BOAS VINDAS

Seja bem vindo! Espero que aqui encontre alento, beleza, amor e paz! E que possa espalhar isto para o mundo, que vive tão sedento de tudo isto.



Pesquisar este blog

Seguidores

quinta-feira, 5 de julho de 2018

RE-ENCONTRO COM A MÃE NO PLANO ESPIRITUAL




Rememorando a data de desencarnação de Chico Xavier,  no dia 2 passado, a TV Mundo Maior publica alguns trechos resumidos de grandes obras do médium; o capítulo de hoje será sobre o livro “Nosso Lar”, de André Luiz: a visita materna

Uma das pessoas que mais nos conforta na vida terrena é a nossa mãe. Primeiramente, é ela que nos conhece no âmbito íntimo e profundo das nossas atitudes e palavras. Esse laço visceral entre mãe e filho, formado durante a encarnação neste mundo de provas e expiações, persiste no mundo espiritual, segundo André Luiz, por Chico Xavier.
É no livro “Nosso Lar” – colônia espiritual de nome homônimo da obra – que André Luiz fala da sua experiência de ter visto a mãe após o desencarne. Segundo ele, sua mãe era uma mulher alegre e de olhos brilhantes.
No mundo espiritual, ela manteve essa fisionomia branda e calma, assim como tinha na terra. Desta forma, num dia fatídico de trabalhos na colônia espiritual, André Luiz reencontra sua mãe.
O reencontro de júbilo
Júbilo e uma alegria indescritível ascenderam no coração de André Luiz ao avistar sua querida mãezinha de braços estendidos na porta de seu apartamento.
“Filho! Meu filho! Vem a mim, querido meu!”
Seus olhos se encheram de lágrimas. Porém, não eram de tristeza e, sim, de alegria renovada por saber que sua progenitora se encontrava ali, diante dele, radiante e bela. Assim, o amor de revê-la fez seu coração transbordar de felicidade.

Como ainda estava se recuperando das fragilidades sua vida terrena, André Luiz se emocionou a ponto de “castigar seu coração”. Desta forma, se lembrou das múltiplas encarnações pelas quais já havia passado; e até das lamentações. Assim, é natural que as lembranças terrenas voltem diante de uma emoção tão grande!
A sabedoria de sua mãe verbalizou-se, em síntese, nestas belas frases:
“Nossa dor, portanto, não nos edifica pelos prantos que vertemos […], mas pela porta e luz que nos oferece ao espírito, a fim de sermos mais compreensivos e mais humanos […]. Se é possível aproveitar estes minutos rápidos, em expansões de amor, porque desviá-los para a sombra das lamentações? Amemo-nos, agora, com o grande e sagrado amor divino”, disse sua querida mãe.



SOMOS TODOS IRMÃOS



Uma grande família Universal nos une de alguma forma. Pelos caminhos da vida vamos encontrando pessoas pelas quais logo nos afinamos ou não, mas de qualquer forma somos todos irmãos e devemos sempre olhar o outro como olhamos para nós mesmos, desejar ao outro o que desejamos para nós, cada um possui a sua individualidade e com toda certeza estamos todos juntos nos encontrando e nos afastando por algum motivo maior.
Deus nos uniu em um único planeta porque queria que nos encontrássemos, pensemos sempre nisso ninguém aparece em nossa vida ao acaso, tem sempre um aprendizado e crescimento nesse encontro.

do site Gotas de Paz

PENSAMENTO DE HOJE


Os budistas temem pouco a morte: é provavelmente a única certeza na vida. Ela tem, por outro lado, um poder sem igual, o de fazer os homens olharem no fundo de seu coração para distinguir o essencial do supérfluo. Para muitos sua proximidade leva a repensar a vida e escolher privilegiar a vida espiritual. Consequentemente, a morte é também uma aliada.

Ani Choying Drolma (monja tibetana)

ALGUMAS DE MINHAS OBRAS

MEU MAIS NOVO LIVRO

MEU MAIS NOVO LIVRO