BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

“O ENCONTRO DE ALMAS E O AMOR IMPOSSÍVEL”




Na vida acontecem encontros, desencontros e reencontros motivados pela busca do grande amor. Para algumas pessoas o amor é profissão, para outras é maternidade e para outras, ainda, é o celibato. Porém, para uma grande parcela o amor representa o encontro com aquele ou aquela que será a própria razão de viver.
Mas como explicar esses encontros que resultam numa explosão de sentimentos que nos fazem acreditar que aquela pessoa é a pessoa certa? Será que é simplesmente química orgânica ou algo a mais que “a nossa vã filosofia não consegue compreender”?
Porém, para nós espíritas que acreditamos na reencarnação, entendemos que esse “estado de alma” tem origem na lei das afinidades. Isto é, os espíritos, quando encarnados ou não, estabelecem intensos laços afetivos de amor e amizade que exercem forte atração quando se encontram novamente encarnados. Todavia, existem aqueles espíritos que necessitam experimentar a solidão para refletir sobre os excessos cometidos em vidas pregressas ou passar por provações que necessitam vencer.
Seja como for, o amor é uma conquista pessoal que exige atitude, intenção e continuidade. Não é possível amar alguém sem antes amar a si mesmo (para amar é preciso se amar em primeiro lugar). Em outras palavras, a maioria dos sofrimentos nasce do fato de não termos a certeza que nos amamos ou se desejamos ser amados; se amamos tal pessoa de fato ou se queremos possuí-la como um objeto; ou ainda, se o que sentimos é amor ou se é um paliativo para as nossas carências.
Quando nos apaixonamos por alguém que já está compromissado com outra pessoa ou quando nutrimos um desejo secreto por outrem também comprometido, devemos nos afastar imediatamente, evitando, assim, nos tornarmos um instrumento de tentação e queda no caminho daquela pessoa. Da mesma forma, se não conseguimos conter nossos impulsos na presença de quem desconhece tal intenção, melhor será tomar a iniciativa de evitar o encontro com aquela pessoa.
Insistir em um relacionamento afetivo sem que sejamos correspondidos é o mesmo que confessar que carecemos de amor próprio e que estamos adoecidos pela mágoa e pelo egoísmo, pois, a afeição e o amor saudável são sempre recíprocos e generosos.
Se vivemos com alguém que não nos ama com a mesma intensidade é porque ainda não encontramos quem, verdadeiramente, nos fará feliz.
Viver trocando de supostos afetos, como se faz com alguma peça de roupa, desprezando os sentimentos alheios envolvidos nesta constante troca, reserva ao praticante desconsolo no futuro; ninguém lesa o outro sem lesar a si mesmo.
Quem ama de forma consciente e responsável, sem desejar a posse do outro, ainda que se desencontre do ser amado, haverá de se reencontrar aqui ou acolá, pois o amor é um imã que faz almas afins se atraírem de forma irresistível.
O amor entre dois parceiros significa a conquista da felicidade terrena e a consequência disso é a atração de boas vibrações, o que os torna capazes de enfrentarem as expiações e provas a que estarão sujeitos.
A compreensão desses fatos devolveria de imediato parte da saúde física e mental à maioria das pessoas que, adoecidas, insistem em esperar por alguém idealizado que imaginam existir ou amar e a quem atribuem a tão almejada felicidade. E por conta da espera interminável, esses melancólicos pseudo apaixonados fantasiam amores platônicos que atraem para si espíritos com a mesma vibração. Desta forma, tornam-se hospedeiros para esses espíritos que também se satisfazem com fantasias depressivas, fruto dos devaneios de quem permanece inerte diante da vida.
Cuidemos, portanto, dos nossos relacionamentos.


Fraternidade Luz e Fé
Fonte: Espíritbook

 www.espiritbook.com.br/

VIDA E MORTE – Princípio Vital



Princípio Vital (PV) é um princípio especial, ativo no ser vivo e extinto no morto. É irreconstituível e foi muito confundido com o Espírito nos tempos das antigas religiões. Uma seita judaica à época de Jesus, os Saduceus, pelo que se pode deduzir faziam total confusão entre PV e o Espírito. Para esta seita o Espírito é criado no momento do nascimento e, com a morte, o Espírito desapareceria, voltando para o âmago de Deus que o criou. Não acreditam, portanto, numa vida após a morte.
Na verdade, o que volta à natureza, dentro das leis da energia, é o PV que é também chamado de Energia Vital. É o que “anima” os seres orgânicos. Se juntarmos O2+H+C+N; teremos um mineral, entretanto, se juntarmos o Princípio Vital teremos um ser vivo. É, pois, o PV que faz a diferença do ser orgânico para o inorgânico.
O próprio homem é animado pelo PV, pois este é o que dá impulsão aos órgãos, fazendo-os funcionar, nas suas diversas funções. Assim pode acontecer que, mesmo após o desencarne,(desprendimento do Espírito do corpo) alguns órgãos permanecerem em funcionamento, é o que apelidamos de vida vegetativa. Os cabelos, unhas; por exemplo, mantém o crescimento após a morte, por conta da atuação do PV.
A causa da morte dos seres orgânicos é o esgotamento dos órgãos, quando, é claro, não há doenças que aceleram o processo deste esgotamento, é uma conseqüência do desgaste senil. Pode-se comparar à cessação do movimento de uma máquina gasta e desorganizada (o corpo enfermo). Para complicar existem órgãos que são vitais ou essenciais para a vida, como o cérebro, rins e o coração, que lesados ocasionam a morte.
Morto o ser orgânico, os elementos que o compõem sofrem novas combinações, do que resultam novos seres. Esses seres haurem na fonte universal, o princípio da vida e da atividade, absorvendo e assimilando o PV.
Na pessoa sadia, os órgãos funcionam harmonicamente, porém se um se altera por algum trauma ou doença a harmonia cessa e tudo se altera também, podendo chegar à morte, se o órgão lesado é essencial para a vida.
Podemos exemplificar com um liquidificador. Ao comprá-lo ele está perfeito, completo, porém, se não lhe dermos energia, ligando-o na tomada, ele não funcionará. Com o seu mau uso ou pelo desgaste de suas peças, ele acabará inanimado, isto é parado, morto.
O PV tem origem no Fluído Cósmico Universal (FCU) que é a menor partícula do universo (hoje chamado Corpúsculo de Biggs). O FCU é matéria sutil e quintessenciada, fonte de toda a energia e matéria. O PV é um só para todos os seres orgânicos, modificando segundo as espécies, também a quantidade do PV varia de acordo com os indivíduos. Os mais ativos vivem saturados dessa “energia”.
Pode-se transmitir essa energia vital (PV) de um individuo para outro, aumentando sua atividade, prolongando a vida, melhorando o nível de humor das pessoas. Essa transmissão é feita pelo Passe Magnético (imposição das mãos), Irradiação à distância (energia do pensamento) e ainda pela Água Fluidificada.
Pode-se absorver essa energia (PV) do ambiente e das outras pessoas, pela alegria que por si só já é fonte de Princípio Vital.
Enfim, não confundir o PV com o Espírito. Este elemento pensante, a inteligência, matriz do raciocínio sequencial, criado por Deus rude e ignorante e que está em evolução constante tanto na vida espiritual quanto quando encarnado (vida física). O universo é povoado por Espíritos de diversas categorias evolucionais, habitando planetas mais ou menos evoluídos, de acordo com o seu nível.
Existem planetas Primitivos, de Expiação, de Regeneração e de Bem-aventurança, segundo a classificação Espírita.


IRANRÊGO
Médico cardiologista – espírita
Membro da Academia Maçônica de Letras

Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec

PENSAMENTO DE HOJE


           O que destrói o ser humano? 
           Política sem princípios, 
           Prazer sem compromisso, 
           Riqueza sem trabalho, 
           Sabedoria sem caráter, 
           Negócios sem moral, 
           Ciência sem humanidade e 
           Oração sem caridade. 

Mahatma Ghandi

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO