BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

CARTA A JESUS


Meu Mestre e Senhor Jesus.

Louvado seja o teu santo Espírito!
Nos momentos penosos da minha vida tenho-me apegado contigo e nunca deixei de merecer a Tua misericórdia.
Nos momentos de alegria e abundância da minha vida, nunca deixei de te render graças e cantar louvores ao Teu incomparável Espírito.
Ajuda-me, Senhor, nas minhas deficiências, preenche as minhas falhas, enche os meus claros com o Teu beneplácito e não permitas que pelos meus defeitos seja a Tua Doutrina escandalizada e a Tua palavra maculada.
Sou Teu discípulo e te amo como o cão fiel ama ao seu dono. Sou criança ignorante. Tem compaixão de mim!
Abençoa a todos os Espíritos, meus irmãos, que me sustentam e dá-lhes forças para que operem comigo o Teu amor.
Louvado seja Deus, o nosso Pai Celestial a quem conheço, Senhor, por Teu intermédio e a quem amo e adoro, se guardo o Teu preceito.


Obra: "Preces Espíritas" de Cairbar Schutel

“REVELAÇÕES DE CHICO XAVIER SOBRE O PAPEL DO BRASIL NA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA. ”

Hoje falaremos das revelações que nos foram feitas pelo médium, conforme a entrevista que concedeu para a Folha Espírita, em 27 de dezembro de 1992 .

Marjorie Aun, entrevistou a Médium Marlene Nobre da Folha Espírita para o programa Portal de Luz da Tv Aberta,São Paulo, a entrevista foi ao ar em junho de 2011.
Marjorie: Vimos nas entrevista do nosso amigo Geraldinho Lemos o que Chico Xavier falou sobre a grande transição e a missão do Brasil. A sra. entrevistou  mais alguém a quem o médium tinha dito sobre isso?
Marlene: Sim, entrevistei Neusa Arantes, em Uberaba, no dia 6 de janeiro de 1994. Na ocasião, Neusa frequentava muito a casa do Chico, auxiliando-o a preparar caixas de mensagens que ele gostava de despachar pelo correio para centenas de amigos. Ela auxiliava também com massagens nos pés do médium que , na época estavam muito inchados. Era uma espécie de fisioterapia caseira. Enquanto trabalhavam , Chico falava, com ela, sobre o assunto do final dos tempos. Neusa lembrava-se de ele ter dito que a França e outros países iriam desaparecer. Quanto ao que iria acontecer com o Brasil me disse o seguinte:
” O Chico nos tem falado sobre as modificações que vão acontecer no planeta. Os espíritos o estão segurando ele aqui na Terra para ver se o que está previsto não venha a acontecer. Mas, para nós, ele tem contado que o Brasil vai ser dividido em diversas partes. Os estrangeiros vão entrar aqui, o Planeta vai sofrer modificações”
Contei, então, a ela o que o Chico havia me falado sobre o Brasil nas várias entrevistas que fiz com ele, entre as quais a de 1992. Desde essa época, eu sabia que os estrangeiros viriam pra cá, mas o caro amigo não me havia falado na divisão do nosso país em várias partes, talvez para não assustar os leitores do jornal. Neusa enfatizou então o que ele havia dito:
“Do Brasil vai ficar apenas a região Sudeste, que será composta de Minas, São Paulo, Goiás, Distrito Federal, e um pedaço do estado do Rio de Janeiro e do Paraná. As demais terras teremos de ceder aos estrangeiros”.
Marjorie: Então, para a senhora, ele já havia dito algo também sobre o papel do Brasil nesses momentos de renovação do planeta?
Marlene: Sim, e nas várias ocasiões em que o entrevistei para o nosso jornal Folha Espírita  e que as pessoas podem acompanhar melhor no livro Lições de Sabedoria,  que contém várias  entrevistas do médium ao longo de 23 anos.
Marjorie:Poderia nos dar mais detalhes?    
Marlene: Lembro-me especialmente de uma entrevista que ele nos deu no Centro Espírita Perseverança, no dia 27 de dezembro de 1992 . Foi uma reunião comovedora e inesquecível. Chico foi recebido com pétalas de rosa, cânticos, e muito carinho; psicografou mensagem de Cornélio Pires e respondeu as perguntas de Guiomar Albanesi, a querida dirigente da Perseverança, sobre a missão do Brasil.Com a permissão de Guiomar, fizemos  uma entrevista com ele para a Folha Espírita nesse dia.
Perguntei a ele, inicialmente o que muita gente indaga:
– Com tanta violência e corrupção em nosso país, os benfeitores acreditavam mesmo que o Brasil seja mesmo “o coração do evangelho”?
Chico nos respondeu que este era um assunto muito ventilado nas conversas com os companheiros de ideal. E ressaltou:
“O nosso Emmanuel é de opinião que dento do  mundo turbulento, com a incompreensão  comandando tantos corações, tantos milhões de pessoas, não pode ser motivo de dúvida para nós que o Brasil é o coração do mundo. Em comparação com outros povos e nações, nós estamos com nossa bandeira imaculada, inatingível por qualquer corrupção. Esta é a nossa claridade., porque nossas dificuldades tem sido sobrepujadas pela fraternidade com que nós nos amamos uns aos outros, pela facilidade com que aprendemos os ensinamentos dos nossos amigos espirituais, e vamos formando os núcleos de Paz e Amor que são as casas da nossa doutrina”. Percebi, então, que o compromisso do nosso país com a paz estava mantido.
Marjorie: Ele confirmou que somos o coração do mundo, mas e a “Pátria do Evangelho” já somos também?
Marlene: é aí, Marjorie, que está a questão. Ainda não somos.
Ele respondeu da seguinte forma:
“Quanto a conceituação de Pátria do Evangelho , nós somos compelidos a pensar no futuro, quando teremos, necessidade de exemplificarmos, até com o sacrifício, o Evangelho que nos foi confiado por Nosso Senhor Jesus Cristo. Sem nos esquecermos que, até ele foi atingido pelo sacrifício extremo para dar-nos essa alvorada maravilhosa, que é a doutrina de luz que nós abraçamos e que nos une  a todos num abraço só, num só coração. E, agora, antes das lutas que o porvir nos reserva, serão horas difíceis para nós.”
Marjorie: Quer dizer,então,que, segundo o Choco Xavier ainda teremos que provar que somos Pátria do Evangelho?
Marlene: é isso mesmo. Chico falou-nos do período de grande tribulação pelo qual passaremos. Acenou para um mundo de fraternidade verdadeira em relação à comunidade das nações, para o qual devemos nos preparar e ressaltou:
“Preparemo-nos para abraçar os filhos de outras terras que virão até o coração do nosso país, buscando a paz desejada, que para eles tem sido tão difícil de ser alcançada. Como filhos da Pátria do Evangelho, somos chamados a exemplificar, porque aprendemos e ensinamos o que constitui a razão de nossas vidas. Que Deus nos abençoe, para sermos dignos da proteção que tem sido dada.
A violência que existe no Brasil é a que existe no mundo, mas como povo nós temos sabido honrar a destinação a que fomos chamados. Como povo temos sofrido reviravoltas enormes, inconformações, faltas graves daqueles que foram chamados a dirigir nosso destino. Mas nossa mãos não se sujaram com sangue fraterno.
Quantos povos, por muito menos, acharam, na rebelião e na indisciplina, a porta falsa a que eles se atiraram para encontrar dificuldades muito maiores. Somos, sim, uma grandeza da Terra em que nós renascemos. Somos filhos do coração do mundo. E o senhor nos fortalecerá para sermos Pátria do Evangelho, quando soar a hora a que formos chamados para a grande renovação”
Marjorie: Chico Xavier falava que talvez tenhamos que abraçar os filhos de outras terras e dar testemunho de desprendimento e bondade, mas deixa espaço também para a primeira hipótese ,quer dizer, para a nossa melhor escolha, a de não termos guerra até 2019. Neste caso, poderemos realizar a transição em  paz e grande progresso. Como a sra. vê essa encruzilhada em que nós seres humanos nos encontramos?
Marlene: Estamos vivendo um momento difícil em nossa moradia planetária. Mas também mantenho minhas esperanças de que as nações mais evoluídas da Terra venham a escolher a melhor opção. E, dessa forma, possamos fazer a transição de forma mais amena e pacífica.
Termino esta entrevista com as palavras de Chico Xavier:
“Vamos todos vibrar pela paz. O nosso país é sempre pela conciliação ,pela compreensão humana. Vamos orar para que não tenhamos surpresas desagradáveis, para que não tenhamos conflitos, desajustes e desesperos inúteis, porque nós precisamos de união e de trabalho, cada vez mais intenso. O Brasil tem tudo para ser aquele país privilegiado. Desse modo, vamos pedir aos nossos amigos que cada um se faça um agente de conciliação, esperança e otimismo, na certeza de que estamos vivendo belos dias ,pesar dos conflitos que estamos atravessando Mas, desejar aos nossos legisladores ,estadistas,  amigos de paz e liberdade, Aqueles todos estejam unidos também conosco nos votos a Deus, para que o Brasil continue a ser este colosso de confraternização, de luz espiritual que dimana de todos os núcleos de luz. Vibremos para que permaneça a paz.
SABEMOS QUE DIANTE DO DIVINO MESTRE, A SEPARAÇÃO NÃO EXISTE, QUE TODOS ESTAMOS LIGADOS UNS AOS OUTROS,E QUE, POR ISSO MESMO, O PRÓXIMO MAIS PRÓXIMO É SEMPRE AQUELA PESSOA A QUEM DEVEMOS MAIS AMOR, MAIS TOLERÂNCIA,ÀS VEZES,QUEM SABE , MAIS PERDÃO, MAIS ENTENDIMENTO PARA QUE A FRATERNIDADE NÃO SEJA UM MITO EM NOSSO MUNDO , EM TODAS AS DIMENSÕES.”

Fonte : Folha Espírita

DEUS AMA A TODOS


Deus conhece o teu destino e comanda a tua vida.
O que te ocorre, mereces, a fim de conquistares novas marcas na escala da evolução.
Deus é Pai Misericordioso e vela por ti.
Jamais te consideres desprezado, resvalando pela rebeldia e blasfêmia.
O homem deve treinar coragem e resignação, sem cujos valores permanece criança espiritual.
Deus não tem preferências e nos ama a todos.


do site gotas de Paz

PENSAMENTO DE HOJE


No famoso templo de Delfos, na Grécia antiga, havia duas inscrições. A primeira delas, “Conhece-te a ti mesmo”, é bastante conhecida; mas a segunda, “Nada em excesso”, é praticamente ignorada.

Paulo e Lauro Raful

terça-feira, 29 de agosto de 2017

A PERDA DE UM ENTE QUERIDO



Quando falamos em perda de alguém que amamos, será que realmente perdemos?  Perda significa prejuízo, dano, detrimento. Cada um de nós veio programado para viver neste Planeta por determinado período. Viemos para viver o tempo necessário ao nosso aprendizado, crescimento e evolução. Agimos como se o correto fosse vivermos na Terra eternamente, quando a realidade é outra. A verdadeira morada é o mundo espiritual. Quando um espírito vem para a Terra para passar por determinadas lições é como se fosse um filho que vai estudar num lugar distante para aprender mais, crescer com as dificuldades e a distância. Mas um dia retorna ao lar, mais forte, mais independente, mais adulto. Por isso, quando chega a hora de alguém que amamos partir para a verdadeira morada, não devemos nos revoltar. A Terra é apenas uma escola. O que perece é o corpo e não o espírito. Aquele que retornou para a vida espiritual continua a viver e tudo o que sentirmos será captado por aquele espírito. E mais, chegará o dia em que todos se reencontrarão na Pátria espiritual. Pensemos que a partida de alguém que nos é caro é só uma separação temporária. Os sentimentos que nutrimos uns pelos outros continuarão vivos dentro de todos nós. E não nos esqueçamos: Deus está no comando de tudo e sempre fará o que for justo, certo e que seja o melhor para cada um de seus filhos.

do site Gotas de Paz

"COMO ACONTECE A NOSSA EVOLUÇÃO ESPIRITUAL"


Deus criou o Universo. Dentro desse Universo há vários mundos. Estes mundos são criados gradativamente juntamente com seus habitantes. Muitos planetas foram criados antes do nosso planeta Terra. Assim como outros ainda serão criados. Portanto, outros Espíritos evoluíram antes de nós. Um desses Espíritos é Jesus. Ele evoluiu em outro planeta antes do nosso ser criado. Quando Ele estava muito evoluído, Deus o incumbiu de acompanhar o nascimento e desenvolvimento do planeta Terra.

Nosso planeta teve sua origem há mais ou menos 4,5 bilhões de anos e tudo era uma massa incandescente não possibilitando haver vida.
No decorrer de milhões de anos, a massa incandescente foi esfriando e foram se formando os elementos que existem hoje em nosso planeta: o ar, a água, as rochas, o solo, as plantas, os animais e o homem.
A vida apareceu há mais ou menos 3,5 bilhões de anos, portanto, um bilhão de anos após o início da formação da Terra. Afirma-se que a primeira forma de vida surgiu na água sob forma de seres minúsculos extremamente simples. Estes foram se tornando cada vez mais complexos e deram origem às células, depois às plantas e aos animais invertebrados que habitavam o mar. Mais tarde, a vida se fixou sobre a terra firme e depois no ar.
É fantástica a marcha de surgimento de diferentes formas de vida sobre a Terra: microrganismos, plantas, peixes, répteis, aves, mamíferos.
Ao longo de muito tempo, os seres sofreram transformações sucessivas, dando origem a várias espécies. Esse processo chama-se EVOLUÇÃO.
Mas, após os répteis, surgem os animais horrendos das eras primitivas, os dinossauros. Emmanuel, no livro A Caminho da Luz disse que a Natureza tornou-se uma grande oficina de ensaios monstruosos. Os trabalhadores do Cristo analisaram a combinação prodigiosa dos complexos celulares, cuja formação eles próprios haviam delineado, então, aperfeiçoaram a máquina celular no limite possível em face das leis físicas do globo. Foi então que eles desapareceram para sempre da fauna terrestre.
Os primeiros seres humanos surgiram sobre a Terra há aproximadamente 3 milhões de anos. Parece muito, mas não é, se considerarmos que a vida no planeta tem mais de 3 bilhões de anos.
Nós espíritas concordamos com a teoria de Charles Darwin, mas ele deteve-se na evolução da forma física e Kardec deu continuidade mostrando que o corpo evolui conforme a evolução espiritual através da reencarnação.
De acordo com o Gênesis (o primeiro livro bíblico), o mundo, os animais e o homem foram criados diretamente por Deus durante uma semana.
Essa descrição é de uns 3 mil anos atrás, época em que o homem não tinha os conhecimentos científicos de hoje.
Atualmente, a narrativa da criação do mundo seria bem diferente. Mas num ponto ela continuará igual: Deus é o criador de tudo o que existe.
Tudo começa pelo átomo; do átomo passamos a ser um mineral; do mineral passamos a ser um vegetal; do vegetal passamos a ser um animal; do animal passamos a seres humanos; e enfim, de seres humanos passaremos a arcanjos. Por milênios e milênios de evolução experimentamos graus inferiores até conquistarmos a inteligência. Entre o irracional e o homem, há longos caminhos a percorrer.
Não fomos criados todos ao mesmo tempo, porque Deus cria incessantemente, por isso é natural que encontremos Espíritos, encarnados e desencarnados em graus de evolução diferentes.
Quando um cachorro, por exemplo, der sinal de inteligência, não continuará mais aqui na Terra, que não lhe oferecerá condições; ao desencarnar o Espírito desse cachorro irá para mundos em começo de evolução. Após cachorro, reencarnará no corpo de um primata aprendendo a andar de pé, a usar as mãos. Depois reencarnará num planeta primitivo, cujos moradores são espíritos que moram em cavernas. E assim, evoluirá com o planeta, assim como ocorreu com nós. Fomos moradores das cavernas, desencarnamos e aprendemos no plano espiritual alguma coisa; reencarnamos e voltamos melhor, com mais conhecimento; desencarnamos e encarnamos várias vezes até sairmos da caverna e nos tornarmos seres mais evoluídos, buscando cada vez mais o crescimento espiritual. Nosso planeta já foi um mundo primitivo e está passando de provas e expiações para regeneração. Enquanto isso, outros mundos estão sendo criados e com ele passando por todo processo de evolução deles e dos seres que nele aparecerem.
Cada planeta é habitado por Espíritos com grau evolutivo correspondente ao planeta.
Allan Kardec classifica os planetas em:

1) Primitivos: onde os espíritos realizam suas primeiras encarnações.

2) De provas e de Expiações: onde predomina o mal, porque há muita ignorância; aí, as pessoas sofrem as conseqüências dos erros praticados (expiação) ou passa por experiências, testes, testemunhos (provas). A Terra é um mundo assim.

3) De Regeneração: neles não há mais a expiação, mas ainda há provas pelas quais o espírito tem de passar para consolidar as conquistas evolutivas que fez e desenvolver-se mais. São mundos de transição entre os mundos de expiação e os que vêm a seguir.

4) Ditosos ou Felizes: nestes mundos predomina o bem, porque seus moradores são espíritos mais evoluídos; há muito bem-estar e progresso geral.

5) Divinos ou Celestes: onde o bem sem qualquer mistura e a felicidade é absoluta, como obra sublime dos seus moradores: os puros espíritos.


Compilação de Rudymara retirados dos livros "A Gênese" de Kardec; "O Evangelho segundo o Espiritismo"; "A Caminho da luz" de Emmanuel; "Espiritismo, uma nova era" de Richard Simonetti.

REFLEXÃO DE HOJE


Descobri que a vida persiste em meio à destruição. Deve existir, portanto, uma lei superior à da destruição. Unicamente sob essa lei a sociedade bem organizada será inteligível, e a vida digna de ser vivida.

Se essa é a lei da vida, devemos praticá-la na existência diária. Sempre que houver guerras, sempre que nos defrontarmos com um oponente: conquistemos pelo amor. Descobri que a certeira lei do amor trouxe respostas a minha própria vida que a lei da destruição nunca trouxe.

Gandhi

sábado, 26 de agosto de 2017

ORAÇÃO DA SOLIDARIEDADE

Senhor,

Que eu possa a quem está com frio dar o cobertor.
Mas se o frio for da alma, que eu tenha condições de dar afetivo calor.

Se alguém chorar, que eu possa suas lágrimas enxugar.
Mas se eu também estiver em dor, que pelo menos possa companhia fazer.

Porque é chocante, Senhor,
chorar sem ter alguém para nos consolar;
sofrer sem ter com quem dividir;
precisar desabafar e não ter quem ouvir;
enfermar sem ter com quem contar.

Assim, Senhor, e por tudo isso, eu te suplico:
preciso ao próximo servir, tendo tolerância para com a ignorância:
o desprendimento frente à pobreza;
a solicitude moral diante dos reclames das crianças;
atenção e amparo para com a velhice;
o perdão sem condição;
a brandura na exaltação;
a verdade sem interesse e o amor sem cobranças.

Mas, se nada disso eu puder ter ou fazer, que a vida me torne humilde para reconhecer que preciso espiritualmente crescer.

Assim seja.


(Oração captada de Francisco de Assis e transmitida psicograficamente pelo Espírito Carlos Murion ao médium José Medrado

“PORQUE AS ALMAS ANTIGAS TÊM DIFICULDADE PARA ENCONTRAR O AMOR”


As almas antigas geralmente têm níveis mais profundos de maturidade e sabedoria. Com estas características, vem a necessidade inata de viver e amar autenticamente e de todo o coração.
Mas uma alma antiga pode ter mais dificuldade em encontrar amor, porque não está disposta a se conformar.
Almas antigas têm as melhores intenções quando se trata de relacionamentos, mas aqui estão sete razões pelas quais elas muitas vezes têm dificuldades para encontrar o amor:
1.Elas querem um amor que as ensine
Almas antigas não querem ser complacentes em um relacionamento. Elas querem um amor que as ensine e um parceiro que as ajude a crescer. Elas têm uma necessidade inata de aprender e evoluir, e querem um parceiro que as ajude a evoluir em sua jornada.
2.Elas querem um amor vulnerável
Ser compatível na superfície não é suficiente. Uma alma antiga quer alguém que esteja disposto a abrir seu coração, mesmo que doa. Ela quer um parceiro que não tem medo de ser vulnerável. Alguém com quem possa compartilhar uma profunda conexão.
3.Elas têm feridas antigas
Muitas almas antigas carregam uma certa dor de seu passado. Esta dor muitas vezes forma quem elas são, forçando o crescimento de sua maturidade interior. Quando se trata de um relacionamento duradouro, uma alma antiga precisa de alguém que seja maduro e compreensivo o suficiente para lidar com a bagagem que ela pode transportar.
4.Elas não gostam de encontros
Uma alma antiga quer se apaixonar, mas normalmente não gosta de encontros. Almas antigas são muitas vezes paradas pelo drama e as regras dos namoros. Elas querem encontrar o amor, mas muitas vezes não estão dispostas a ter encontros, a fim de encontrá-lo. Isso aumenta a dificuldade de encontrar amor.
5.Elas querem um parceiro comprometido
Uma alma antiga quer uma relação em constante evolução. Ela sabe que o amor precisa ser constantemente nutrido. Se alguém não está disposto a nutrir ativamente o relacionamento, ela perderá o interesse. Ela quer um amor que é mostrado através de experiências compartilhadas, esforço e compromisso verdadeiro.
6.Elas querem um amor autêntico
Um amor verdadeiramente autêntico é aquele que faz você se sentir confortável sendo a si mesmo. Uma alma antiga procura um parceiro que celebra e incentiva a autenticidade mútua. Ela não quer ter que esconder, fingir ou mudar quem é de qualquer maneira. Está em paz com quem é, e quer um parceiro que esteja disposto a aceitá-la.
7.Elas não se conformarão com nada menos do que um companheiro de alma
Uma alma antiga não está interessada em um relacionamento “Eu gosto de você”. Ela está procurando por amor, e não se contentará com nada menos do que um amor de alma gêmea. Ela se recusa a estar em um relacionamento simplesmente por conforto, luxúria, atenção superficial ou segurança.

FONTE: David Wolfe

MEDITAÇÃO DIÁRIA



O que nos trouxe à prática? Porque começamos? Isso é o que é mais importante. Alguns vem para a meditação para entender seu próprio sofrimento, outros para entender o sofrimento da sociedade. Quando a fragrância da meditação está em nós tudo em nós pode ser ensinamento. Lavar a louça pode ser um momento de despertar ou de ignorância. Depende de nós. Também há o fedor da meditação, quando ela é feita por obrigação.
O cerne da meditação budista é voltar ao agora. Nesse momento existe muito mais coisas do que conseguimos perceber. Temos muito pouco contato com a realidade. Quando meditamos passamos a olhar um pouco do que existe no momento.

Phap Hai (Monge de Deer Park)

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

A MELHOR FORMA DE CAMINHAR


Deixar de lado a tristeza é um começo, pois tristes  perdemos a capacidade de reação;  Refletir sobre o que se passa em nosso coração também nos faz melhores porque assim, conseguimos compreender onde estamos errando e o que devemos fazer para o acerto; Ter sempre uma boa palavra para as pessoas que nos procuram; A disposição para ajudar o outro nos faz crescer, pois quando ajudamos alguém o maior auxiliado somos nós mesmos; A melhor forma de caminhar é poder todos os dias abrir um sorriso no rosto e ter a gratidão para com o Alto, porque nos da a oportunidade de amar mais do que amamos e retribuir mais do recebemos.

do site Gotas de Paz

“APARIÇÕES NO MOMENTO DA MORTE. MUITAS PESSOAS ANTES DE MORRER ALEGAM VER JUNTO DE SI, SERES CONHECIDOS. AMIGOS E FAMILIARES. ”


Momentos antes de morrer, muitas pessoas alegam ver junto de si seres conhecidos, familiares e amigos, também já falecidos. Vamos hoje referir um caso no qual as aparições de pessoas falecidas são percebidas unicamente pelos familiares do  moribundo.

Encontrámos um caso bem interessante, no livro «Fenômenos Psíquicos no Momento da Morte», de Ernesto Bozzano, editora FEB, 3ª ed., 1982, Brasil, caso este retirado do «Journal of the Society for Psychical Research» (1908, pp. 308-311):
«O Dr. Burges envia ao Dr. Hodgson o episódio seguinte, que se passou em presença do Dr. Renz, especialista em moléstias nervosas. M. G., protagonista do episódio, escreve:
“… Antes de descrever os acontecimentos e no interesse daqueles que lerem estas páginas, tenho a declarar que não faço uso de bebidas alcoólicas, nem de cocaína, nem de morfina; que sou e fui sempre moderado em tudo, que não possuo um temperamento nervoso; que minha mentalidade nada tem de imaginativa e que sempre fui considerado como homem ponderado, calmo e resoluto. Acrescento  que, não somente nunca acreditei no que se chama – Espiritismo – com os fenómenos relativos de materializações mediúnicas e do corpo astral visível, como fui sempre hostil a essas teorias.
Um caso espantoso em que assistiu ao trabalho espiritual na morte da esposa.
A minha mulher morreu às 11h45, da noite de Sexta-feira, 23 de Maio de 1902; e só às 4 horas da tarde desse mesmo dia foi que me persuadi que estava perdida toda a esperança. Reunidos em torno do leito, na expectativa da hora fatal, estávamos muitos amigos, o médico e duas enfermeiras… Assim se passaram  duas horas, sem que se observasse nenhuma alteração…às 6h45 (estou certo da hora porque havia um relógio colocado diante de mim, sobre um móvel) aconteceu-me voltar o olhar para a porta de entrada e percebi sobre o sólio, suspenso no ar, três pequenas nuvens muito distintas, dispostas horizontalmente, parecendo cada uma do comprimento de cerca de 4 pés, com 6 a 8 polegadas de volume… O meu primeiro pensamento foi que os amigos (e peço-lhes perdão por esse injustificado juízo) se tinham posto a fumar, além da porta, de  maneira que o fumo dos seus charutos penetrasse no quarto. Levantei-me de um salto para ir reprová-los e notei que nas proximidades da porta, no corredor e no quarto, não havia ninguém. Espantado, voltei-me para olhar as nuvenzinhas que, lentamente, mas positivamente, se aproximavam da cama, até que a envolveram por completo.
Olhando através dessa nebulosa, percebi que ao lado da moribunda se conservava uma figura de mulher, de mais de 3 pés de altura, transparente, mas ao mesmo tempo resplandecente de uma luz de reflexos dourados; o seu aspecto era tão glorioso, que não há palavras capazes de descrevê-lo. Ela vestia um costume grego de mangas grandes, largas, abertas; tinha uma coroa à cabeça. Essa forma mantinha-se imóvel como uma estátua no esplendor de sua beleza; estendia as mãos sobre a cabeça da minha mulher, na atitude de quem recebe um hóspede alegremente, mas com serenidade.
Duas formas vestidas de branco, detinham-se de joelhos, ao lado da cama, velando ternamente a minha mulher, enquanto que outras formas, mais ou menos distintas, flutuavam em torno. Acima da minha mulher estava suspensa, em posição horizontal, uma forma branca e nua, ligada ao corpo da moribunda por um cordão que se lhe prendia acima do olho esquerdo, como se fosse o “corpo astral”. Em certos momentos, a forma suspensa ficava completamente imóvel; depois, contraía-se e diminuía até reduzir-se a proporções minúsculas, não superiores a 18 polegadas de comprimento, mas conservando sempre a sua forma exacta de mulher; a cabeça era perfeita, perfeitos o corpo, os braços, as pernas.
Quando o corpo astral se contraía e diminuía, entrava em luta violenta, com agitação e movimento dos membros, com o fim evidente de se desprender e libertar do corpo físico. E a luta persistia até que ele parecia cansar; sobrevinha, então, um período de calma; depois o corpo astral começava a aumentar, mas para diminuir de novo e recomeçar a luta.
Os familiares e amigos falecidos, vêm, no momento do desenlace, ajudar-nos a entrar no outro mundo.
Durante as cinco últimas horas de vida da minha mulher, assisti, sem interrupção, a essa visão pasmosa…Não havia maneira de fazê-la apagar dos meus olhos; se me distraía conversando com os amigos, se fechava as pálpebras, se me achava de outro lado, quando voltava a olhar o leito mortuário, revia inteiramente a mesma visão. No correr das cinco horas experimentei estranha sensação de opressão na cabeça e nos membros; sentia as minhas pálpebras pesadas como quando se está tomado pelo sono, e as sensações experimentadas, unidas ao facto da persistência da visão, faziam-me temer pelo meu equilíbrio mental, e então dizia ao médico muitas vezes: – «Doutor, eu enlouqueço».  Enfim, chegou a hora fatal; depois de um último espasmo, a agonizante deixou de respirar e vi, ao mesmo tempo, a forma astral redobrar de esforços para libertar-se. Aparentemente, a minha mulher parecia morta, mas começava a respirar alguns minutos depois, e assim aconteceu por duas ou três vezes. Depois, tudo acabou. Com o último suspiro e o último espasmo, o cordão que a ligava ao corpo astral quebrou-se e eu vi esse corpo apagar-se. As outras formas espirituais, também, assim como a nebulosidade de que fora invadido o quarto, desapareceram subitamente; e, o que é estranho, a própria opressão que eu sentia sumiu-se como por encanto e permaneci de novo como fui sempre, calmo, ponderado, resoluto; dessa forma fiquei em condições de distribuir ordens e dirigir os tristes preparativos exigidos pelas circunstâncias…”
Afirma o Dr. Renz: “Desde que a doente se extinguiu, M. G., que durante cinco horas havia ficado à sua cabeceira, sem dali sair, levantou-se e deu ordens que as circunstâncias requeriam, com expressão tão calma, de homem de negócios, que os assistentes ficaram surpresos. Se ele tivesse sido submetido, durante cinco horas, a um acesso de alucinação, o espírito não se lhe teria tornado claro e normal de um momento para o outro. Dezessete dias já se passaram depois da visão e da morte da sua mulher; M. G. continua a mostrar-se perfeitamente são e normal de corpo e de espírito. (Assinado: Dr. C. Renz)”.»


José Lucas- Portal do Espírito.

REFLEXÃO DO DIA











O grande obstáculo para o avanço do nosso conhecimento não é tanto o que se desconhece mas o que já se sabe. Porque aquilo que nós já sabemos nos impede de ir adiante, nos amortece, aparece sempre novamente diante dos nossos olhos como se fosse a verdade e obstaculiza o nosso andar.

Lama Padma Santem

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

“VISITAS ESPIRITUAIS ENTRE VIVOS”


Há alguns anos, conversando com uma senhora de nossas relações de amizade, ouvimos o seu relato acerca das inúmeras vezes em que ela via, pela vidência mediúnica, o seu marido, em espírito, visitando o lar enquanto se encontrava a quilômetros em viagem profissional.

As visões aconteciam durante as madrugadas, quando acordada ela via o espírito do marido circulando pela casa, porém sem travar conversação, e sem ele ter consciência do fato quando questionado a respeito.
A Doutrina Espírita explica, detalhadamente, a ocorrência, já que é um acontecimento muito comum entre os encarnados, como nos ensinam os Espíritos Superiores:
O Espírito encarnado permanece espontaneamente no corpo?
– É como perguntar se o prisioneiro se alegra com a prisão. O Espírito encarnado aspira sem cessar à libertação, e quanto mais o corpo for grosseiro, mais deseja desembaraçar-se dele. (1)
Durante o sono, a alma repousa como o corpo?
– Não, o Espírito nunca fica inativo. Durante o sono, os laços que o prendem ao corpo se relaxam e, como o corpo não precisa do Espírito, ele percorre o espaço e entra em relação mais direta com outros Espíritos. (2)
Mas é no capítulo oito da segunda parte de O Livro dos Espíritos, sob o título “Da Emancipação da Alma”, que encontramos as explicações detalhadas sobre o assunto. (3)
Na oportunidade Allan Kardec questiona a Espiritualidade Superior se é caso de “dupla existência simultânea: a do corpo, que nos dá a vida de relação exterior, e a da alma, que nos dá a vida de relação oculta”, obtendo como resposta que “no estado de liberdade, a vida do corpo cede lugar à vida da alma. Porém, não são, propriamente falando, duas existências; são, antes, duas fases da mesma existência, uma vez que o homem não vive duplamente”.
Esclarecem os Espíritos que “duas pessoas que se conhecem podem se visitar durante o sono, e muitas outras que acreditam não se conhecerem também se reúnem e conversam. Podeis ter, sem dúvida, amigos num outro país. O fato de ir se encontrar, durante o sono, com amigos, parentes, conhecidos, pessoas que podem ser úteis, é tão frequente que o fazeis todas as noites”, e a “utilidade dessas visitas noturnas, uma vez que não fica lembrança de nada, é muito comum disso ficar uma intuição, ao despertar, e é frequentemente a origem de certas ideias que surgem espontaneamente”.
Sobre a possibilidade do homem poder provocar essas visitas espirituais por sua vontade dizendo ao dormir: “esta noite quero me encontrar em Espírito com tal pessoa, falar com ela e dizer-lhe alguma coisa”, o esclarecimento que se segue é que “o homem dorme, o Espírito se liberta e o que o homem tinha programado, o Espírito está bem longe de seguir, porque os desejos e vontades do homem nem sempre são os mesmos do Espírito, quando desligado da matéria. Isso acontece com os homens espiritualmente bastante elevados. Há os que passam de outra forma essa sua existência espiritual: entregam-se às suas paixões ou permanecem na inatividade. Pode acontecer que, considerando a razão da visita, o Espírito vá mesmo visitar as pessoas que deseja; mas a simples vontade do homem, acordado, não é razão para que o faça”.
Outra possibilidade que se apresenta é que vários “espíritos encarnados podem se reunir” porque “os laços de amizade, antigos ou novos, fazem com que se reúnam, frequentemente, diversos Espíritos, felizes de estarem juntos”.
A questão se volta para a necessidade de dominarmos nossas paixões e vícios, trabalhando para eliminá-los, e também de revermos quais são nossos interesses, mundanos ou espirituais, para podermos aproveitar ao máximo as oportunidades dos momentos de liberdade que o nosso espírito tem durante o sono físico, preparando-nos, paulatinamente, para o retorno definitivo à Pátria Maior, que é de onde viemos e mais uma vez para onde retornaremos após o término desta vida física.
Pensemos nisso.


Fonte- KARDEC RIO PRETO-Antônio Carlos Navarro
Referências Bibliográficas:

(1) O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, item 400;
(2) O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, item 401;
(3) O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, itens 413 a 418.

SOMOS O QUE ESCOLHEMOS SER


Tudo na vida são escolhas, desde pequenos somos colocados à fazer escolhas sejam elas mais simples ou as mais difíceis. Os caminhos são muitos e nós somos convidados a escolher o que queremos para nossa vida, e são essas escolhas que farão de nós o que seremos na vida. Não adianta reclamarmos da vida se escolhemos nos lamentar, porque as lamentações só nos trarão angústia e incerteza. Não adianta escolhermos a impaciência porque desta forma estaremos trazendo para nosso coração a incompreensão e a falta de tolerância; Não adianta distribuirmos a tristeza , porque seremos desviados da 
alegria; Não adianta desejar o mal do outro, porque estaremos fazendo o mal a nós mesmos; Por isso somos o que escolhemos Ser e esta reflexão nos é muito importante, o que escolhemos Ser? A resposta está dentro de cada um de nós. Mas se queremos uma escolha certa e sem enganos, façamos a escolha do amor e da caridade, porque assim estaremos dando chance a nós mesmos de sermos pessoas melhores.
Pensemos nisso!

do site Gotas de Paz

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

O PODER DE DEUS


Quando somos protegidos por Deus não existe maldade que possa nos tocar, não existe seta que venha nos atingir, palavras contra que nos contamine, inveja que nos venha atingir nem força contrária prevalecer. Porque a força de Deus sobre nossas vidas sempre será maior do que qualquer outra contrária. Quando Ele determina algo para nossas vidas faz acontecer independente de situação, tempo ou lugar. Poder de Deus não se explica, se vive, e viver sobre sua proteção e cuidado é ser abençoado todos os dias. E se tem Deus nunca nos faltará o necessário para realizar sonhos, cumprir promessas e ver planos acontecerem. Ter Deus em nossas vidas não nos isenta de lutas, mas nos dá a certeza de sempre vencê-las, e sobre todas as coisas sempre seremos mais que vencedores.

do site Gotas de Paz



“MILHÕES DE ESPÍRITOS FRANCESES REENCARNARAM NO BRASIL PARA DAR SUSTENTO À DOUTRINA DE KARDEC


Perguntaram ao médium Divaldo Franco por que no Brasil ainda existe tantas pessoas que não amam o próximo, mesmo sendo considerado a “Pátria do Evangelho”. A resposta trouxe informações surpreendentes. Confira:
– Porque não são Espíritos do Brasil. Vêm de outras pátrias, de outras raças. Não são almas brasileiras. Vêm para cá, porque, se ficassem nos seus países de origem, os sentimentos de rancor e ressentimentos torná-los-iam mais desventurados. Após a Revolução Francesa de 1789, quando a França se libertou da Casa dos Bourbons, os grandes filósofos da libertação sonharam com os direitos do homem, direitos que foram inscritos nos códigos de justiça em 1791 e que, até hoje, ainda não são respeitados, embora em 1947, no mês de dezembro, a ONU voltasse a reconhecê-los.
Depois daquele movimento libertário, o que aconteceu com os franceses? Os dois partidos engalfinharam-se nas paixões sórdidas e políticas e como consequência, os grandes filósofos cederam lugar aos grandes fanáticos, e a França experimentou os dias de terror, quando a guilhotina, arma criada por José Guilhotin, chegava a matar mais de mil pessoas por dia. Esses Espíritos saíam desesperados do corpo e ficavam na psicosfera da França buscando vingança. Começa o século XIX e é programada a chegada de Allan Kardec.
 O grande missionário vai reencarnar na França, porque a mensagem de que é portador deverá enfrentar o cepticismo das academias na Cidade-Luz da Europa e do mundo e, naquele momento, Cristo havia designado que o Espiritismo nasceria na França, mas seria transplantado para um país onde não houvesse carmas coletivos, e esse país, por enquanto, seria o Brasil.
São Luis, o guia espiritual da França, cedeu que a terra gaulesa recebesse Allan Kardec, mas “negociou” com Ismael, o guia espiritual do Brasil: “Já que a mensagem de libertação vai ser levada para a Terra do Cruzeiro, a França pede que muitos Espíritos atribulados da Revolução reencarnem no Brasil, pois, se reencarnarem aqui impedirão o processo da paz”.
E dois milhões de franceses vieram reencarnar no Brasil, para que, quando chegasse a mensagem espírita, culturalmente se identificassem com o chamado método cartesiano de Allan Kardec.
Naturalmente, esses Espíritos eram atribulados, perturbados, com ressentimentos, com mágoas. Se nós considerarmos que os Espíritos brasileiros são os índios, que a maioria de nós é constituída por Espíritos comprometidos na Eurásia, e que estamos aqui de passagem, longe dos fenômenos cármicos para nos depurarmos, compreenderemos porque muitos brasileiros do momento ainda não amam esta grande nação.
E o primeiro sentimento que têm quando, ao invés de investir em fortunas, honesta ou desonestamente amealhadas no solo brasileiro, eles as mandam para os países estrangeiros. Não confiam no Brasil, porque são “de lá”.
Mandam para lá porque, morrendo aqui, o dinheiro fica lá para poderem “pagar” o carma negativo que lá deixaram.
Os chamados “paraísos fiscais” são também lugares de alguns de nós que aqui nos encontramos, mas apesar de ainda não termos o sentimento do amor, já temos alguma luz. Viajando pelo mundo, onde tenho encontrado brasileiros espíritas, descubro uma célula espírita. Começa-se com um estudo do Evangelho no lar, depois se chama os amigos, os vizinhos, forma-se um grupo e, hoje, na Europa. 90% dos grupos espíritas são criados por brasileiros.
Com exceção de Portugal. Espanha e um pouquinho da França, o movimento é todo de brasileiros e latinos acendendo as labaredas do Evangelho de Jesus. Não há pouco tempo, brasileiros na Holanda encontraram as obras de Kardec traduzidas para o holandês, brasileiros na Suíça revisaram O Evangelho segundo o Espiritismo e se está tentando publicar as obras de Kardec, agora em alemão.
Brasileiros na América do Norte retraduziram O Livro dos Espíritos e O Evangelho, que o foi por um protestante, que substituiu a palavra reencarnação por ressurreição. Brasileiros em Londres, com alguns ingleses, já formam oito grupos espíritas e seria fastidioso se fosse enumerando na Ásia, na África…

Texto Extraído do livro: APRENDENDO COM DIVALDO. Entrevistas / Divaldo Pereira Franco: São Gonçalo, RJ: Organizado pela SEJA, Editora e Distribuidora de Livros Espíritas, 2002, p. 69-74.

PENSAMENTO DO DIA


A felicidade vem da sua dedicação individual ao caminho e do aprofundamento da sua relação com os outros seres vivos.

Zenju Earthlyn Manuel

sábado, 19 de agosto de 2017

REFLEXÃO DE HOJE


As coisas humanas são efêmeras e, em sua maioria, sem grande importância. Por isso, vamos dedicar o curto espaço de tempo que corresponde à nossa vida para tentarmos descobrir se existe dentro de nós alguma coisa que talvez não seja tão passageira e desimportante.

Paulo e Lauro Rafu

“A TERRA ESTÁ SAINDO DO MUNDO DE EXPIAÇÃO E ENTRANDO PARA UM MUNDO DE REGENERAÇÃO. O QUE ACONTECERÁ??”


Estamos vivendo ativamente o momento de transição da Terra, que sai do contexto de mundo de provas e expiações, e entra na esfera de mundo de regeneração. Muitas são as teorias, informações e afirmações a respeito do tema, mas é fato que estamos vivendo um momento ímpar na evolução da humanidade. Mas para discorrer sobre o assunto, vamos inicialmente entender a escala dos mundos:
Mundos Primitivos: São aqueles onde se verificam as primeiras encarnações da alma humana. São ainda inferiores a Terra, tanto moral quanto intelectualmente.
Mundos de Expiação e Prova: Correspondem a mundos em que ainda predomina o mal. A superioridade da inteligência, num grande número de seus habitantes, indica que eles não são um mundo primitivo. Suas qualidades inatas são a prova de que os Espíritos ali encarnados já realizaram um certo progresso, mas também os numerosos vícios a que se inclinam são o indício de uma grande imperfeição moral. (É o atual e final estágio da Terra)
Mundos de Regeneração: Servem de transição entre os mundos de expiação e os felizes. A alma que busca uma evolução consciente, neles encontram a paz, o descanso, e os elementos para avançarem. Nesses mundos o homem ainda está sujeito às leis que regem a matéria. A humanidade ainda experimenta as nossas sensações e os nossos desejos, mas está isenta das paixões desordenadas que nos escravizam; Neles não há mais orgulho que emudece o coração, inveja que o tortura e ódio que o asfixia. Nesses mundos, contudo, ainda não existe a perfeita felicidade, mas a aurora da felicidade. Os Espíritos vinculados a eles necessitam muito evoluir, em bondade e em inteligência.
Mundos Felizes: São aquele onde o bem supera o mal. Kardec mostra-nos algumas características desses mundos:
- a matéria é menos densa, o homem já não se arrasta penosamente pelo solo, suas necessidade físicas são menos grosseiras, e os seres vivos não mais se matam para se alimentarem;
- o Espírito é mais livre, tem percepções que desconhecemos, e a mediunidade intuitiva é bem mais evidente do que entre nós;
- a intuição do futuro e a segurança que lhes dá uma consciência tranquila e isenta de remorsos fazem que a morte não lhes cause nenhuma apreensão;
- a duração da vida é bem maior, pois o corpo está menos sujeito às vicissitudes da matéria grosseira;
- a infância existe, mas é mais curta e menos ingênua;
- a autoridade é sempre respeitada, porque decorre unicamente do mérito e se exerce sempre com justiça;
- a reencarnação é quase imediata, pois a matéria corpórea sendo menos grosseira, o Espírito encarnado goza de quase todas as faculdades do Espírito;
- a lembrança das existências corpóreas é mais precisa;
- as plantas e os animais são mais perfeitos, sendo os animais mais adiantados do que os próprios seres humanos da Terra.
Mundos Celestes ou Divinos: Morada dos Espíritos purificados, onde o bem reina sem mistura.
Estima-se que esse "processo de transição" (de provas e expiações para regeneração) tenha se iniciado por volta de 1850, se intensificando logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, e tende a se findar em 2050, totalizando um período de 200 anos.
No plano astral, a partir de 1945, alguns espíritos formularam planos reencarnatórios que exigiram alguns lustros (lustro = 5 anos) de estudo e preparação no invisível. Reencarnariam somente a partir da década de 70.
Entre 1970 e 1975, houve uma leva desses espíritos que começaram a encarnar na Terra como os “Provacionais”, trabalhadores da última hora descritos na parábola de Jesus.
Entre 1975 e 1985, chegaram os “Índigos” - espíritos dotados de grande conhecimento intelectual e inato da espiritualidade, os quais carregam o desejo de mudança e modificação das estruturas que julgam ultrapassadas.
Entre 1985 e 2000, teriam encarnado os “Missionários”. Seriam espíritos extremamente superiores aos “Índigos”, dotados de grande caráter de abnegação. A missão seria a de ensinar e dar o exemplo de nobres conceitos de vida nos mais diversos campos da existência humana. Esses espíritos possuem grande conhecimento, mas precisam de orientação, principalmente moral. Com acesso aos meios de comunicação, percebemos que têm mais informação, porém, a presença dos pais ou de algum tutor é indispensável.
Em tempo, é importante dizer que quando falamos aqui dos tipos de espíritos que encarnaram entre esses períodos, não estamos querendo dizer que todos os que encarnaram nesses intervalos de tempo tinham obrigatoriamente essas características. Não é isso. A questão é que dentre os que encarnaram nesses períodos, houve uma parte com essas características (provacionais, índigos e missionários).
Não significa que todas as pessoas que encarnaram entre 1985 e 1995 sejam missionários, nem que todos os que encarnaram entre 1975 e 1980 sejam índigos por exemplo. Da mesma forma, índigos e provacionais podem estar encarnando agora. Sem contar que mantém-se a afirmação de que não são todos os que encarnam hoje que carregam esses estigmas, mas sim, uma parte deles.
Mas voltando ao tema do processo de transição, em 1932, Maria João de Deus (Mãe de Chico Xavier), informa: "Nossos venerandos mentores espirituais sempre nos elucidam, explicando que a Terra se acha em vias de conhecer um novo ciclo evolutivo. Explicam-nos, então, que esses movimentos objetivam não só o cumprimento exato das provações individuais e coletivas dos homens e dos povos, como também representam um trabalho de drenagem sobre as multidões humanas, selecionando as almas então encarnadas nesse mundo" e acrescenta: "Afirmam, portanto, os nossos guias que apenas começamos a presenciar os grandes acontecimentos que, fatalmente, terão de ocorrer nos anos vindouros."
Em 1938, Emmanuel informa: "As guerras russo-japonesa e a europeia de 1914 a 1918 foram pródromos de uma luta maior, que não vem muito longe, dentro da qual o planeta alijará todos os Espíritos rebeldes e galvanizados no crime, que não souberam aproveitar a dádiva de numerosos milênios, no patrimônio sagrado do tempo."
E, em 1971, Emmanuel afirma que a Terra será um mundo regenerado por volta de 2057.
Sobre os nascidos após o ano de 2000: são espíritos de todas as matizes, mas com uma qualidade de mais equilíbrio (se bem educados pelos pais ou tutores). A esmagadora maioria dos espíritos empedernidos no mal e na ignorância não mais receberam a permissão para reencarnar na face da Terra. Reencarnar aqui, a partir dessa data equivale a um valioso prêmio justo, destinado apenas aos espíritos mais fortes e preparados, que souberam amealhar, no transcurso de múltiplas reencarnações, conquistas espirituais relevantes como a mansidão, a brandura, o amor à paz e à concórdia fraternal entre povos e nações. Insere-se dentro dessa programação de ordem superior a própria reencarnação do mentor espiritual de Chico Xavier, o espírito Emmanuel, que, de fato, veio a renascer, segundo Chico informou a variados amigos mais próximos, exatamente no ano 2000. Certamente, Emmanuel, reencarnado aqui no coração do Brasil, haverá de desempenhar significativo papel na evolução espiritual de nosso orbe. Todos os demais espíritos, recalcitrantes no mal, seriam então, a partir de 2000, encaminhados forçosamente à reencarnação em mundos mais atrasados, de expiações e de provas aspérrimas, ou mesmo em mundos primitivos, vivenciando ainda o estágio do homem das cavernas, para poderem purgar os seus desmandos e a sua insubmissão aos desígnios superiores. Chico Xavier tinha conhecimento desses mundos para onde os espíritos renitentes estariam sendo degredados. Segundo ele, o maior desses planetas se chamaria Kírom ou Quírom. Mas atenção: não quer dizer que não existam mais espíritos ignorantes do bem após 2000. Quer dizer que não nasceriam espíritos dessa natureza neste planeta em grande volume (podendo ainda nascer um ou outro, por acréscimo de misericórdia). Os ignorantes e maus que já existem, permanecem até o desencarne.
Autor: Tony   -E-mail: tonytarologocabalista@gmail.com

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO