BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

terça-feira, 31 de julho de 2018

“O QUE ACONTECE COM MÉDIUNS QUE USAM A MEDIUNIDADE PARA O MAL?”


Cada pessoa tem o seu livre-arbítrio. Na vida, vamos ganhando experiências e desenvolvendo nossas capacidades e temos a oportunidade de exercê-las de acordo com o nosso livre-arbítrio.
Podemos, aqui na terra, seguir carreiras profissionais, como médicos, enfermeiros, professores, juízes. Cada uma destas profissões pode ser usada para o bem ou para o mal.
Um simples objeto que podemos tomar em nossas mãos pode, se assim quisermos, tornar-se uma arma mortal. Tomemos o exemplo de uma simples caneta, que podemos usa-la para escrever um belo poema, mas que em mãos erradas podem assinar um documento, que no futuro venha a destruir a vida social ou financeira de uma pessoa, ou quem sabe até perfurar a pele da vítima com sua extremidade pontiaguda.
Quando falamos sobre mediunidade não é diferente. É uma capacidade inata do ser humano que pode ser usada de diversas formas, só depende da consciência daquele que a carrega.
Para exemplificarmos de forma mais lúdica, usaremos um trecho do livro Aruanda, do médium Robson Pinheiro e ditada pelo espírito de Ângelo Inácio:
(…) eu observava o que ocorria ao redor. Espíritos dementados, desequilibrados e que apresentavam visível sofrimento estavam deitados por todo lado. O ambiente parecia-se muito com um hospital da Terra. Era como uma enfermaria de proporções gigantescas. Foi o pai-velho amigo quem adiantou-se:
— Aqui se encontram alojados muitos espíritos que se especializaram na magia negra. Resgatados das regiões infelizes, foram para cá transferidos a fim de receber tratamento emergencial. Estagiaram por tanto tempo nas vibrações grosseiras e perniciosas que suas mentes se afetaram seriamente, comprometendo seu presente estágio evolutivo.
— Você falou magia negra? — Perguntei ao preto-velho.
— Exato, Ângelo. Ou você ignora que todos utilizamos dos recursos da natureza, colocados à nossa disposição pela divina sabedoria, de acordo com a ética que nos é peculiar? À manipulação desses recursos mentais, fluídicos, verbais ou energéticos é que denominamos magia. E, quando alguém se utiliza de maneira desequilibrada ou maldosa do depositário de forças sublimes, dizemos então que se concretiza a magia negra. São companheiros que se especializaram no mal, pelo mal.
— Eu pensei que, ao utilizar a expressão magia negra, você se referia a outra coisa mais perigosa.
— E o que há de mais perigoso que transformar o sagrado objetivo da vida, tentando prejudicar o próximo?
Desta vez foi a companheira Euzália, quem indagou. Ela prosseguiu:
— (…) em diversos lugares da Terra, alguns irmãos nossos se consorciavam com entidades perversas e se utilizavam de objetos, verdadeiros condensadores de energia, de baixa vibração, com o intuito de prejudicar as pessoas. Mais tarde, surgiram os magos negros, utilizando outros tipos de condensadores magnéticos, também vibrando a prejuízo do próximo. Aqui e acolá, surgem, de época em época, aqueles irmãos nossos que se colocam em sintonia com as trevas e, desse modo, tornam-se instrumentos de inteligências vulgares para irradiar o mal em torno de si. São os chamados magos negros, encarnados e desencarnados, grandes médiuns das sombras, com relação aos irmãos que você vê aqui, é que já esgotaram o fluido mórbido que traziam no perispírito, ainda que não totalmente, mas o suficiente para serem atendidos neste posto de socorro. Nem todos, infelizmente, se encontram em condições de serem auxiliados tanto quanto necessitam.
Aproximei-me de um espírito que se contorcia todo, em cima da cama, sem oferecer maiores recursos para ser auxiliado. De sua boca escorria um líquido ou gosma esverdeada, e ele demonstrava ser vítima de intenso pesadelo. Intensifiquei minha concentração sobre o companheiro infeliz e, aos poucos, pude penetrar em seu campo mental. A entidade estava demente. Parecia enlouquecida.
Desfilavam em sua memória espiritual cenas aterradoras, como se acometido de profunda tortura mental, provocada por um sentimento de culpa sem limites.
Observei que, na cena gravada em sua intimidade, destacava-se um homem de aspecto estranho, entre soturno e macabro, vestido com roupas de maior destaque que as outras, com referências claramente ritualísticas. No ritual um tanto assustador que eu presenciava, vi que o homem sacrificava um inocente animal, que não pude distinguir direito.
Senti que alguém me tocou de leve e, então, desliguei-me daquela cena mental, sem compreender inteiramente o que se passava. Catarina, então, explicou-me:
— Este companheiro está preso ao passado culposo e não consegue liberar-se do remorso pelos males que causou. Nosso irmão era pai-de-santo em um terreiro que se localizava no interior de Pernambuco. Foi-lhe permitida a condução de uma comunidade, que ele deveria levar ao esclarecimento espiritual. Médium de extensas possibilidades e faculdades notáveis, desviou-se desde cedo do propósito traçado pelo Alto e ligou-se propositalmente a entidades sombrias.
NOTA DE ESCLARECIMENTO: De forma nenhuma o texto se propõe a generalizar nossos irmãos de religiões de matriz africana. A mediunidade não é exclusividade de nenhuma religião. Dessa forma, exemplificamos no texto somente uma das inúmeras formas que um médium pode perder o rumo do trabalho no bem.
Estabelecendo-se definitivamente o processo de intercâmbio doentio, espíritos vampirizadores uniram-se à aura do infeliz, e ele, para satisfazer a sede de sangue das entidades do mal, entregou-se à magia de intensa manifestação de primitivismo. Sacrificava animais, bebia o sangue de suas vítimas inocentes. Dominou a comunidade que deveria orientar, baseado no terror.
Ao desencarnar, vítima do câncer no fígado e da cegueira, nosso irmão caiu nas mãos perversas de seus antigos comparsas. Os espíritos vândalos exigiram a satisfação de seus apetites desmedidos. Demandavam o sacrifício de novos animais. Entretanto, o companheiro não mais podia satisfazer-lhes a sede de fluidos grosseiros. Não obstante seus apelos, foi escravizado pelos tais espíritos durante cerca de 30 anos, até que se lhe esgotaram por completo as forças da alma.
Feito um trapo humano, vagou pelos recantos obscuros do vale sombrio, até que, em determinado momento, encontrou calor humano na aura de uma jovem imprevidente, que intentava evocar as forças do mal para satisfazer seus caprichos e conquistar um coração masculino. A pobre moça perdeu-se em meio às vibrações densas de nosso irmão, que, agora, transformado em vampiro, sugava-lhe a energia física.
Graças a Deus nossa menina era tutelada de um espírito mais esclarecido, que logo a induziu a procurar um centro espírita respeitável da capital fluminense. Desde então, o infeliz companheiro foi transferido para cá, não antes de ter prejudicado seriamente o sistema nervoso da moça, que no presente momento se encontra em tratamento espiritual.
— Mas ele não pode ser desligado de seu passado através de passes magnéticos? — Perguntei.
— Não, ainda — respondeu-me Wallace. — Nosso irmão ainda não se esgotou por completo. Permanece prisioneiro de suas recordações e, ainda hoje, recebe as investidas mentais de companheiros que participavam de sua comunidade religiosa. Fez várias vítimas, com o agravante de haver formado outros companheiros, que infelizmente lhe seguiram o exemplo. Necessita de tempo e muita oração para libertar-se do pesadelo em que se encontra.
Depois desse trecho da obra torna-se importante falar que nosso Deus misericordioso nunca iria desamparar nosso irmão, mesmo depois de todos os atentados infelizes. Não existem penas eternas. O irmão, antes dedicado ao mal, agora deverá passar por este longo período de turbulência para que numa próxima encarnação não torne a cometer os mesmos delitos.

Aruanda. Robson Pinheiro, ditado pelo espírito de Ângelo Inácio. Casa dos Espíritos Editora, 2004.

SEGREDOS DA HUMILDADE


Quantas vezes em nossas vidas deixamos de dizer, “você me faz falta” , “você me faz feliz”, “fique mais um pouco”, “me desculpa”?.
Quantas oportunidades e amizades perdemos por timidez ou orgulho em excesso?
Depois de um dia para o outro, o tempo nos leva e nos separa, e aí já era.
Por isso pare para dizer o quanto seus amigos são importantes; o quanto os ama e agradeça por tudo que eles fizeram e fazem por você.
Uma de nossas maiores virtudes é a humildade com tudo e com todos.
Pense nisso!


do site Gotas de Paz

MENSAGEM DO DIA


As desgraças que nos acontecem podem esmagar-nos, se não tivermos a compreensão de que muitas vezes elas são o ponto de partida para uma etapa melhor de nossa vida.

Paulo e Lauro Raful

domingo, 29 de julho de 2018

“CAUSAS DAS AFLIÇÕES E SOFRIMENTOS QUE TRAZEMOS DE OUTRAS REENCARNAÇÕES.”,


Mas se há males, nesta vida, de que o homem é a própria causa, há também outros que, pelo menos em aparência, são estranhos à sua vontade e parecem golpeá-lo por fatalidade. Assim, por exemplo, a perda de entes queridos e dos que sustentam a família. Assim também os acidentes que nenhuma previdência pode evitar; os revezes da fortuna, que frustram todas as medidas de prudência; os flagelos naturais; e ainda as doenças de nascença, sobretudo aquelas que tiram aos infelizes a possibilidade de ganhar a vida pelo trabalho: as deformidades, a idiota, a imbecilidade etc.

Os que nascem nessas condições, nada fizeram, seguramente, nesta vida, para merecer uma sorte triste, sem possibilidade de compensação, e que eles não puderam evitar, sendo impotentes para modificá-las e ficando à mercê da comiseração pública. Por que, pois, esses seres tão desgraçados, enquanto ao seu lado, sob o mesmo teto e na mesma família, outros se apresentam favorecidos em todos os sentidos?
Que dizer, por fim, das crianças que morrem em tenra idade e só conheceram da vida o sofrimento? Problemas, todos esses, que nenhuma filosofia resolveu até agora, anomalias que nenhuma religião pode justificar, e que seriam a negação da bondade, da justiça e da providência de Deus, segundo a hipótese da criação da alma ao mesmo tempo em que o corpo, e da fixação irrevogável da sua sorte após a permanência de alguns instantes na Terra.
Que fizeram elas, essas almas que acabam de sair das mãos do Criador, para sofrerem tantas misérias no mundo, e receberem, no futuro, uma recompensa ou uma punição qualquer, se não puderam seguir nem o bem nem o mal?
Entretanto, em virtude do axioma de que todo efeito tem uma causa, essas misérias são efeitos que devem ter a sua causa, e desde que se admita a existência de um Deus justo, essa causa deve ser justa.
Ora a causa sendo sempre anterior ao efeito, e desde que não se encontra na vida atual, é que pertence a uma existência precedente. Por outro lado, Deus não podendo punir pelo bem o que se fez, nem pelo mal que não se fez, se somos punidos, é que fizemos o mal. E se não fizemos o mal nesta vida, é que o fizemos em outra. Esta é uma alternativa a que não podemos escapar, e na qual a lógica nos diz de que lado está à justiça de Deus.
O homem não é, portanto, punido sempre, ou completamente punido, na sua existência presente, mas jamais escapa às conseqüências de suas faltas. A prosperidade do mau é apenas momentânea, e se ele não expia hoje, expiará amanhã, pois aquele que sofre está sendo submetido à expiação do seu próprio passado.
A desgraça que, à primeira vista, parece imerecida, tem portanto a sua razão de ser, e aquele que sofre pode sempre dizer: “Perdoai-me, Senhor, porque eu pequei”.
Os sofrimentos produzidos por causas anteriores são sempre, como os decorrentes de causas atuais, uma conseqüência natural da própria falta cometida. Quer dizer que, em virtude de uma rigorosa justiça distributiva, o homem sofre aquilo que fez os outros sofrerem.
Se ele foi duro e desumano, poderá ser, por sua vez, tratado com dureza e desumanidade; se foi orgulhoso, poderá nascer numa condição humilhante; se foi avarento, egoísta, ou se empregou mal a sua fortuna, poderá ver-se privado do necessário; se foi mau filho, poderá sofrer com os próprios filhos; e assim por diante.
É dessa maneira que se explicam, pela "Pluralidade das Existências" e pelo destino da Terra, como mundo expiatório que é, as anomalias da distribuição da felicidade e da desgraça, entre os bons e os maus neste mundo.
Essa anomalia é apenas aparente, porque só encaramos o problema em relação à vida presente; mas quando nos elevamos, pelo pensamento, de maneira a abranger uma série de existências, compreendemos que a cada um é dado o que merece, sem prejuízo do que lhe cabe no Mundo dos Espíritos, e que a justiça de Deus nunca falha.
O homem não deve esquecer-se jamais de que está num mundo inferior, onde só é retido pelas suas imperfeições. A cada vicissitude, deve lembrar que,se estivesse num mundo mais avançado, não teria de sofrê-la, e que dele depende não voltar a este mundo, desde que trabalhe para se melhorar.
As tribulações da vida podem ser impostas aos Espíritos endurecidos, ou demasiado ignorantes para fazerem uma escolha consciente, mas são livremente escolhidos e aceitas pelos Espíritos arrependidos, que querem reparar o mal que fizeram e tentar fazer melhor.
Assim é aquele que, tendo feito mal a sua tarefa, pede para recomeçá-la, a fim de não perder as vantagens do seu trabalho. Essas tribulações, portanto, são ao mesmo tempo expiações do passado, que castigam, e provas para o futuro, que preparam. Rendamos graças a Deus que, na sua bondade, concede aos homens a faculdade da reparação, e não o condena irremediavelmente pela primeira falta.
Não se deve crer, entretanto, que todo sofrimento por que se passa neste mundo seja necessariamente o indício de uma determinada falta; trata-se freqüentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua purificação e acelerar o seu adiantamento.
Assim, a expiação serve sempre de prova, mas a prova nem sempre é uma expiação. Mas provas e expiações são sempre sinais de uma inferioridade relativa, pois aquele que é perfeito não precisa ser provado. Um Espírito pode, portanto, ter conquistado um certo grau de elevação, mas querendo avançar mais, solicita uma missão, uma tarefa, pela qual será tanto mais recompensado, se sair vitorioso quanto mais penosa tiver sido a sua luta.
Esses são, mais especialmente, os casos das pessoas de tendência naturalmente boas, de alma elevada, de sentimentos nobres inatos, que parecem nada trazer de mal de sua precedente existência, e que sofrem com resignação cristã as maiores dores, pedindo forças a Deus para suportá-las sem reclamar. Podem-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam reclamações e levam à revolta contra Deus.
O sofrimento que não provoca murmurações pode ser, sem dúvida, uma expiação, mas indica que foi antes escolhido voluntariamente do que imposto; é a prova de uma firme resolução, o que constitui sinal de progresso.
Os Espíritos não podem aspirar à perfeita felicidade enquanto não estão puros; toda mancha lhes impede a entrada nos mundos felizes.
Assim acontece com os passageiros de um navio tomado pela peste, aos quais fica impedida a entrada numa cidade, até que estejam purificados. É nas diversas existências corpóreas que os Espíritos se livram, pouco a pouco, de suas imperfeições. As provas da vida fazem progredir, quando bem suportadas; como expiações, apagam as faltas e purificam; são o remédio que limpa a ferida e cura o doente, e quanto mais grave o mal, mais enérgico deve ser o remédio.
Aquele, portanto, que muito sofre, deve dizer que tinha muito a expiar e alegrar-se de ser curado logo. Dele depende, por meio da resignação, tornar proveitoso o seu sofrimento e não perder os seus resultados por causa de reclamações, sem o que teria de recomeçar.


Fonte:
Grupo Socorrista Obreiros do Senhor Jerônimo Mendonça Ribeiro

ORAÇÃO AO SENHOR


SENHOR, purifique nossos pensamentos, palavras e ações, para que nada apague do nosso coração, a doçura do Teu Amor… Permita que nossos olhos enxerguem o mundo, com mais pureza de Alma e Coração, e que os confrontos da Vida não nos roubem a Serenidade interior, a Alegria de viver e a Confiança em Tua perfeita Sabedoria… Dá-nos a capacidade de transformar as dificuldades deste dia, em “degraus” para o nosso crescimento… Que a Tua Bênção e Proteção nos fortaleçam, para enfrentarmos e vencermos com coragem, todas as situações adversas do nosso caminhar.

do site Gotas de Paz

MENSAGEM DO DIA


Os seres humanos não são nossos inimigos. Nosso inimigo é a violência, a ignorância e a injustiça existentes em nós e nos outros. Quando nossas armas são a compaixão e a compreensão, não lutamos contra outras pessoas, e sim contra a tendência de invadir, dominar e explorar. Não queremos matar os outros, mas não deixaremos que eles nos dominem e explorem. Você precisa se proteger. Você não é idiota. Você é muito inteligente e perspicaz. Agir com compaixão significa usar a inteligência para impedir que as outras pessoas cometam violência contra si mesmas ou contra você. A ação não violenta que emana do amor é uma ação inteligente.

Thich Nhat Hanh

sexta-feira, 27 de julho de 2018

ANJO GUARDIÃO OU PROTETOR ESPIRITUAL



Minha filha, meu filho, nem tudo a gente vê, mas o nosso coração sente se assim permitirmos.
Deixe sua fé irradiar e se conectar com a falange espiritual do bem que te cerca.
A Espiritualidade está a postos para nos ajudar, mas nem sempre encontramos uma porta, um convite para entrarmos e ajudar de fato.
A maioria dos pedidos não são de ajuda no sentido de dar força e iluminar para o encarnado realizar sua missão. E sim que todos os problemas sejam resolvidos.
Os problemas são essenciais para conseguirmos a nossa maturidade e plenitude do ser.
Nem Deus interfere no livre arbítrio, por isso cabe aos encarnados se fortalecer na prece, pedindo sempre com sabedoria, pois o autor da história é quem pede e não a Espiritualidade.
Caso contrário, seria o professor fazendo a prova para o aluno.
Reflita sua vida como um aprendizado e a terra como a maior de todas as escolas.
Deus e toda sua falange infinita de trabalhadores estão nosso lado, além de um espírito amigo que nos dedica exclusivamente as 24 horas do dia, que tem a missão de nos amparar e guiar nesta encarnação.
Sinta essa força para encontrar a firmeza em seus próprios passos.
Reflita.
Abraço fraterno do Irmão Luz.

quinta-feira, 26 de julho de 2018

“DEIXAI OS MORTOS ENTERRAREM OS MORTOS”


O Cristo nos deu bastantes pistas sobre o mecanismo de interação física-espiritual. Nos ensinou a resolver as querelas com os adversários enquanto no caminho para que não nos coloquemos sob a ação obsessiva; Nos informou que a vida continua, apesar das vinculações do amor ou ódio, demonstrando que mágoas ou apegos são fortes empecilhos a vida terrena; E, finalmente, coroou a Sua passagem no plano terrestre provando que a morte é uma ilusão, que a vida espiritual é continuação e consequência imediata do período reencarnatório precedente.
O detalhamento ficaria para o Consolador, conforme o Cristo nos disse, “Mas o Consolador, que é o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito. (João, XIV: 15 a 17 e 26) ”. Através da obra Kardequiana, a relação entre os planos seria pormenorizada na moral, filosofia e ciência.
Kardec nos informa claramente da pluralidade das vidas, da continuidade da consciência após a morte, bem como, das consequências da Lei de Causa e Efeito. A tríade do estudo deste mês.
A reencarnação, através da bondade e justiça divina, nos faceia aos antigos opositores, companheiros de relações malfadadas, irmãos os quais os débitos amontoaram-se reciprocamente, onde nem tudo resolveu-se, um ou outro, talvez ambos, não tenham seguido a lição da reconciliação com o adversário, mencionada no primeiro parágrafo.
A não resolução de questões, por vezes mínimas, as quais martelam a mente encarnada ou desencarnada, são a principal causa das tormentas entre indivíduos de planos diferentes. Quando entendermos que o “depois” pode não acontecer, enquanto não assimilarmos que a morte do corpo é como o ladrão que bate à porta sem esperarmos, muitas lágrimas serão vertidas em sofrimento.
Durante atendimentos mediúnicos, alguns em nome do amor, podemos entender como o desequilíbrio culposo ou apegado remete criaturas às sensações tormentosas. Vários são os casos de maridos e esposas desencarnados a ladear os antigos cônjuges; Mães a transferir a angústia da saudade aos filhos de outro plano; Filhos, encarnados, a continuar a relação simbiótica, dependente, com os genitores no plano espiritual. Não à toa o Mestre nos diz para deixar os mortos enterrar os mortos.
Tenhamos a consciência que nossas ações, muitas vezes, promovem a angústia nos entes que se foram, pelo fato dos mesmos não estarem totalmente preparados para a nova realidade do espírito. Desejam interferir, muitas das vezes com o intuito de ajudar, mas acabam por, inconscientemente, aumentar o grau de dor.
O amor em desequilíbrio muito mais prejudica, fere e protela resoluções do que auxilia.
Devemos nos preparar para este cenário entendendo que também, um dia, estaremos do lado espiritual. Quando despertamos na verdadeira vida, como reagiremos? Quais serão nossas prioridades e apegos? As paixões do espírito estarão controladas? As querelas resolvidas? As culpas sanadas? Teremos a consciência do bom uso do tempo em favor da respectiva missão, evitando, assim, os desencarnes dolorosos do remorso e da não conformação com o encontro com a morte?
Quanto trabalho a fazer em tão pouco tempo...
Cuidar do espírito, preparar-nos para a entrada no plano etéreo, é a causa de estarmos todos neste corpo limitador da consciência. O mapa da boa preparação já foi esmiuçado pelo Cristo e Kardec.
Por outro lado, sabemos que antigos amores, amigos e companheiros nos acompanham do outro lado. O amor é irresistível e atravessa todas as barreiras de tempo e espaço, não podemos culpar-lhes por sensibilizarem-se com nossos erros e dificuldades, naturais na fase de aprendizes a qual nos encontramos. Mas é importante que a ação destes irmãos não cause prejuízos a si ou a outrem que por ventura se coloquem como obstáculos em nossas vidas.
Todo débito contraído merece ser ressarcido.
Por isso, oremos, oremos pelos que não mais nos acompanham a jornada, contudo, tenhamos a oração da tranquilidade, e não da angústia; A prece que visa o reencontro feliz, sem culpas ou remorsos, suscitando o futuro que reserva a continuidade de convivência a todas as criaturas que se amam, após os hiatos da vida carnal. É necessário estarmos conectados, porém, conforme a condição de cada um, para que a ação desequilibrada, de um ou outro, não afete ou interfira nas programações terrenas planejadas para a resolução de ajustes naturais da existência, resultando nas inconsequências e dilatando, ainda mais, os períodos de separação.
Deixai os mortos enterrarem os mortos.

Fonte: Correio Espirita. Por: Pedro Valiati

NA PORTA DA DOR



Os sentimentos se misturam, um misto de desespero, derrota, incapacidade e muita insegurança. Lembremos que todos os momentos difíceis são aprendizado e crescimento espiritual. Deus em sua infinita bondade e justiça nos dá a dor, porque sabe que somos capazes da superação. O melhor remédio para a dor é a prece sincera, onde nos conectamos ao Alto humildes e livres do orgulho e da vaidade que nos acompanhou nos momentos de bonança. Temos duas opções de evoluir, pelo amor ou pela dor, ambas nos fazem refletir, mas a dor nos ensina que nem tudo que pensamos ter importância, realmente tem relevância em nossa existência. Façamos uma reflexão sincera neste momento sobre o que fomos, o que somos e o que queremos ser mais adiante, com certeza vamos encontrar Deus ali a nossa disposição, com todo amor para nos acolher e nos conduzir para o melhor.

do site Gotas de Paz

MENSAGEM DO DIA


O desapego consiste em destruir inteiramente os pensamentos em seu local de origem e sem deixar vestígios. Assim como o pescador de pérolas amarra uma pedra à sua cintura, mergulha até o fundo do mar e recolhe as pérolas, também o aspirante deve desenvolver o desapego, mergulhar dentro de si e obter a pérola do Eu superior.

Ramana Maharshi

terça-feira, 24 de julho de 2018

PRECE PARA JESUS ABRIR UMA PORTA EM SUA VIDA




Senhor, atende este clamor que brota do mais íntimo do meu coração: abre-me uma porta ! Só Tu sabes e conheces, Jesus, o momento de dificuldade pelo qual eu (diga aqui seu nome) e toda a minha família estamos passando por causa do desemprego.
Tu sabes também, Senhor, com quanta esperança eu
me aproximo de Ti para pedir que vás à minha frente abrindo uma porta e preparando um emprego, para que abrindo eu possa, através de um trabalho digno, dar à minha família “o pão de cada dia”.
Por que tu és, ó meu Deus, minha esperança!
Senhor, atende este clamor que brota do mais íntimo do meu coração: abre-me uma porta !
Só Tu sabes e conheces, Jesus, o momento de dificuldade pelo qual eu (diga aqui seu nome) e toda a minha família estamos passando por causa do desemprego.
Tu sabes também, Senhor, com quanta esperança eu me aproximo de Ti para pedir que vás à minha frente, abrindo uma porta e preparando um emprego, para que eu possa, através de um trabalho digno, dar à minha família “o pão de cada dia”.
Por que tu és, ó meu Deus, minha esperança!
Peço ainda que me concedas todo ânimo, confiança, destemor e fortaleza para sair de minha casa em busca desse trabalho, na certeza de que Tuas mãos, estendidas em meu favor, baterão nas portas antes de mim, preparando a minha entrada num emprego segundo a Tua vontade.
Confiando inteiramente na Tua Palavra que diz “Batei e abrir-se-á (…), ao que bater se lhe abrirá”, já agradeço, de todo o meu coração, porque acredito que “a Deus nenhuma coisa é impossível.”

CHICO XAVIER

O QUE SIGNIFICA SONHAR COM ESPÍRITOS?




Na infância, eu sonhava com espíritos seguidas vezes e sentia muito medo daquilo. Para mim, também era frequente sonhar que estava voando ou flutuando e mais tarde fui entender que esse era outro padrão de sonho.
Embora minha mãe e meu pai fossem bastante esclarecidos espiritualmente, eu sofria muito com aqueles sonhos, porque eu tinha medo. Vivíamos numa comunidade em que quando alguém falava a palavra “espírito”, as pessoas ficavam com medo.
Somos educados pela sociedade a ter medo de espírito, enquanto isso eles estão entre nós, naturalmente.
Será que você já sonhou com espíritos? Ou conhece quem sonha com espíritos? É sobre isso que vamos falar.
Existem 3 padrões básicos de sonhos
1. Burburinho psíquico:
É o tipo de sonho que você tem quando dorme sem fazer uma higiene mental. Então, ele condensa desordenadamente resquícios acumulados de todas as informações que você teve durante o dia.
Por isso, é muito importante aprender a se limpar psiquicamente, porque se você não se preparar para dormir, você entra nesse padrão de sonhos que, sinceramente, eu sou muito radical com relação ao significado deles, pois não dá para aproveitar nada.
2. Recordações de vidas passadas:
São sonhos repetitivos, onde a história é sempre a mesma.
Geralmente, você está fugindo de alguém ou alguém está morrendo, estão matando você ou estão lhe abandonando, podem mudar os cenários, mas a sensação e o sofrimento são iguais.
Ao adormecer, o seu corpo dorme, mas a sua alma acorda, com isso o seu inconsciente libera fragmentos de informações de vidas passadas. E é muito comum eclodirem de você coisas ruins, pois é o seu inconsciente gritando o que está em desequilíbrio, trazendo à tona as questões para que possam ser ajustadas.
As coisas boas que você viveu em vidas anteriores raramente aparecem, porque elas não precisam de ajuste, estão em equilíbrio.
Nos próximos vídeos, vou disponibilizar técnicas para você limpar traumas de vidas passadas durante o sono.
Esta prática exige certo aprofundamento, mas eu vou ensinar para você algumas práticas que ministro no curso avançado e que fazem a diferença.
Recomendo que você faça uma higiene psíquica todos os dias antes de dormir com ancoragens e afirmações, assim você já vai começando a tratar destas questões para este tipo de sonho ir desaparecendo.
3. Projeção Astral:
O sonho, que está relacionado à questão de sonhar com espíritos, é o que nós chamamos de “viagem astral” ou “projeção astral”. De acordo com as mais diversas civilizações e costumes, a projeção astral pode ainda assumir nomes como “emancipação da consciência”, “sonho lúcido” ou “saída do corpo”.
Enquanto o seu corpo dorme, a sua alma acorda e se projeta para fora do corpo físico. A projeção astral é a saída do corpo para a dimensão espiritual, pois sua alma é um espírito.
E à medida que a capacidade moral, extrafísica, psíquica e a capacidade bioenergética da pessoa vai se tornando melhor qualificada, mais aumenta sua capacidade de realizar a viagem astral, exatamente como ao praticar exercícios físicos melhoramos o desempenho e a disponibilidade da musculatura corporal.
Você não “é” o seu corpo, você “está” no seu corpo. Cada um de nós é sua própria alma ou seu “corpo de luz”, como dizia Paulo de Tarso.
Deste modo, quando o corpo morrer, a essência vai continuar. Entretanto, essas mini mortes acontecem todas as noites, a única diferença é que a gente sai do corpo e volta, porque nós estamos magneticamente presos a ele.
Mas em algum instante a gente vai sair do corpo e não vai voltar mais, a isso damos o nome de “morte”. Só que a morte não é o fim. A morte, na verdade, é apenas um estágio.
A experiência da projeção astral durante o sono do seu corpo físico, permite que você tenha consciência da entrada do seu corpo de luz na dimensão espiritual, e assim afinizado sob a mesma forma corpórea que os espíritos, entre em contato com eles. É por isso que muita gente sonha com espíritos.
O que significa sonhar com espíritos?
É importante que fique claro que, como vimos anteriormente, quando você sonha com espíritos, significa que durante o sono sua alma saiu do corpo físico e adentrou a atmosfera espiritual.
Se os espíritos visualizados em sonho forem de luz, significa que você está vibrando numa frequência de luz.
Caso os espíritos não estejam na luz e apresentem sofrimento, maledicência ou malvadeza, entretanto você se vê no sonho acompanhado de seres de luz, significa que você juntamente com os amparadores espirituais que te protegem estão prestando ajuda a essas almas.
Se forem espíritos malignos querendo lhe atacar e você se vê sem o auxílio dos seres de luz protetores, pode significar que você não está se preparando bem para dormir.
E isso acontece com todo mundo, só que alguns lembram e outros não.
Por este motivo é tão valiosa a higiene psíquica na preparação para o sono e ter hábitos mais sadios, por exemplo, evitando de ir dormir intoxicado por bebida alcoólica.
Nos sonhos com espíritos de luz ou com parentes desencarnados há uma mensagem.
Se esses parentes estiverem com boa aparência e felizes, significa que eles estão bem.
Se estiverem tristes, significa que estão inspirando cuidados. Então, envie emanações de luz, de amor e de fraternidade para a alma destes parentes falecidos.
Importante
A projeção astral é uma capacidade do ser humano, tal como aprender a falar, aprender a andar ou aprender outro idioma, é um desenvolvimento parapsíquico inerente à consciência que todos temos em maior ou menor grau.
Alguns já nascem com isso pronto e outros vão se desenvolvendo, independentemente da sua religião, crença ou de qualquer outro fator.
Este assunto é profundo e vasto, por isso vamos seguir conversando sobre este tema. Estou elaborando os próximos vídeos com muito mais informações e dicas num mini treinamento com técnicas inovadoras, para que você também possa otimizar as faculdades do seu espírito durante o sono criando dias melhores e ainda mais felizes em sua vida.







NOSSO CONTATO COM OS GUIAS ESPIRITUAIS



Afliges-te, porque ainda não lograste o contato psíquico com os teus Guias Espirituais.
Reflexionas que buscaste a fé religiosa, abraçando a mediunidade, e, não obstante, tens a impressão de que navegas sem rumo, padecendo conflitos e experimentando desânimo.
Momentos surgem nos quais receias pela legitimidade do intercâmbio espiritual de que te fazes objeto.
Anseias por informações precisas sobre o teu papel nas tarefas da mediunidade.
Relacionas pessoas que te parecem menos equipadas, e, apesar disso, apre-sentam-se superprotegidas pelos Espíritos Nobres, assessoradas por Benfeitores Venerandos e Entidades outras, que na Terra deixaram nomes respeitáveis, famosos…
Planejas desistir, acreditando que as tuas são faculdades atormentadas, sem credencial ou recurso capaz de registrar a proteção dos Guias Espirituais.
Tem, porém, cuidado, e medita sem queixa.
A mediunidade é instrumento de serviço em nome do amor de Deus, para apressar o progresso dos homens e facultar o intercâmbio com os espíritos, deles recebendo a ajuda.
Candidataste-te ao labor socorrista, como recurso saudável para te recuperares moralmente do passado delituoso, por cuja contribuição terias, também, as dores lenidas ou alteradas no teu organograma para a evolução.
Honrado pelo trabalho de iluminação de consciência, estás colocado como veículo de bênçãos.

Buscam-te os sofredores, porque são trazidos a ti pelos teus Guias Espirituais, que confiam na tua ductibilidade, no teu sentimento de amor.
Porque não ouves os teus Benfeitores, não te creias abandonado, sem apoio.
Tem paciência.
Faze silêncio íntimo e entrega-te mais.
Quando desdobrado parcialmente pelo sono, eles te confortam e instruem, fortalecem-te e programam as atividades para as quais renasceste.
Se não o recordas conscientemente, ficam impressos nos teus registros psíquicos, esses salutares conúbios edificantes.
Se aprofundares a reflexão, perceberás quantas vezes eles já te falaram, socorreram e apoiaram nos momentos rudes das provações e dos testemunhos.
Eles são discretos e agem sem alarde, não brindando recursos que induzam à vaidade, ao exibicionismo.
Amparam em silêncio, instruem em calma, conduzem com afabilidade.
Quando vejas, na mediunidade, o campeonato das disputas humanas e o calafrio que provoca a presença de seres nobres do passado, aureolando com pompa terrestre a memória, que pretendem manter rutilante, acautela-te e desconfia.
Importante não é o nome que firma ou enuncia uma mensagem, mas, sim, o seu conteúdo de qualidade e penetração benéfica.
Desse modo, trabalha no anonimato e, consciente das responsabilidades que te dizem respeito, deixa que os teus Guias Espirituais zelosamente te guardem e conduzam, não te expondo no palco da insensatez, onde brilha por um dia e se apaga de imediato a vaidade humana.

JOANNA DE ÂNGELIS – Divaldo Franco



MENSAGEM DE HOJE



Ama a ti mesmo e esteja atento -
Hoje, amanhã e sempre.
Primeiro estabelece a ti mesmo no caminho,
Depois ensina aos outros,
E assim derrotarás o sofrimento.
Para corrigir o desonesto
Terás primeiro que fazer uma coisa difícil
Corrigir a ti mesmo.
Tu és teu único mestre.
Quem mais?
Subjugue a ti mesmo
E descobre o teu mestre.

Dhammapada

LIVRE ARBÍTRIO


Saiba que apesar de Deus ser Todo-Poderoso, Ele nunca vai forçar você a mudar. Para você mudar, você tem que fazer a sua parte da reforma íntima e permitir que Ele trabalhe por você. Por vezes a transformação vai doer, pois Deus vai querer trabalhar em partes delicadas da tua vida, mas necessárias para sua transformação. Se você deixar Deus trabalhar por você, certamente experimentará as grandes transformações que Ele tem para a tua vida! Lembre-se sempre que não basta Ele querer, se você não quer e nem faz sua parte. Tudo é possível quando você tem Deus no seu coração.

do site Gotas de Paz

sábado, 21 de julho de 2018

“PORQUE UM SUICIDA NÃO RECEBE AJUDA ESPIRITUAL ANTES DO SUICÍDIO?”


Vocês que estão lendo essas palavras neste momento, se você é influenciado por algum sentimento depressivo e, portanto, pensando em um impulso autodestrutivo, não faça isso.
Sentindo-se exausto e pensando que você está cansado da vida e está buscando alívio ao sair da vida material, tente ler este breve texto até o final por alguns minutos mais, e depois, por favor, faça um breve exercício de reflexão.
Os sentimentos autodestrutivos não podem resolver qualquer tipo de problemas, sejam eles quais forem. Pelo contrário, esses sentimentos apenas aumentam a frustração pessoal porque insinuam a ideia errônea de que você não conhece uma maneira de resolver a situação por conta própria e, além disso, não valerá a pena procurar uma ajuda de ninguém.
Como todos somos transmissores e receptores de vibrações mental-espirituais, permanecendo com essa postura mental, você acaba atraindo e sendo cercado por espíritos grosseiros que estão satisfeitos em envolver alguém que esteja passando por necessidades amargas e impulsos de suicídio.
A literatura espírita é pródiga nas narrativas que retratam a situação daqueles que se permitiram ceder ao impulso suicida, porque acreditavam que, deixando a vida por sua própria vontade, estariam se livrando de problemas. No entanto, uma triste surpresa está esperando por eles: eles não se livraram de seus problemas; seus problemas são aumentados; seu peso do sofrimento é aumentado.
Eles vieram da vida material para serem reentrados na Vida Real, a Vida Espiritual, onde nada está escondido dos espíritos guardiões. Eles sofrem ainda mais porque eles acordam em um lugar onde há choro e ranger de dentes e agora experimentam seus momentos finais pela repetição do último ato extremo com o qual eles terminaram sua existência.
Este ato extremo é reagido segundo a segundo. É como se o espírito suicida ficasse revivendo o momento do suicídio diversas vezes sem parar (segundo algumas obras espíritas que nos mostram esse fato).
O tormento imediato do suicídio é um tormento que parece ser infinito, eterno, para ele ou ela. Seu último ato fatal na vida material, que foi a ação que causou o extermínio da vida, é revivido repetidamente.
É o gatilho desencadeado pelo golpe da arma; o salto do edifício ou a ponte e a visão panorâmica de sua vida nos últimos segundos antes do impacto; e a sensação de seu corpo voando sobre os trilhos da estrada de ferro ou do veículo. Além disso, eles sofrem, repetidamente, nesse momento, como se fosse um filme sem qualquer interrupção.
É necessário perseverar na luta em busca de soluções – que existem! – e sempre chega através de amigos; Por mensagens escritas ou por outros meios. Não se pode esquecer que o Amigo de Todas as Horas – Jesus! – está atento às nossas necessidades e sempre envia os recursos que precisamos para superar as aflições. Evidentemente, aqueles que sucumbiram eram porque não podiam identificar o alívio enviado.
Quando surge um problema, uma aflição, se alguém se rende e permite um desequilíbrio interno, isso emite sinais perceptíveis para o Plano Espiritual. Com a mesma rapidez, que os Amigos do Maior enviam ajuda, entidades de padrão vibratório muito baixo que caracterizam os espíritos obsessivos, também se aproximam do sofredor encarnado e iniciam os cerco.
O espírito reencarnado, sem estar vigilante na fé, não percebe os fluidos benéficos sobre si mesmo e adere à pressão das vibrações inferiores, desanimadas. Com isso, parece-lhe que sua situação é ainda mais complicada porque essas entidades obsessivas apenas apresentam imagens sombrias.
Naquele momento, quando cercado de pressões antagônicas, a decisão dependerá do livre arbítrio do Espírito encarnado. Cabe a ele decidir qual força vai ganhar. No entanto, o Senhor adverte que, com a observação e a reza, será mais fácil evitar aflições.
Revise as últimas ocorrências. Levante a cabeça e diga a si mesmo: “Eu vou enfrentar isso! Eu vou ganhar! “E jogue fora seus pensamentos obscuros.
Em caso de dúvida, não tenha vergonha nem medo por pedir ajuda e alguém será encaminhado para ajudá-lo. Então, não desista. Seus melhores amigos do mundo espiritual estão apenas esperando sua decisão e então eles começarão a tratar suas feridas internas.
O Senhor ama você e Seu Amor nunca o deixará sozinho.


Texto Original “Pensamentos Obscuros” por Geraldo Goulart
Fonte: https://estudantespirita.com.br 

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO