade — os condenados a um futuro terrível num inferno eterno, em função de seus erros, e os eleitos, os únicos a se salvar, em função da sua fidelidade. Assim, os espíritas veem esse tal de inferno apenas como um estado íntimo da consciência. Nada de demônios, nada de Pai vingativo. Esse conceito encerrou-se com Moisés — teve valor somente a seu tempo, quando a humanidade exigia o tratamento do olho-por-olho-dente-por-dente. A partir de Jesus, Deus passa a ser infinitamente bom e misericordioso.
Quando se diz que Jesus é o caminho, o espírita entende que uma estrada leva sempre a algum lugar. Ao classificar-se o mestre como caminho, afirma Emmanuel, afasta-se a possibilidade de uma estrada sem proveito. Aceitando a receita de Jesus, caminhar em sua companhia “é aprender sempre e servir diariamente, com renovação incessante para o bem infinito, porque o trabalho construtivo, em todos os momentos da vida, é a jornada sublime da alma, no rumo do conhecimento e da virtude, da experiência e da elevação”. Zonas com estradas desativadas, sem serviço, sem transporte, refletem economia paralítica. Assim arremata Emmanuel:1 “Cristãos que não aproveitam o caminho do Senhor para alcançar a legítima prosperidade espiritual são criaturas voluntariamente condenadas à estagnação”. Nada de inferno. E toda estagnação é temporária, até que o espírito desperte. Disso tem certeza o espírita. Esse despertar, comumente, acontece sobre o aguilhão da dor, em função da sábia lei divina de causa e efeito.
O destino de todos nós? A perfeição. Todos, sem exceção verão a Deus, alcançarão os patamares maiores da evolução. E mais, independentemente da religião que abraçaram. O que manda é a prática indiscriminada do Amor, com maiúscula, e não a escolha da prática religiosa, rotulada.
Jesus, para o espírita, não é Deus. O mestre chamou a si mesmo de Filho do Homem, filho de Deus. Sempre se referia: “meu Pai que está no céu. “A distância, em medidas de perfeição, que existe entre Jesus – pela sua superioridade moral – e nós mesmos é que nos faz imaginá-lo como Deus... Compreensível que para nós ele seja quase isso, um Deus.
A prática do perdão, mecanismo expresso no Pai-Nosso como condição para o perdão do Pai, e a máxima “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”, são a receita maior para rumarmos sem delongas na direção do Criador.
A regra áurea do “fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem” não foi trazida por Jesus. Ela datava de muitos séculos passados. Buda a citava, os gregos, os persas, os chineses, os egípcios, os hebreus, até os romanos: “A lei gravada nos corações humanos é amar os membros da sociedade como a si mesmo”.2 A grande diferença é que Jesus vivenciou essa regra áurea, “em plenitude de trabalho, abnegação e amor”.
A maioria dos espíritas concorda com Gandhi quando ele diz que a mais pura essência do cristianismo está no Sermão da Montanha (é lá que Jesus nos ensina a orar, por meio do Pai-Nosso). Se todo acervo da sabedoria humana sobre a Terra fosse destruído, só restando o Sermão da Montanha, “as gerações futuras teriam nele toda a beleza e sabedoria necessárias para a vida”, disse o grande estadista hindu.
Aliás, o espírita entende também que Gandhi, Buda, Lutero, Chico Xavier, Tereza de Ávila, Madre Tereza de Calcutá, Irmã Dulce, Santo Agostinho, os profetas que constam das escrituras sagradas e tantos outros, todos, sem exceção, foram colaboradores do Cristo, na sua estratégia de estabelecer o Reino de Deus na Terra. Todos foram, em maior ou menor grau, “inspirados pelos planos mais altos da vida”. Tudo faz parte de um trabalho árduo e constante para a instalação definitiva do amor entre os homens. Afinal, Jesus é o diretor espiritual desse planeta e espera a colaboração de todos para a redenção da Humanidade. Nisso, até nós, na nossa pequenez, estamos incluídos. Operários do Cristo, nas mínimas coisas.

Ref.: 1-          “O caminho”, em Vinha de luz, psicografado por Francisco Xavier, FEB.
2-        “A regra áurea”, Caminho, verdade e vida, idem.


 Escrito por Ary Marques Brasil   

MENSAGEM DO DIA


Faz de tua alma um espelho para ver nele o esplendor do Amigo. Ele é teu rei, e Seu castelo de glória brilha pelo sol de beleza que nele habita. Esse castelo é teu coração; procura nele, e verás, manifesto em cada átomo, o Seu trono. 

Farid ud-Din Attar

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

COLHEITA



Tudo que é semeado com amor pode prosperar, quando depositamos em nossas ações a bondade, a paciência, a tolerância e a compreensão mais adiante colheremos a paz e o amor. Mas quando semeamos a discórdia , a maledicência, a raiva e a mágoa com certeza colheremos amargura e desilusão. Devemos estar atentos ao que estamos plantando para mais adiante não cobrarmos do Alto algo que não somos merecedores de receber.
Façamos uma semeadura onde nossa colheita possa ser farta de bons sentimentos e acontecimentos em nossa jornada.

REFLEXÃO DE HOJE


Se não temos experiência direta com nós mesmos, ainda podemos esperar que a outra pessoa mude. Mas essa expectativa é irrealista porque não estamos fazendo nada para ajudar essa pessoa a se transformar. Pelo contrário, nós sobrecarregamos essa pessoa adicionalmente por causa do nosso discurso áspero ou comportamento impaciente. 

O insight do Interser recorda-nos que cada um de nós contem o cosmos inteiro, e o cosmos dentro de cada um de nós não é absolutamente separado daquele de qualquer outro. Se queremos mudar, em primeiro lugar precisamos direcionar essa energia para dentro. Devemos ter uma dimensão espiritual em nossas vidas com práticas diárias concretas para nos ajudar a cultivar compreensão e amor em nós mesmos, para que possamos verdadeiramente viver em harmonia com a nossa família e comunidade e apoiá-los em seus empreendimentos. 

Sister Dang Nghiem

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

“REGIÕES UMBRALINAS”


Realmente, existem regiões espirituais próximas à Crosta cuja paisagem é desoladora, regiões onde prevalece a sombra , como projeção mental do remorsos dos irmãos desencarnados que habitam transitoriamente... São regiões de penumbra, onde prevalece o sofrimento e onde  os espíritos libertos do corpo vagueiam , á procura de si mesmos... . Regiões inóspitas, arenosas por vezes, pantanosas outras tantas, onde os companheiros desencarnados expiam as suas faltas entre lamentações e recriminações que não cessam...

Homens e mulheres que deixaram o corpo, desnorteados, praticaram crimes, fizeram sofrei, foram injustos, espezinharam, comprometeram a felicidade do semelhante... Homens e mulheres fora do corpo que se recusam a subir, porque o arrependimento lhes pesa de maneira excessiva e os prende à retaguarda, como se ansiassem por voltar atrás para reparar os males praticados...
Espíritos que se tornam prisioneiros de mentes poderosas porém desprovidas de qualquer impulso generoso...Espíritos intelectualizados que caíram sucessivas vezes por suas artimanhas inconfessáveis e que lutam nas paragens espirituais para se manterem como estão; fogem à reencarnação, não desejam esclarecimento, porquanto o esclarecimento os colocaria diante de si mesmos para indispensável reparação; inutilmente lutam contra os Desígnios Superiores e permanecem em situação estacionária por longo tempo.
Muitos desses irmãos, aos quais nos referimos, se arrastam nas regiões de sofrimento que interpenetram a Terra, não claro, por dezenas de anos, ocultam-se na noite ou fogem à claridade solar, não conseguindo fitar nada que lhes lembre uma réstia de luz; não ousam pronunciar o nome de Deus, balbuciam palavras de desespero entrecortadas de blasfêmias e gritos de revolta, erguem os punhos, socando o ar, como se estivessem desafiando a Divindade, cospem para o alto, como se ansiassem, de novo, por cuspir na face imaculada do Senhor, qual outrora os homens fizeram antes de sentenciá-Lo à morte ignominiosa na cruz. São regiões extensas, nebulosas, regiões e muitos relâmpagos e trovoes mas nenhuma chuva, solo estéril por vezes, charcos habituados por aves de rapina e outros espíritos, praticamente sepultados vivos em lama até o pescoço, como se estivessem se debatendo numa luta infindável, para não serem tragados de vez...
Evidentemente, a região espiritual que descrevemos não é uma criação de Deus, que apenas criou o belo, de Deus, que tão somente disse;” Faça-se a luz, e a luz se fez....”Essas regiões purgatoriais, que começam aqui mesmo , nas vizinhanças do solo terrestre, são criadas pelas mentes enfermiças no corpo e, principalmente, fora do corpo, que se agrupam por afinidade, que naturalmente as atrai pelo remorso, pela revolta, pela cólera, pelos sentimentos subalternos e paixões exacerbadas.
Não acreditamos, todavia, que esses nossos irmãos estejam assim relegados à própria sorte. Grupos missionários, falanges iluminadas periodicamente descem às entranhas das obscuras dimensões espirituais, resgatando espíritos perturbados, assim como habitualmente os nossos companheiros visitam as favelas, os bairros da periferia, os casebres nos morros, aqueles que habitam palhoças ou verdadeiras ruínas; os devotados Benfeitores da Vida Maior organizam excursões socorristas e adentram as trevas com o Evangelho nas mãos, à semelhança de sublime archote desfazendo a escuridão...
Oremos por todos eles e por todos nós, que, quase sempre, na intimidade de nós mesmos, nos situamos, ainda mourejando no corpo de carne, em regiões espirituais idênticas, pela invigilância, pelo sentimento de orgulho e de ambição, pelos desequilíbrios que albergamos, pelas nossas aflições e pensamentos contra os nossos irmãos em Humanidade
Livro : Falando a Mediunidade
Carlos A. Baccelli-Odilon Fernandes

Fonte: Blog Alvorada do Reino

A PACIÊNCIA NOS ELEVA


Paciência para consigo e para com o próximo, eis a tarefa difícil, mas não impossível e tão importante para nós.

Diariamente somos convidados a fazermos nossa reforma íntima para corrigir nossos defeitos, a fim de sermos melhores e a paciência é um exercício diário em todos os momentos.
Quando falta a paciência nos falta tudo,  inclusive nosso equilíbrio emocional, porque desperdiçamos energias demais pela falta da paciência gerando em nós a raiva, angústia e muitos outros sentimentos menores que nos fazem muito mal. Nos transformamos em criaturas imediatistas e chatas porque queremos tudo ao nosso tempo e não ao tempo do outro.
Lembremos que todos nós estamos nessa grande escola e exercitar virtudes é a nossa meta porque só assim podemos nos livrar dos vícios que carregamos ao longo de nossa existência.
Pensemos Nisso!

do site Gotas de Paz

PENSAMENTO DE HOJE


Pouco importa o julgamento dos outros. Os seres humanos são tão contraditórios que é impossível atender às suas demandas para satisfazê-los. Tenha em mente simplesmente ser autêntico e verdadeiro. 

Dalai Lama

terça-feira, 10 de outubro de 2017

“AS ANTIPATIAS FAMILIARES NA VISÃO ESPÍRITA. PORQUE NÃO GOSTAMOS DE ALGUMAS PESSOAS DA NOSSA FAMÍLIA? ”


É muito comum ouvirmos pessoas questionando acerca do por que reencarnamos com pessoas da família pelas quais alimentamos profunda e inexplicável antipatia. Perfeita explicação nos traz o Evangelho Segundo o Espiritismo, em seu capítulo XIV, item 8, denominado “A parentela corporal e a parentela espiritual”: “Os laços de sangue não criam necessariamente laços entre os Espíritos. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porque o Espírito existia antes da formação do corpo; não é o pai que cria o Espírito de seu filho; nada mais faz que lhe fornecer um invólucro corporal, mas deve ajuda-lo em seu desenvolvimento intelectual e moral, para fazê-lo progredir.
Os Espíritos que se encarnam numa mesma família, especialmente entre parentes próximos, na maioria das vezes são Espíritos simpáticos, unidos por relações anteriores que se expressam por sua afeição durante a vida terrena; mas pode acontecer também que esses Espíritos sejam completamente estranhos uns aos outros, divididos por antipatias igualmente anteriores, que se traduzem do mesmo modo por seu antagonismo na terra para lhes servir de provação. Os verdadeiros laços de família não são, portanto, aqueles da consanguinidade, mas aqueles da simpatia e da comunhão de ideias que unem os Espíritos antes, durante e depois de sua encarnação. Disso se segue que dois seres nascidos de pais diferentes podem ser mais irmãos pelo Espírito do que se o fossem pelo sangue; podem atrair-se, buscar-se, sentir prazer quando estão juntos, ao passo que dois irmãos consanguíneos podem repelir-se, como se pode ver todos os dias: problema moral que só o espiritismo podia resolver pela pluralidade das existências (cap. IV, nº 13).
Há, portanto, duas espécies de famílias: as famílias pelos laços espirituais e as família pelos laços corporais. As primeiras, duradouras, se fortalecem pela depuração e se perpetuam no mundo dos Espíritos através das diversas migrações da alma; as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente já na vida presente. Foi o que Jesus quis tornar compreensível, ao dizer a seus discípulos: Aqui estão minha mãe e meus irmãos, isto é, minha família pelos laços do Espírito, pois, todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus é meu irmão, minha irmã e minha mãe.
A hostilidade de seus irmãos está claramente expressa no relato de São Marcos, porque, diz ele, eles se propunham arrebata-lo, sob o pretexto de que havia perdido o espírito. Informado da chegada deles, conhecendo sua opinião a respeito dele, era natural que dissesse, referindo-se a seus discípulos, do ponto de vista espiritual: ‘Aqui estão meus verdadeiros irmãos’. Sua mãe estava com eles, assim mesmo ele generaliza o ensinamento, o que de modo algum implica que tenha pretendido declarar que sua mãe segundo o corpo nada era para ele como Espírito e que só tivesse para ela indiferença; sua conduta, em outras circunstancias, provou de modo suficiente o contrário”.
Podemos entender, pelo referido item, que os laços de sangue não criam laços entre os espíritos. Comumente, as famílias são compostas por espíritos simpáticos entre si, que se conhecem de vidas pretéritas; mas, pode acontecer de alguns espíritos dentro da família, ser-nos antipáticos, completos estranhos e advindos também de antipatias anteriores, o que serve como provação.
E em relação a essas provas, o Livro dos Espíritos, na questão 258 pergunta: “Quando no estado errante e antes de se reencarnar, o Espírito tem a consciência e a previsão das coisas que lhe sucederão durante a vida?”, ao que se aprende que “Ele próprio escolhe o gênero de provas que quer suportar e é nisso que consiste o seu livre-arbítrio”.
Sendo assim, fica explícito que grande parte daquilo que vivenciamos foi sim escolhido por nós, e nisso se inclui as pessoas que convivem diretamente conosco. O que acontece ao longo do caminho, vem do nosso livre-arbítrio. Se tivermos sempre em mente a transitoriedade da vida, com certeza as provas serão menos árduas, e conseguiremos vencer pelo menos uma parte delas. Lembrar-se sempre que a família verdadeira é aquela do espírito, que tenhamos a resignação diante daqueles que nos são menos queridos. Nesse sentido, explica ainda o Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo IV, item 18: “Os laços de família não são destruídos pela reencarnação, como pensam certas pessoas; ao contrário, são fortalecidos e estreitados: é o princípio oposto que os destrói.
Os Espíritos formam no espaço grupos ou famílias unidos pela afeição, pela simpatia e pela semelhança das inclinações; esses Espíritos, felizes por estarem juntos, se procuram mutuamente; a encarnação os separa apenas momentaneamente, pois, após seu retorno à vida errante, se reúnem como amigos que voltam de uma viagem. Muitas vezes até, uns seguem a outros na encarnação, onde estão reunidos numa mesma família ou num mesmo círculo, trabalhando juntos para se aperfeiçoamento mútuo. Se uns encarnam e outros não, nem por isso deixam de estar unidos pelo pensamento; aqueles que são livres velam por aqueles que estão em cativeiro; os mais adiantados procuram fazer progredir os retardatários. Depois de cada existência, deram um passo no caminho da perfeição; sempre menos presos à matéria, sua afeição é mais viva porquanto é mais depurada, não é mais perturbada pelo egoísmo nem pelas nuvens das paixões. Podem, portanto, percorrer assim um número ilimitado de existências corporais sem que sua afeição mútua seja atingida por nenhum baque.
Está claro que aqui se trata de afeição real, de alma, a única que sobrevive à destruição do corpo, pois os seres que neste mundo se unem somente pelos sentidos não têm nenhum motivo para se procurarem no mundo dos Espíritos. Somente as afeições espirituais são duradouras; as afeições carnais se extinguem com a causa que as fez surgir; ora, essa causa não existe mais no mundo dos Espíritos, enquanto a alma existe sempre. Quanto às pessoas unidas pelo único móvel do interesse, não são realmente nada uma para a outra: a morte as separa na terra e no céu”.
Lembremo-nos que o amor é sempre a resposta, não importa a pergunta! Sendo assim, vivamos conforme as palavras do Espírito Thereza de Brito nos ensina: “Ansiando por crescer, na convivência com os ideais enobrecidos dos Espíritos Luzeiros, aprenda a dialogar para solucionar problemas, conversando equilibradamente, para o bem geral; faça o possível para não cobrar afeição dos amores ou reclamar consideração que, talvez, você ainda não tenha feito, nem esteja fazendo nada por merecer. dedique-se a agradecer as coisas mínimas com que seja beneficiado em casa, e a ser gentil com os entes queridos e com os auxiliares domésticos, presenteando-os com a sua alegria natural, com a sua fraternidade, sem a hipocrisia que envenena a linfa da vida. Se é correto que no ambiente do lar você tem o território livre para que se mostre como é, para desenvolver-se, não se pode olvidar, entretanto, que não cabe aos outros suportar seus impulsos negativos ou sua desastrosa invigilância, por fazerem parte de sua equipe doméstica”.
Seja feliz ao invés de ter razão. Ame, muito e sempre.


Fonte: Blog Letra Espírita.

MENSAGEM DO DIA


Reprimir um dado processo só bloqueia suas manifestações superficiais, mas não resolve a causa de suas manifestações. Reprimir os sintomas de uma doença não significa curá-la.

Paulo e Lauro Raful

HOJE


Hoje, renuncio a todas as armas do ódio e agressão em meus pensamentos, palavras e atos.
Hoje, renuncio aos ressentimentos e mágoas que me levaram a atacar os outros e prejudicar-me.
Hoje, renuncio a todas as idéias de cinismo e julgamento, a todas as palavras destrutivas e a todos os atos de vingança e violência contra mim e contra os outros.
Hoje, limpo-me de todos os pensamentos e palavras de ataque, a fim de que eu possa dar os passos necessários para instalar a paz em meu coração e oferecê-la ao mundo.
Hoje, não me deixe Senhor esquecer que cada ato meu é importante para construir a paz no mundo.
Hoje, abro meu coração para enviar energia do amor a todos os líderes mundiais
Hoje, abro meu espírito para construir na criação de um mundo em que a agressão e a violência se transforme em solidariedade e compaixão.
Hoje, abro meus olhos para conscientizar-me de tudo o que posso fazer ou dizer, para promover a presença da paz.


do site Gotas de Paz

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

"O MOMENTO DA MORTE E DO DESENCARNE"


Muito comum, mesmo entre os espíritas, que se faça confusão entre os termos morte e desencarne, porém os termos possuem sentidos diferentes e a compreensão deles nos ajudará a esclarecer um assunto muito importante: o que acontece com o Espírito no momento da morte do corpo? Ela é dolorosa? É igual para todos? É a todas essas perguntas que tentaremos esclarecer neste artigo.
Para ajudar a esclarecer esse assunto tão fascinante é preciso, antes de tudo, conhecermos o significado dos termos morte e desencarne para o Espiritismo.
A morte é o fim da vida do corpo físico, ocorre quando o corpo, natural ou forçadamente, não tem mais condições de se manter vivo.
O desencarne é o processo de desligamento do Espírito, e seu corpo espiritual ou perispírito, do corpo físico.
Ao reencarnar o Espírito se une ao corpo físico através de seu perispírito molécula a molécula, no desencarne esse processo é invertido e o Espírito se desligará do corpo também molécula a molécula. A esse respeito Kardec escreveu que “o fluido perispiritual só pouco a pouco se desprende de todos os órgãos, de sorte que a separação só é completa e absoluta quando não mais reste um átomo do perispírito ligado a uma molécula do corpo”1. É importante ressaltar o fato de que morte e desencarne acontecem, normalmente, em momentos distintos e é isso que veremos agora com mais detalhes.
Kardec generaliza os diferentes “tipos” de desencarne quanto ao momento em que se dão e consequentemente quanto à facilidade ou dificuldade do processo. Os exemplos devem ser entendidos como casos extremos e, portanto, existem muitas variações entre um tipo e outro. Essa generalização foi feita em quatro grandes grupos que são:
“Se no momento em que se extingue a vida orgânica o desprendimento do perispírito fosse completo, a alma nada sentiria absolutamente.
Se nesse momento a coesão dos dois elementos (os dois corpos espiritual e carnal) estiver no auge de sua força, produz-se uma espécie de ruptura que reage dolorosamente sobre a alma.
Se a coesão for fraca, a separação torna-se fácil e opera-se sem abalo.
Se após a cessação completa da vida orgânica existirem ainda numerosos pontos de contacto entre o corpo e o perispírito, a alma poderá ressentir-se dos efeitos da decomposição do corpo, até que o laço inteiramente se desfaça”2.
Após esses oportunos esclarecimentos sobre os diferentes processos de desencarne, Kardec finaliza dizendo que “daí resulta que o sofrimento, que acompanha a morte, está subordinado à força adesiva que une o corpo ao perispírito; que tudo o que puder atenuar essa força, e acelerar a rapidez do desprendimento, torna a passagem menos penosa; e, finalmente, que, se o desprendimento se operar sem dificuldade, a alma deixará de experimentar qualquer sentimento desagradável”3.
Mas então o que gera essa força “adesiva” que torna o corpo espiritual mais ligado ao corpo carnal e, por consequência, mais difícil e penoso o seu desligamento para o Espírito? Kardec mais uma vez vem nos esclarecer quando responde que “o estado moral da alma é a causa principal que influi sobre a maior ou menor facilidade do desligamento. A afinidade entre o corpo e o perispírito está em razão do apego do Espírito à matéria; está em seu máximo no homem cujas preocupações todas se concentram na vida e nos gozos materiais; ela é quase nula naquele cuja alma depurada está identificada por antecipação com a vida espiritual. Uma vez que a lentidão e a dificuldade da separação estão em razão do grau de depuração e de desmaterialização da alma, depende de cada um tornar essa passagem mais ou menos fácil ou penosa, agradável ou dolorosa”4.
Fica agora fácil entender que os fenômenos da morte e do desligamento do Espírito em relação ao corpo (desencarne) ocorrem, de modo geral, em momentos distintos podendo ser essa diferença de tempo em horas, dias, meses e mesmo anos. O que também nos chama a atenção é o fato de depender de cada um tornar esse momento mais fácil e agradável ou mais penoso e doloroso. A vida plenamente material onde se busca tudo que a matéria oferece como gozos e posses é aquela que dará mais dificuldade ao Espírito na hora do desencarne. Aquele que vive conforme a moral do Evangelho, dando importância relativa às coisas materiais, reconhecendo seu valor, mas não vivendo em função disso e principalmente reconhecendo e aceitando os Desígnios Divinos acima de qualquer revolta, esse sim terá uma passagem tranquila e fácil quando chegar sua hora.
Existe um outro fenômeno que possui relação direta com a moral do indivíduo e que começa a acontecer imediatamente após a morte do corpo, é o fenômeno da perturbação espiritual. Como nos esclarece Kardec a esse respeito “[...] nesse momento a alma sente um entorpecimento que paralisa, momentaneamente, as suas faculdades e neutraliza, pelo menos em parte, as sensações; está, por assim dizer, cataleptizada, de sorte que quase nunca testemunha consciente o último suspiro. [...] A perturbação pode, pois, ser considerada como estado normal no instante da morte; a sua duração é indeterminada; varia de algumas horas a alguns anos. À medida que ela se dissipa, a alma está na situação do homem que sai de um sono profundo; as ideias estão confusas, vagas e incertas; vê-se como através de um nevoeiro; pouco a pouco a visão se ilumina, a memória retorna e ela se reconhece. Mas esse despertar é bem diferente, segundo os indivíduos; nuns é calmo e proporciona uma sensação deliciosa; noutros, é cheio de terror e ansiedade, e produz o efeito de um horrível pesadelo ”5.
Assim fica mais uma vez clara a importância de uma vida reta, onde impere a moral do Evangelho de Jesus e onde cada um se esforce para ser cada dia melhor que no dia anterior. Para fechar a questão trago mais uma citação de Kardec onde ele fecha o assunto com muita clareza e objetividade:
“O último alento quase nunca é doloroso, uma vez que ordinariamente ocorre em momento de inconsciência, mas a alma sofre antes dele a desagregação da matéria, nos estertores da agonia, e, depois, as angústias da perturbação. Demo-nos pressa em afirmar que esse estado não é geral, porquanto a intensidade e duração do sofrimento estão na razão direta da afinidade existente entre corpo e perispírito. Assim, quanto maior for essa afinidade, tanto mais penosos e prolongados serão os esforços da alma para desprender-se. Há pessoas nas quais a coesão é tão fraca que o desprendimento se opera por si mesmo, como que naturalmente; é como se um fruto maduro se desprendesse do seu caule, e é o caso das mortes calmas, de pacífico despertar”6.


Fonte:  Espiritismo - 3ª Revelação
Referências: 
1.                  Kardec, Allan. O céu e o inferno. 2ª parte, cap. 1, item 4.
2.                  Idem. Ibidem, item 5.
3.                  Idem. Ibidem.
4.                  Idem. Ibidem, item 8.
5.                  Idem. Ibidem, item 6.
6.                  Idem. Ibidem, item 7.


“9 SINAIS QUE A SUA MEDIUNIDADE É EVOLUÍDA. ”


Hippolyte Léon Denizard Rivail, também conhecido como Allan Kardec, foi um famoso professor, tradutor, pedagogo francês, responsável pela Codificação da Doutrina Espírita, se dedicando profundamente aos estudos do plano espiritual, mediunidade e sensitividade. De acordo com Kardec, todos os seres humanos já nascem com uma determinada pré-disposição para a vidência e mediunidade, o que quer dizer que todos nós temos a oportunidade de desenvolver essas habilidades. Por vezes, essa influência é aparente em formas de “insights”, também conhecidos como intuição.
É muito importante lembrarmos que não temos o intuito de criticar, julgar, muito menos impor verdades absolutas. Nosso objetivo é único e exclusivo de informar e entreter. Por isso, o conteúdo dessa matéria se refere apenas àqueles que se identificarem. Caso você não seja uma dessas pessoas, não há necessidade para críticas, nem julgamentos. Assim como você acredita (ou não) em algo e deve ser respeitado, aqueles que acreditam em algo diferente de você também merecem.
E, foi pensando nas pessoas que acreditam e se interessam pelo assunto é que a redação da Fatos Desconhecidos selecionou uma listinha com 9 sinais que a sua mediunidade é evoluída. Nessa matéria nos referimos apenas à mediunidade sensitiva, que se trata de uma sensibilidade maior ao plano espiritual. Para Allan Kardec “todo indivíduo que sente num grau maior ou menor à presença ou influência do plano espiritual é possuidor de mediunidade sensitiva”. Se você tem alguma dúvida sobre ser ou não um médium sensitivo, confira os itens abaixo:
1 – Você sente ou já sentiu calafrios e arrepios de repente?
Os calafrios e arrepios são uma forma que o organismo possui para, tentar, esquentar rapidamente o organismo quando sentimos um frio repentino. Como se fosse o início de uma gripe. Caso você sinta calafrios e arrepios com uma certa frequência, isso pode indicar maior sensibilidade ao mundo espiritual.
2 – Você já teve a sensação de ouvir os pensamentos de outras pessoas?
Pode parecer uma sensação estranha e, por vezes, não escutamos realmente o pensamento das pessoas, apenas entramos em conexão com ela de uma maneira muito intensa, fazendo com que consigamos entender rapidamente sua linguagem corporal, “adivinhando” o a pessoa pensava. Agora, pessoas com a sensitividade bastante aguçada, podem, realmente, chegar a “escutar pensamentos.”
3 – Você tem a capacidade de captar os sentimentos das pessoas ao seu redor?
Assim como o item acima, conseguir sentir o que o outro está sentindo requer empatia. Uma pessoa empática é, naturalmente, uma pessoa com sensibilidade maior ao plano espiritual. Como consequência de um ser mais evoluído.
4 – Você sente, ou já sentiu, como se estivesse sendo observado mesmo quando não vê absolutamente nada?
Existem as mais variadas formas de mediunidade. Uma delas é ver, outra ouvir, outra emprestar seu corpo físico para que o espírito possa se comunicar, através de escrita e fala, por exemplo. Ter a sensação de que está sempre acompanhado pode ser mais do que apenas uma sensação.
5 – Você costuma acordar com o corpo pesado?
Acordar com o com o corpo pesado pode ser porque seu organismo está passando alguma dificuldade fisiológica ou, talvez, porque você está com uma aura carregada. Existe um campo eletromagnético que circunda todos os seres vivos. A aura é o campo magnético que está ao redor das pessoas. Essa aura pode ficar carregada de energias positivas ou negativas, depende de nossas ações e cuidados. Trata-se de um campo individual, se relaciona diretamente com a moral da pessoa.
6 – Você já teve ou costuma ter sonhos reais e verossímeis demais?
Nem sempre nossos sonhos querem dizer alguma coisa. Podem ser apenas uma válvula de escape para nosso cérebro. No caso da mediunidade, esses sonhos são um tanto constantes e aparentam ser o mais reais possíveis.
7 – Você sofre e toma as dores ao ver os animais sofrendo?
Assim como no item três, as pessoas empáticas possuem a capacidade de sentirem aquilo que o outro sente. E, não necessariamente, apenas com os humanos, com os animais também. Os animais são seres que estão em nossas vidas para nos ajudarem a sermos melhores e evoluirmos cada vez mais.
8 – Você tem mal-estar quando a lugares lotados?
No item cinco falamos sobre aura e energia. Pois bem, quando estamos em lugares lotados, as pessoas sensitivas são mais suscetíveis a receber essas energias, sejam elas positivas ou negativas. Normalmente, à noite, em festas, bares e afins, as energias tendem a ser negativas, o que não quer dizer ser uma regra.
9 – Você sente nervosismo ou tremedeiras do nada e sem motivos aparentes?
O nervosismo e a tremedeira podem se referir à sensibilidade de energias. Sejam elas vindas de indivíduos encarnados como de desencarnados. Por isso, é muito importante estar sempre em dia com as orações, pensamentos positivos e coração limpo. Dessa forma essas forças não serão capazes de lhe fazer mal.
Para uma resposta verdadeira sobre sua condição é necessário que você responda a todas essas perguntas com a maior sinceridade possível. Caso a maioria das resposta tenha sido positiva, saiba que há grandes possibilidades de você ser um médium sensitivo.
De uma forma geral, essas perguntas dizem bastante sobre a relação que você possui com o plano espiritual e à sensibilidade com os espíritos à sua volta. Além de poder confirmar se você tem uma mediunidade aguçada ou não. Caso tenha e esteja interessado em desenvolver suas habilidades, é aconselhável que busque um centro espírita.

Fonte- Espírit book=ana maria teodoro massuci

PENSAMENTO DE HOJE


Quando a palavra e a mente se unem numa oração sincera, essa oração é atendida. Valor nenhum têm as preces do homem que diz com os lábios: "Tudo isto é teu, Senhor!"- e ao mesmo tempo pensa em seu coração que tudo lhe pertence. Não sejais traidores de vossos pensamentos!... Rezai com um coração sincero e simples, e vossas preces serão ouvidas.

Ramakrishna

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

REFLEXÃO DO DIA




A raiva, essa emoção terrível, é praticamente omnipresente. Uma de suas principais características é a capacidade de esconder-se sob diversos aspectos. Por isso, vamos fazer aqui uma espécie de tomografia da raiva: se você vir uma pessoa ácida, amarga, áspera, cruel, hostil, maledicente, rude, insolente e muito crítica, pode estar certo de que ela abriga em si muita raiva.

Paulo e Lauro Raful

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

"O MOMENTO DA MORTE E DO DESENCARNE"


Muito comum, mesmo entre os espíritas, que se faça confusão entre os termos morte e desencarne, porém os termos possuem sentidos diferentes e a compreensão deles nos ajudará a esclarecer um assunto muito importante: o que acontece com o Espírito no momento da morte do corpo? Ela é dolorosa? É igual para todos? É a todas essas perguntas que tentaremos esclarecer neste artigo.

Para ajudar a esclarecer esse assunto tão fascinante é preciso, antes de tudo, conhecermos o significado dos termos morte e desencarne para o Espiritismo.
A morte é o fim da vida do corpo físico, ocorre quando o corpo, natural ou forçadamente, não tem mais condições de se manter vivo.
O desencarne é o processo de desligamento do Espírito, e seu corpo espiritual ou perispírito, do corpo físico.
Ao reencarnar o Espírito se une ao corpo físico através de seu perispírito molécula a molécula, no desencarne esse processo é invertido e o Espírito se desligará do corpo também molécula a molécula. A esse respeito Kardec escreveu que “o fluido perispiritual só pouco a pouco se desprende de todos os órgãos, de sorte que a separação só é completa e absoluta quando não mais reste um átomo do perispírito ligado a uma molécula do corpo”1. É importante ressaltar o fato de que morte e desencarne acontecem, normalmente, em momentos distintos e é isso que veremos agora com mais detalhes.
Kardec generaliza os diferentes “tipos” de desencarne quanto ao momento em que se dão e consequentemente quanto à facilidade ou dificuldade do processo. Os exemplos devem ser entendidos como casos extremos e, portanto, existem muitas variações entre um tipo e outro. Essa generalização foi feita em quatro grandes grupos que são:
“Se no momento em que se extingue a vida orgânica o desprendimento do perispírito fosse completo, a alma nada sentiria absolutamente.
Se nesse momento a coesão dos dois elementos (os dois corpos espiritual e carnal) estiver no auge de sua força, produz-se uma espécie de ruptura que reage dolorosamente sobre a alma.
Se a coesão for fraca, a separação torna-se fácil e opera-se sem abalo.
Se após a cessação completa da vida orgânica existirem ainda numerosos pontos de contacto entre o corpo e o perispírito, a alma poderá ressentir-se dos efeitos da decomposição do corpo, até que o laço inteiramente se desfaça”2.
Após esses oportunos esclarecimentos sobre os diferentes processos de desencarne, Kardec finaliza dizendo que “daí resulta que o sofrimento, que acompanha a morte, está subordinado à força adesiva que une o corpo ao perispírito; que tudo o que puder atenuar essa força, e acelerar a rapidez do desprendimento, torna a passagem menos penosa; e, finalmente, que, se o desprendimento se operar sem dificuldade, a alma deixará de experimentar qualquer sentimento desagradável”3.
Mas então o que gera essa força “adesiva” que torna o corpo espiritual mais ligado ao corpo carnal e, por consequência, mais difícil e penoso o seu desligamento para o Espírito? Kardec mais uma vez vem nos esclarecer quando responde que “o estado moral da alma é a causa principal que influi sobre a maior ou menor facilidade do desligamento. A afinidade entre o corpo e o perispírito está em razão do apego do Espírito à matéria; está em seu máximo no homem cujas preocupações todas se concentram na vida e nos gozos materiais; ela é quase nula naquele cuja alma depurada está identificada por antecipação com a vida espiritual. Uma vez que a lentidão e a dificuldade da separação estão em razão do grau de depuração e de desmaterialização da alma, depende de cada um tornar essa passagem mais ou menos fácil ou penosa, agradável ou dolorosa”4.
Fica agora fácil entender que os fenômenos da morte e do desligamento do Espírito em relação ao corpo (desencarne) ocorrem, de modo geral, em momentos distintos podendo ser essa diferença de tempo em horas, dias, meses e mesmo anos. O que também nos chama a atenção é o fato de depender de cada um tornar esse momento mais fácil e agradável ou mais penoso e doloroso. A vida plenamente material onde se busca tudo que a matéria oferece como gozos e posses é aquela que dará mais dificuldade ao Espírito na hora do desencarne. Aquele que vive conforme a moral do Evangelho, dando importância relativa às coisas materiais, reconhecendo seu valor, mas não vivendo em função disso e principalmente reconhecendo e aceitando os Desígnios Divinos acima de qualquer revolta, esse sim terá uma passagem tranquila e fácil quando chegar sua hora.
Existe um outro fenômeno que possui relação direta com a moral do indivíduo e que começa a acontecer imediatamente após a morte do corpo, é o fenômeno da perturbação espiritual. Como nos esclarece Kardec a esse respeito “[...] nesse momento a alma sente um entorpecimento que paralisa, momentaneamente, as suas faculdades e neutraliza, pelo menos em parte, as sensações; está, por assim dizer, cataleptizada, de sorte que quase nunca testemunha consciente o último suspiro. [...] A perturbação pode, pois, ser considerada como estado normal no instante da morte; a sua duração é indeterminada; varia de algumas horas a alguns anos. À medida que ela se dissipa, a alma está na situação do homem que sai de um sono profundo; as ideias estão confusas, vagas e incertas; vê-se como através de um nevoeiro; pouco a pouco a visão se ilumina, a memória retorna e ela se reconhece. Mas esse despertar é bem diferente, segundo os indivíduos; nuns é calmo e proporciona uma sensação deliciosa; noutros, é cheio de terror e ansiedade, e produz o efeito de um horrível pesadelo ”5.
Assim fica mais uma vez clara a importância de uma vida reta, onde impere a moral do Evangelho de Jesus e onde cada um se esforce para ser cada dia melhor que no dia anterior. Para fechar a questão trago mais uma citação de Kardec onde ele fecha o assunto com muita clareza e objetividade:
“O último alento quase nunca é doloroso, uma vez que ordinariamente ocorre em momento de inconsciência, mas a alma sofre antes dele a desagregação da matéria, nos estertores da agonia, e, depois, as angústias da perturbação. Demo-nos pressa em afirmar que esse estado não é geral, porquanto a intensidade e duração do sofrimento estão na razão direta da afinidade existente entre corpo e perispírito. Assim, quanto maior for essa afinidade, tanto mais penosos e prolongados serão os esforços da alma para desprender-se. Há pessoas nas quais a coesão é tão fraca que o desprendimento se opera por si mesmo, como que naturalmente; é como se um fruto maduro se desprendesse do seu caule, e é o caso das mortes calmas, de pacífico despertar”6.


Fonte:  Espiritismo - 3ª Revelação
Referências: 
1.                  Kardec, Allan. O céu e o inferno. 2ª parte, cap. 1, item 4.
2.                  Idem. Ibidem, item 5.
3.                  Idem. Ibidem.
4.                  Idem. Ibidem, item 8.
5.                  Idem. Ibidem, item 6.
6.                  Idem. Ibidem, item 7.

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO